Tatuí encerra agosto gerando 163 novos postos de trabalho

Setor de serviços alavanca o saldo positivo com 111 vagas

19
Publicidade
Da reportagem

As contratações do mercado de trabalho formal em Tatuí fecharam o oitavo mês consecutivo com saldo positivo neste ano. Dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) apontam a geração de 163 novos postos em agosto.

O órgão da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, do Ministério da Economia, divulgou o resultado na tarde de quinta-feira da semana passada, 30 de setembro. Os números referentes ao mês passado devem ser divulgados até 30 de outubro.

Conforme o cadastro, o município somou 909 admissões e 746 demissões em agosto. Apesar do saldo positivo, o resultado é menor que o do oitavo mês de 2020, quando o município somou 437 novas vagas formais de trabalho.

No oitavo mês, quatro dos cinco setores analisados pelo Caged criaram vagas. Segundo o levantamento, a estatística de agosto é liderada pelo setor de serviços, com a abertura de 111 novos postos. O saldo é resultado de 336 contratados para 225 desligados.

A atividade econômica é a maior empregadora da cidade e concentrou 34,19% do estoque de empregos de agosto, com 9.541 trabalhadores formalizados. Até o oitavo mês, o Caged apontava 27.899 trabalhadores com carteira assinada – variação de 0,59% em relação ao mês anterior.

Publicidade

Na análise entre os subsetores, o relatório mostra cinco dos seis tipos de serviços com saldo positivo. O melhor resultado é o do setor de transporte, armazenagem e correios, responsável pela abertura de 35 vagas, advindas de 90 contratações e 55 desligamentos.

Em seguida, aparecem os serviços de alojamento e alimentação, com mais 24 postos (68 admissões para 44 demissões); “outros serviços”, com abertura de 21 vagas (37 para 16); informação, comunicação e atividades financeiras, com 20 (85 para 65); administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais, com 11 (55 para 44).

O último subsetor da lista, o de serviços domésticos, terminou o mês de agosto com saldo zerado, com uma contratação para uma demissão.

A segunda maior contratadora no oitavo mês do ano foi o comércio. A atividade econômica gerou 51 novos postos, advindos de 321 admissões para 270 demissões – saldo 0,67% maior em relação ao mês anterior.

O setor comercial é o terceiro maior empregador do município, com o estoque de 7.648 funcionários formalizados, o que representa 27,41% do total até o mês de agosto.

Entre os subsetores do comércio, o melhor resultado é o do setor varejista, responsável pela abertura de 63 vagas em agosto. O resultado é advindo de 238 contratações para 175 demissões.

Em seguida, vem o comércio e recuperação de veículos automotores e motocicletas, com saldo positivo de 18 vagas (37 admissões para 19 desligamentos).

O comércio por atacado (veículos automotores e motocicletas) é o único subsetor da atividade que aparece com saldo negativo no período, com a perda de 30 vagas – resultado de 46 contratações para 76 demissões.

O terceiro melhor resultado do mês de agosto foi o da construção civil. A atividade econômica gerou nove postos de trabalho formal, com 46 contratações e 37 desligamentos (variação de 1,10% em relação ao mês anterior).

O setor concentra 2,97% da mão de obra no município, com 830 trabalhadores formalizados nas áreas de obras de infraestrutura, construção de edifícios e serviços especializados para a construção.

Na análise do saldo dos subsetores, o melhor resultado é de serviços especializados da construção, com saldo positivo de 19 vagas, advindas de 35 contratações e 16 desligamentos.

O subsetor de obras de infraestrutura aparece com saldo zerado, com seis admissões para seis demissões. Já o setor de construção de edifícios fechou o mês com saldo negativo de dez vagas, resultado de cinco contratados para 15 demitidos.

O quarto setor com saldo positivo é a agropecuária. O grupo, que abrange agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura, gerou três vagas, com 15 admissões para 12 desligamentos – variação de 0,20% na comparação com o saldo de julho.

A atividade econômica é a quarta maior contratadora do município, e, segundo o cadastro, concentrou 5,49% do estoque de empregos contabilizados até o oitavo mês do ano, com 1.533 funcionários.

A atividade industrial é a única que fechou o mês com saldo negativo. Conforme o Caged, a indústria geral contratou 191 novos funcionários, mas demitiu 202, resultando no fechamento de 11 postos de trabalho em agosto (variação de menos 0,13% na comparação com julho).

O pior resultado entre os subsetores é o da indústria de transformação, responsável pelo fechamento de sete postos (185 admissões e 192 demissões)

Já a indústria de extrativas perdeu quatro vagas no oitavo mês, com nenhuma admissão e quatro demissões. Na indústria de eletricidade e gás, o prejuízo foi de duas vagas, com nenhuma admissão e duas demissões.

A indústria de água, esgoto, atividades de gestão de resíduos e descontaminação é a única entre os subsetores com saldo positivo. A atividade foi responsável por seis contratações e quatro desligamentos no oitavo mês.

Acumulado

As contratações de agosto contribuíram para manter saldo positivo na soma dos primeiros oito meses do ano. Entre janeiro e agosto, Tatuí gerou 1.164 novas vagas de emprego – advindas de 7.011 contratações para 5.847 demissões.

Na soma dos oito meses de 2021, os cinco setores analisados pelo Caged geraram novos postos de empregos. A estatística é liderada pela indústria, com saldo de 456 novas vagas (2.005 admissões e 1.549 desligamentos).

O segundo setor com maior saldo na geração de emprego nos oito meses é o de serviços.  A atividade econômica abriu 329 novos postos, advindos de 2.234 contratações para 1.905 desligamentos.

Em terceiro lugar, vem o setor de comércio, com saldo positivo de 222 novos postos de trabalho. O resultado vem de 2.284 admissões para 2.062 demissões.

Em seguida, aparece o setor da agropecuária. Nos primeiros oito meses, a atividade econômica foi responsável pela geração de 89 novas vagas, advindas de 153 admissões e 64 desligamentos.

Por último na lista dos setores que mais empregaram no ano, aparece a construção civil, com a geração de 68 novas vagas, advindas de 335 admissões e 267 desligamentos.

Saldo nacional

O saldo de Tatuí segue tendência nacional. Conforme o balanço do órgão do Ministério da Economia, o Brasil fechou os primeiros oito meses de 2021 com saldo positivo de 2.203.987 empregos formais.

O saldo nacional é resultado de 13.082.860 admissões e 10.878.873 desligamentos. Com isso, o estoque de empregos formais no país chegou a 41.566.955, o que representa variação de 5,60% em relação ao estoque contabilizado até julho.

Os números mostram que, na totalização dos oito meses, todos os grupamentos de atividades econômicas apresentaram saldo positivo no país, com destaque para o setor de serviços, com a geração de 927.248 novos postos.

Somente em agosto (resultado mais recente divulgado pelo órgão), o país gerou 372.265 novos postos, advindos de 1.810.434 contrações e 1.438.169 desligamentos.

Publicidade