Supermães promove o 2º Ciclo de Palestras sobre o autismo em Tatuí

689
Coordenadoras da APAAT “Supermães” preparam o 2º Ciclo de Palestras Sobre o Autismo (foto: divulgação)
Publicidade

No mês em que se celebra o Dia do Professor (comemorado em 15 de outubro), a APAAT Supermães (Associação de Pais e Amigos dos Autistas de Tatuí e Região) promove o 2º Ciclo de Palestras sobre o autismo, com o tema “Quer ser uma Superpro?”.

As atividades acontecerão nos dias 26 de outubro e 9 de novembro, no auditório do Nebam (Núcleo de Educação Básica) “Ayrton Senna”, à rua Oracy Gomes, sem número, centro, contando com a presença de especialistas convidados.

De acordo com a coordenadora do APAAT, Sarah Maria Vitorino, a ação tem como objetivo a capacitação dos professores, “para que possam saber mais sobre o autismo e sobre como incluir os alunos em todas as atividades da sala de aula”.

A programação começa no sábado, 26, das 13h às 17h15. A abertura será realizada por Sarah, que, além de coordenar a APAAT Supermães, é psicopedagoga, neuropsicopedagoga, especialista em educação especial e mãe de Daniel, de nove anos, diagnosticado com TEA (transtorno do espectro autista).

O primeiro dia do evento segue com três palestras. A primeira será ministrada pela “self coach” Agnes Fiais, que abordará o tema “Preconceito e Dificuldades com a Inclusão Social”. Em seguida, a neuropsicóloga e psicopedagoga Deborah Del Grossi falará sobre “Inclusão: Desafios entre o Ideal e o Real”.

Publicidade

O dia se encerra com palestra do advogado, engenheiro e professor universitário Valter Domingo Idargo abordando o tema “Aspectos Jurídicos da Inclusão”.

No sábado, 9 de novembro, também das 13h às 17h15, a programação inclui abertura com a coordenadora Sarah e segue com a palestrante convidada Ana Paula Chacur, gestora da Chacur & Chacur Educação e Diversidade e articuladora de políticas públicas.

“Ela vai falar um pouco das vivências dela como mãe de dois filhos autistas até chegar na luta dela por políticas públicas voltadas aos autistas, pois ela, junto com Ana Lúcia Felix, está fazendo a Clínica Escola para Autista de Santos”, explicou Sarah.

A programação se encerra com palestra da terapeuta e psicopedagoga Eliana Castro Piacentini, que também é mãe de um jovem com TEA e está cursando especialização em neurociência aplicada à educação.

A profissional abordará aspectos do funcionamento do cérebro, sistema sensorial, teoria da mente, coerência central e desenvolvimento motor. “É uma visão bem ampliada sobre o que é o autista para que os participantes possam entender melhor sobre a deficiência”, completou Sarah.

Para participar, é necessário fazer as inscrições pelo telefone: (15) 99782-1734. “Nós também estamos fazendo o sorteio de um ingresso, que vai ser realizado no dia 25 de outubro, na página do grupo Supermães. Precisa curtir a postagem, marcar dois amigos e compartilhar para concorrer”, explicou Sarah.

O valor do investimento é de R$ 40 para os dois dias, incluindo dois “coffee breaks” e uma camiseta personalizada. A inscrição vale para os dois dias de atividades. As vagas são limitadas.

O evento conta com patrocinadores e ainda é coordenado por Josiane Abrantes, Silvana Cristina Marchêtto, Andréa Graziano e Michele Ribeiro, integrantes da APAAT. Todas têm filhos com autismo, cada um em um grau diferente, dentro de um nível do espectro.

Desde o ano passado, o grupo vem realizando atividades distintas para abordar o autismo. Contudo, todas as ações são vinculadas e planejadas para terem continuidade. No 1º Ciclo de Palestras, realizado no ano passado, as ações foram voltadas aos pais e familiares dos autistas.

“Fizemos folhetos explicativos, distribuímos nas praças, realizamos atividades nas escolas, e muitos pais conseguiram perceber alguns sinais de autismo, para procurar auxilio médico”, afirmou a coordenadora.

Em abril deste ano, aconteceu a “1ª Semana Municipal da Conscientização do Autismo”. O evento, que celebra o Dia Mundial de Conscientização do Autismo (2 de abril), integra o calendário oficial de eventos locais desde a aprovação da lei municipal 5.335, de 19 de março de 2019, e também teve os pais como público-alvo.

“Na Semana de Conscientização, também conseguimos atingir nosso objetivo, que era conscientizar os pais; agora, vamos fazer um conteúdo voltado aos professores, para dar continuidade à ação. Como o professor passa muito tempo com a criança, também é primordial que ele possa perceber os sinais do autismo”, argumentou a coordenadora.

Além disso, ela salienta que as atividades do 2º Ciclo de Palestras deste sábado também serão vinculadas às ações da 2ª Semana de Conscientização sobre o Autismo, que deve acontecer em abril de 2020.

“Os professores vão ser preparados nestes dois dias de palestras para poderem passar as informações para frente. Eles receberão orientação dos profissionais e, no ano que vêm, vão poder ministrar palestras para os professores e alunos das suas respectivas escolas”, apontou Sarah.

A coordenadora antecipou que, depois das ações de conscientização com os alunos, no próximo ano, a programação terá um concurso artístico e literário com o tema “Meu Querido Amigo Autista”.

Os alunos do primeiro ao terceiro ano do ensino fundamental poderão participar na modalidade desenho e os estudantes do quarto ao quinto ano estarão concorrendo na categoria redação.

“Com o concurso, a intenção é que os professores falem para os alunos o que é o autismo, quais são as causas da deficiência e o que cada um dos alunos pode fazer para melhorar a convivência dentro da sala de aula, fazendo a inclusão do colega e entendendo as diferenças”, salientou Sarah.

 Supermães

O grupo Supermães foi criado em 2016, por meio de um aplicativo de mensagens, com o intuito de unir mães, divulgar informações sobre o autismo e “desmistificá-lo”, além de levar informações às famílias, auxiliando no diagnóstico precoce e na intervenção, propondo ações para ajudar na inclusão escolar e social.

“Começamos com 20 mães que realizavam roda de conversa e, hoje, somos mais de cem famílias engajadas na causa”, contou Sarah.

O crescimento do grupo fez com que, no dia 26 de setembro de 2019, a união das famílias se transformasse em uma associação apadrinhada pelo psiquiatra da infância e adolescência Gregory Lawrence Pinto e pela neurologista Márcia Gravatá.

“Começamos trocando informações entre os familiares de pessoas com autismo, mas, como houve muita procura de profissionais da saúde, da educação e de outras áreas, a gente percebeu a importância de estender o grupo e transformá-lo em uma associação”, contou Sarah.

“Ela vai falar um pouco das vivências dela como mãe de dois filhos autistas até chegar na luta pessoal por políticas públicas voltadas aos autistas, pois ela, junto com Ana Lúcia Felix, está desenvolvendo a Clínica Escola para autistas em Santos”, explicou Sarah.

Publicidade