Sala do Empreendedor possibilita abertura de empresa em um dia

286
Publicidade





Cristiano Mota

Acompanhado de prefeito, secretária Lilian Grando destacou que projeto tem parceira com contadores

 

No dia 29 de agosto, a Prefeitura deu início à fase de testes da “Sala do Empreendedor”. Situado no Centro Cultural Municipal, o espaço teve inauguração em solenidade conjunta com a posse da nova diretoria da Comissão Municipal de Emprego.

A sala, um ambiente que concentra todos os serviços necessários para orientação de micro e pequenos empreendedores, promete encurtar – em muito – o tempo de abertura de um negócio.

Publicidade

O prazo atual, entre 15 e 20 dias, cairá para apenas um, conforme informou a secretária municipal de Fazenda, Finanças e Planejamento, Lilian Maria Grando, no discurso de abertura.

O evento contou com presença do prefeito José Manoel Correa Coelho, Manu, do vice-prefeito e secretário municipal de Governo e Segurança Pública, Vicente Aparecido Menezes, de vereadores, servidores públicos, representantes de entidades sindicais e funcionários de escritórios de contabilidade.

Conforme Lilian, a Sala do Empreendedor é uma parceria entre a Prefeitura e os contadores municipais. Além de tirar as pessoas da informalidade, tem como objetivo agilizar o trâmite de abertura de microempresas.

“Hoje, leva-se em torno de 15 a 20 dias para sair um certificado. Com essa sala, onde estaremos centralizando todos os órgãos nos quais as pessoas têm de se dirigir para tirar licenças necessárias, esse trâmite vai ser fundido num dia só”, disse.

A secretária explicou que o prazo vale para empreendimentos de “baixo risco” (baixo impacto ambiental).

Lilian disse, também, que a sala representa “grande avanço no desenvolvimento do município e uma estratégia muito importante por conta da disponibilidade dos contadores em colaborar”.

Na cerimônia, o prefeito elogiou o trabalho da secretária por ter “conseguido tirar a iniciativa do papel e trazê-la fisicamente para a cidade”. Manu afirmou que a sala está no “melhor local possível”.

O prefeito citou que o serviço passou a ser realidade em Tatuí por meio de “parceria de sucesso”, firmada entre o Executivo, a ACE, o Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) e o governo do Estado.

Falou que a sala complementará as ações políticas que o município fará por meio da Comissão Municipal de Emprego, presidida pela empresária Lucia Bonini Favorito.

“Essa comissão vai atuar na capacitação de pessoas, para que elas tenham mais oportunidades de emprego, o que, sem dúvida nenhuma, é uma coisa que temos que estar pensando em Tatuí. Também temos muitos trabalhadores informais, por isso é necessário termos suporte do Sebrae”, disse Manu.

Em discurso, o prefeito agradeceu ao diretor municipal de Cultura e Desenvolvimento Turístico, Jorge Rizek, a cessão do espaço.

A Sala do Empreendedor fica no primeiro piso do prédio, que abriga, também, o Fundo Social, a Biblioteca Municipal “Brigadeiro Jordão”, o teatro municipal e o Café Cultural.

Para o prefeito, o espaço é mais que simbólico (não se limita a uma sala física). Manu disse que o serviço permitirá que muitos tatuianos saiam da informalidade e se tornará uma ferramenta de apoio aos micro e pequenos empreendedores.

A Prefeitura pretende, com o espaço, oficializar os negócios e, junto a isso, aumentar o número de carteiras assinadas. De acordo com o prefeito, esse é um efeito “natural” da formalização. Uma vez legalizadas, as micro e pequenas empresas poderão ter a chance de efetivar os funcionários.

“As pessoas vão conseguir colocar efetivamente as empresas em atividade, ter apoio em todas as etapas das documentações”, argumentou.

A aposta do prefeito para que o serviço registre procura acentuada é a mudança de pensamento das empresas. Manu afirmou que a cultura do empreendedorismo mudou.

“Antigamente, as empresas preferiam ficar no informal, para não pagar imposto. Mas, hoje, elas sabem da grande importância de estar formalizadas”, apontou.

Por meio da formalização, os micro e pequenos negócios podem pleitear linhas de crédito e isenções tributárias. “Isso possibilitará até uma futura ampliação do negócio. Estar no informal é pior, hoje, do que legalizado”, alegou o prefeito.

Funcionários que atuam na Sala vão prestar esses e outros esclarecimentos a quem deseja ampliar os negócios. A ideia é dar suporte para quem quer, também, ingressar como empreendedor.

Em função disso, Manu disse que conta com apoio dos contadores, que fazem a “escrita das empresas”. “Eles vão nos dar ferramentas para que possamos ajudar a população”.

Manu falou que a Sala do Empreendedor está situada num local de grande circulação de pessoas e próxima ao Fundo Social de Solidariedade.

“Achei que casou legal, porque vai permitir a quem se qualificar, no Fundo, receber informações para poder montar o próprio negócio e melhorar de vida”, concluiu.


Publicidade