Reportagem sobre a violência local resulta em moção de aplauso

286
Publicidade

Reportagem publicada pelo jornal O Progresso na edição de 1º de novembro gerou moção de aplausos e congratulações pela Câmara Municipal. A Casa de Leis votou, no dia 7, indicação apresentada pelo vereador Miguel Lopes Cardoso Júnior (PMDB). Ele é autor da indicação que deu origem à notícia.

A reportagem “Vítimas de abuso sexual precisam esperar até quatro dias por perícia” apresenta dado divulgado pelo parlamentar. Segundo Júnior, além de ter de aguardar, quem procura atendimento ainda recebe a recomendação de não tomar banho até a coleta de materiais genéticos.

Junto com a indicação à prefeita Maria José Vieira de Camargo, na qual solicitou a criação de uma sala destinada a atendimento às vítimas de violência, Júnior encaminhou um anteprojeto. Ele pede que o Executivo disponibilize atendimento por meio de profissionais de saúde e psicólogos às vítimas.

Na discussão de requerimentos, dia 7, o vereador antecipou que Maria José, “de pronto”, comprometeu-se a estudar a viabilidade. Ele aguarda o reenvio da sugestão, por meio de projeto do Executivo, para que a sala possa ser criada.

Ainda na Câmara, Júnior parabenizou a iniciativa do bissemanário em divulgar as informações referentes à violência. De acordo com ele, trata-se de reportagem de “tema de extrema relevância e, muitas vezes, esquecido por parte da imprensa”.

Publicidade

“Acreditamos que, para construir e conquistar algo em prol das pessoas ou classes, necessitamos sempre de esforços dos mais variados segmentos da sociedade”, argumentou.

Na avaliação do vereador, a divulgação feita por O Progresso é importantíssima, pois vem a fortalecer futuras ações que possam ser realizadas. Júnior destacou que o bissemanário utilizou, além dos dados divulgados por ele, informações da Secretaria de Segurança Pública e do Ministério da Saúde.

Ele ressaltou, ainda, que a divulgação é fundamental para o combate ao abuso sexual. “Para que as pessoas tenham ideia, a matéria saiu na página 2 e, na página 4, da mesma edição, a primeira notícia policial era de um caso de abuso. Então, é preciso destacar a relevância da matéria”, complementou.

Publicidade