Vereadores criticam locais de vacinação contra a Covid-19

Edis solicitam novos lugares para imunização da população

0
Plenário da Câmara Municipal já recebe público durante as sessões parlamentares (foto: Eduardo Domingues)
Publicidade
Da reportagem

As filas de moradores aguardando para receber os imunizantes contra a Covid-19, nestes dias, receberam críticas de vereadores durante a sessão ordinária realizada na Câmara Municipal na noite de segunda-feira, 13.

Devido à demora, alguns parlamentares questionam a prefeitura sobre a escolha dos atuais pontos de vacinação para pedestres e pelo sistema “drive-thru” e pedem a adoção de novos locais para aplicação das vacinas.

No início do ano, a Vigilância Epidemiológica, órgão pertencente à Secretaria Municipal de Saúde, começou a realizar a imunização no sistema drive-thru na UBS (unidade básica de saúde) “Dr. Aniz Boneder”, no centro, e, meses depois, no estacionamento da nova prefeitura, em frente à UPA (unidade de pronto atendimento) “Augusto Moisés de Menezes Lanza”.

A partir de quarta-feira da semana passada, 8, o órgão municipal passou a efetivar a vacinação, em sistema drive-thru, na praça Maestro Spártaco Rossi, a Concha Acústica, na área central, das 16h às 20h, e, posteriormente, das 14h às 20h.

Desde então, a fila costuma iniciar-se na rua Cônego Demétrio e seguir pela rua Nhô Nhô da Botica até a via Coronel Lúcio Seabra. Nesse ponto, a fila de carros e motos desce até a rua São Martinho, sobe a via Nilzo Vanni e continua pela avenida Virgílio Montezzo Filho, na Nova Tatuí, podendo completar trajeto de mais de um quilômetro.

Publicidade

Conforme a vereadora Micheli Cristina Tosta Gibin Vaz (PP), “a enorme fila tem gerado transtornos imensos às pessoas que aguardam para se vacinar e aos moradores do entorno da praça”.

“Por volta das 18h, as pessoas que moram próximas à praça não conseguem entrar com os carros nas próprias casas”, sustentou Micheli. “Estamos tendo um transtorno com o drive-thru, congestionando grande parte do centro da cidade”, completou o vereador Eduardo Dade Sallum (PT).

Já os pedestres, no segundo semestre, recebem a imunização na Emef “João Florêncio”, também centro. Micheli declarou ter recebido ligações, na sexta-feira, 10, de munícipes afirmando haver cerca de 300 a 400 pessoas aguardando na fila, “debaixo de sol e chuva”.

“A escola ‘João Florêncio’ chegou ao limite. Na verdade, não faz sentido colocar um ponto de vacinação em uma escola, com aulas e crianças lá”, acrescentou Sallum.

Anteriormente, a imunização dos pedestres chegou a ser promovida, além da UBS Central, na UBS “Dr. Almiro dos Reis”, na vila Doutor Laurindo, e nas ESFs “Othoniel Cerqueira Luz”, na CDHU, e “Roseli de Oliveira Camargo”, no Jardim Santa Rita de Cássia.

Fábio Antônio Villa Nova (PP) apresentou requerimento pedindo para que as unidades voltem a ser utilizadas como pontos de vacinação.

“No começo da campanha, quando possuíamos um público reduzido, tínhamos quatro postos de vacinação. Depois, quando começaram a aumentar as faixas etárias, diminuíram os postos de vacinação. É algo meio irracional”, declarou.

“Peço para que a prefeitura aumente pontos de vacinação. Nós só temos 12 servidoras para vacinar 120 mil habitantes. Elas são capacitadas para 120 mil habitantes? E se acontecer um erro?”, complementou Sallum.

Ainda relacionado ao assunto, Sallum apresentou indicação apontando a necessidade de uma campanha para informar a população de que, em caso de perda, furto ou roubo do cartão de vacinação, os aplicativos “Conecte SUS” e “Poupatempo Digital” podem ser apresentados.

O parlamentar ainda é autor de um requerimento questionando o Executivo sobre o motivo de os pontos de vacinação não estarem aceitando a apresentação do Conecte SUS como segunda via do comprovante da primeira dose das vacinas contra Covid-19.

Publicidade