Vacinação contra a Covid-19 continua nesta 2ª-feira; confira o público-alvo

413
Publicidade
Da redação

Nesta segunda-feira, 31, conforme divulgado pela Vigilância Epidemiológica, órgão da Secretaria da Saúde, são vacinados os moradores com comorbidades e pessoas com deficiência permanente a partir de 40 anos.

Os munícipes com deficiência permanente devem apresentar comprovante do recebimento do BPC (Benefício de Prestação Continuada) da assistência social. Já os moradores com comorbidades, necessitam apresentar receita médica válida, no período de seis meses, ou atestado médico recente.

Este grupo deve apresentar comprovante da condição de risco por meio de exames, receitas, relatório médico ou prescrição médica. Os cadastros já existentes nas unidades básicas de saúde podem ser utilizados.

O órgão municipal também prossegue a vacinação de gestantes e puérperas com comorbidades. Para as gestantes é necessária a apresentação da carteira de pré-natal e para as puérperas a certidão de nascimento do bebê. Nos dois casos também é preciso receita ou atestado médico que comprove a comorbidade.

A VE continua a imunização de motoristas e cobradores de ônibus do transporte público urbano e intermunicipais. É obrigatório o pré-cadastro no sistema vacinaja.sp.gov.br, pois é necessária a apresentação do QR Code para aplicação da vacina.

Publicidade

O órgão ainda continua aplicando a primeira dose em tatuianos com Síndrome de Down e transplantados, de 18 a 59 anos, e em moradores a partir de 60 anos completos. A segunda dose do imunizante é aplicada em profissionais da saúde e aos idosos a partir de 64 anos, respeitando a data agendada na carteirinha de vacinação.

As doses são aplicadas em sistema drive-thru somente no estacionamento da futura sede da prefeitura, em frente a UPA, das 8h às 17h. Os pedestres podem receber a imunização na UBS “Dr. Aniz Boneder”, centro, das 8h às 16h.

As comorbidades definidas pelo Ministério da Saúde como doenças cardiovasculares são: insuficiência cardíaca; cor-pulmonale e hipertensão pulmonar; cardiopatia hipertensiva; síndrome coronarianas; valvopatias; miocardiopatias e pericardiopatias; doença da aorta, dos grandes vasos e fistulas arteriovenosas; arritmias cardíacas; cardiopatias congênitas no adulto; e próteses valvares e dispositivos cardíacos implantados.

Já as doenças crônicas, segundo o Ministério da Saúde, são: diabetes mellitus, pneumopatias crônicas graves, hipertensão arterial resistente, hipertensão artéria estágio 3, hipertensão estágios 1 e 2 com lesão e órgão alvo, doença cerebrovascular, doença renal crônica, imunossuprimidos (incluindo pacientes oncológicos), anemia falciforme, obesidade mórbida, cirrose hepática e HIV.

Publicidade