Vereador M. Abreu integra diretoria de parlamento regional

3
Da esquerda para a direita: Paulo Oliveira, Sebastião Misiara (presidente da Uvesp), Cláudio dos Santos, Débora Camargo e Antonio Marcos Abreu (foto: AI Vereador Marcos Abreu)
Publicidade
Da redação

O vereador Antonio Marcos de Abreu (PSDB), presidente da Câmara Municipal de Tatuí, foi empossado terceiro vice-presidente da diretoria do Parlamento Regional Metropolitano de Sorocaba, Itapetininga e Tatuí, criado pela Uvesp (União dos Vereadores de São Paulo).

A cerimônia de posse ocorreu na quinta-feira da semana passada, 12, no Fama Museu, em Itu. A solenidade contou com a presença de 126 vereadores de 34 municípios integrantes do parlamento regional, que é dividido em três sub-regiões.

Os municípios pertencentes à sub-região de Sorocaba são: Alumínio, Araçariguama, Araçoiaba da Serra, Boituva, Capela do Alto, Cerquilho, Ibiúna, Iperó, Itu, Jumirim, Mairinque, Piedade, Pilar do Sul, Porto Feliz, Salto, Salto de Pirapora, São Roque, Sarapuí, Sorocaba, Tapiraí, Tietê e Votorantim.

A sub-região de Itapetininga é integrada por Alambari, Angatuba, Campina do Monte Alegre, Guareí, Itapetininga e São Miguel Arcanjo. Já a de Tatuí é composta por Cesário Lange, Pereiras, Porangaba, Quadra, Tatuí e Torre de Pedra.

A mesa diretora do PRM ficou assim constituída: presidente, Thiago Gonçales (Itu); primeiro vice-presidente, Julio Cesar Buscariol (São Miguel Arcanjo); segundo vice-presidente, Alfredo Melaré (Tietê); terceiro vice-presidente, Antonio Marcos de Abreu (Tatuí); quarto vice-presidente, Uanderson Moreira (Itapetininga); primeira-secretária, Bianca Elisbão (Angatuba); segundo-secretário, Nadivan Maia, (Araçariguama); e secretário geral, Gervino Gonçalves (Sorocaba).

Publicidade

Além da posse da nova diretoria, houve a aprovação do protocolo estatutário da PRM e a nomeação dos membros das comissões permanentes. Juntas, as 34 cidades que integram o PRM contam com 390 vereadores, representando 2.242.399 cidadãos.

Ao todo, são 13 comissões permanentes: Educação e Cultura; Saúde; Segurança Pública; Esporte e Lazer; Desenvolvimento Econômico, Turismo, Emprego e Renda; Planejamento Meio Ambiente e Assuntos Jurídicos; Habitação, Regularização Fundiária e Agricultura; Ação Social, Idoso, Criança, Adolescente e Segurança Alimentar; Mobilidade Urbana e Transporte; Saneamento Básico, Recursos Hídricos e Infraestrutura; Inclusão Social e Acessibilidade; Comunicação, Ciência e Tecnologia; e Bem-Estar e Defesa de Animais.

Outros três vereadores de Tatuí também foram eleitos para comissões. Cláudio dos Santos (PSL) passa a integrar a Comissão de Bem-Estar e Defesa dos Animais Domésticos; Débora Camargo (PSDB), a Comissão de Inclusão Social e Acessibilidade; e Paulo Sérgio de Oliveira Martins (PRTB), a Comissão de Ação Social, Idoso, Criança, Adolescente e Segurança Alimentar.

De acordo com Abreu, os vereadores das cidades que compõem o arranjo político-institucional “têm um papel definido a cumprir: promover a integração, o desenvolvimento e tratar de questões comuns, respeitando sempre as necessidades dos municípios-membros”.

“Ou seja, a intenção é cooperar uns com os outros, num esforço contínuo de construção de agendas, buscas de soluções e melhorias coletivas”, completa o presidente da Câmara de Tatuí.

Conforme o presidente da Uvesp, Sebastião Misiara, o parlamento “reconhece a importância e a autonomia dos Poderes Executivos nas ações municipais, por meio dos papéis institucionais exercidos pelos prefeitos e prefeitas. Respeita, portanto, a autonomia desses entes”.

Para Abreu, a constituição do Parlamento Regional Metropolitano “é um marco para as regiões de Sorocaba, Tatuí e Itapetininga e representa uma nova era política”. “Ao juntar forças, nós, vereadores, estamos enterrando questões antiquíssimas”, destaca.

O vereador aponta que, “por décadas, a região sofreu com as disputas políticas e econômicas e manteve uma tradição cultural e histórica que favoreceu o coronelismo, priorizou a concentração de investimentos em uma cidade em detrimento da outra, direcionou as políticas públicas e criou desigualdades que, nos nossos dias, impactam as populações”.

“Já passou da hora de entendermos que o problema de um é o problema de todos”, acrescentou Abreu, pontuando que a concentração de indústrias em uma cidade, sem planejamento ou estratégia de exploração e formação de cadeia regional, pode levar a um enfraquecimento da economia de um município e no aumento da população em outro.

“O crescimento demográfico desordenado gera ocupações, invasões, migrações, surgimento e aumento de população de rua, uso de substâncias entorpecentes, internações e maior demanda do poder público. Tudo está conectado”, declarou Abreu.

Segundo o parlamentar, o grupo de trabalho regional visa reverter “essas questões herdadas”. “Saem o revanchismo e a guerra fiscal, responsáveis por criar e alargar as desigualdades sociais; entram a troca de conhecimento, as ações articuladas e o trabalho colaborativo, uma política da cooperação, voltada para o bem comum das nossas populações!”, ressaltou.

Conforme Abreu, o parlamento priorizará as áreas do trabalho, habitação, educação, segurança pública e saúde.

“Além do pluralismo, do aprofundamento da integração administrativa, econômica e social de nossa região, o parlamento traz consigo a transparência e a legitimidade social das ações a serem implantadas”.

“Ouso dizer que ele, ainda, fortalecerá a atividade parlamentar, garantindo às câmaras municipais maior poder de representatividade na busca de recursos”, conclui Abreu.

Publicidade