Tatuí prepara 8ª Feira do Doce para julho

Após dois anos sem o tradicional evento, prefeitura programa quatro dias de festa

Doces ABC são os mais tradicionais da linha de caseiros (foto: Pablo Ruiz)
Da reportagem

Após passar dois anos sem poder promover a Feira do Doce, devido à pandemia de Covid-19, a prefeitura de Tatuí anunciou, nesta semana, a realização da oitava edição do evento para os dias 7 a 10 de julho.

A definição da data do evento – considerado o maior do interior paulista voltado à venda de doces – ocorreu em reunião na quinta-feira, 10, no Paço Municipal “Maria José Gonzaga”, com a presença do prefeito Miguel Lopes Cardoso Júnior.

Participaram do encontro o secretário do Esporte, Cultura, Turismo e Lazer, Cassiano Sinisgalli, e dirigentes da Aprodoce (Associação dos Produtores de Doces de Tatuí), os quais oficializaram a realização de mais uma Feira do Doce.

De acordo com Sinisgalli, a programação seguirá todos os protocolos sanitários determinados pelo estado, com a expectativa de uma situação epidemiológica mais positiva até o sétimo mês do ano.

Mais uma vez, a programação conta com quatro dias, incluindo o feriado estadual de 9 de julho, em celebração à Revolução Constitucionalista de 1932. Sinisgalli lembra que, em 2020, com o cancelamento do evento, a comissão chegou a pensar em aumentar o programa para sete dias, a partir de 2021. Contudo, neste ano, decidiu manter a festa em quatro dias.

Conforme Sinisgalli, a intenção em 2022 é aumentar o volume de vendas e fazer desta feira “a melhor de todos os tempos”, aproveitando o movimento do feriado, assim como já ocorrido nas duas edições anteriores.

Prefeito recebe secretário Sinisgalli e dirigentes da Aprodoce (foto: AI Prefeitura)

“Turisticamente, a data pode ser interessante devido ao feriado estadual. Muitas pessoas, que de repente, trabalhariam no sábado vão estar de folga neste dia 9 de julho, e, para nós, poderá ser interessante para recebermos mais pessoas de fora”, disse o secretário.

Uma pesquisa feita com os expositores, ao término da sétima edição, em 2019, indicou que 88,2% desejavam a permanência da programação com quatro dias. O documento mostrou que 7,8% queriam o retorno para três dias.

Até então, a sétima edição da Feira do Doce, realizada em julho de 2019, era considerada “a melhor” em arrecadação e presença de público. A festa movimentou cerca de R$ 840 mil.

O resultado representou aumento de 35,1% no total das vendas em comparação a 2018, quando os expositores contabilizaram arrecadação de cerca de R$ 575 mil.

Conforme relatório da SECTL, durante a sétima edição, os expositores somaram a venda de 348.092 unidades, aumento de 45,3% em relação ao ano anterior, quando foram vendidos 190.396 doces.

O levantamento divulgado pela secretaria mostrou que, além do crescimento na arrecadação, com o consequente aumento nas unidades de doces vendidos, o evento de 2019 ainda contabilizou público recorde.

Em 2018, cerca de 90 mil pessoas passaram pela Praça da Matriz e, em 2019, a feira atraiu em torno de 96 mil visitantes, crescimento de 6,2%, reunindo não apenas os consumidores habituais, mas, principalmente, novos.

Na ocasião, a gastronomia doceira esteve presente em 52 estandes, somando 50 produtores, uma barraca do Fusstat (Fundo Social de Solidariedade) e uma tenda com oficinas de “cupcakes” para as crianças.

Eles disponibilizaram mais de 250 tipos de doces, divididos em alas temáticas: finos, tradicionais e artesanais, de festa e sobremesas, churros, crepes e pastéis; produtos de milho, bolos e tortas, chocolates, bebidas e brigadeiros “gourmet”.

Para este ano, 55 produtores poderão ser chamados. Sinisgalli afirmou que a pasta já está se preparando e iniciando trabalho em cima da data oficializada e que a previsão é de se publicar a abertura das inscrições entre o final de março e início de abril para os doceiros interessados em participar.

Os expositores são selecionados por meio de edital de chamamento público, com a exigência de inscrição como MEI (microempreendedor individual).

Conforme o secretário, a expectativa da comissão organizadora para a edição deste ano é “a melhor possível”. Para ele, a oitava edição “tem tudo para ser melhor que as anteriores”, por marcar a retomada das atividades turísticas.

“Na minha análise pessoal, há possibilidade de ser um grande evento, a expectativa é muito positiva. Também acredito que será uma retomada segura, pois estamos vendo os casos de Covid-19 baixarem cada vez mais e a vacinação avançando. Com um alto índice de imunização, então, acreditamos que a feira vai ser um grande sucesso”, declarou Sinisgalli.

Para a edição deste ano, o secretário ainda antecipou haver novidades. Uma das principais será a criação de um concurso para eleger o melhor doce de Tatuí.

“Ainda estamos formatando o concurso, mas a ideia é dividir os produtores em categorias, como doces caseiros, chocolates, bolos, entre outros, e, então, premiar, valorizar e incentivar os expositores”, revelou o secretário.

Conforme ele, visando manter e melhorar ainda mais a qualidade dos doces oferecidos na feira, a prefeitura firmou parceria com o Sebrae e deve iniciar, em abril, uma série de capacitações com os doceiros classificados para a oitava edição.

1 COMENTÁRIO

Comments are closed.