Quatro ‘amigos’ envolvem-se em briga que acaba em morte

381





Às 7h de sábado, 5, Márcio Roberto de Morais, 35, foi morto na rua Joaquim Eugenio Santos, no bairro Jardim Thomaz Guedes. De acordo com o capitão da 2a Cia. da PM, comandante Kleber Vieira Pinto, a vítima foi assassinada com diversos ferimentos de facas.

O servente de pedreiro Victor Hugo Rodrigues da Mota, 21, e o operador de empilhadeira Victor Hugo Pires, 30, foram presos em flagrante pelo assassinato de Mota. Há um foragido, acusado de participação no homicídio.

De acordo com o capitão, a PM recebeu chamado para comparecer no pronto-socorro e, ao chegar, foi informada de que o Corpo de Bombeiros havia socorrido Morais. Porém, ele não resistiu aos ferimentos e morreu na viatura do resgate.

Após sair do PS, policiais militares seguiram ao local do crime, fizeram diligências, entrevistaram pessoas e conseguiram identificar os três autores do homicídio, sendo que dois acabaram presos na tarde do próprio sábado.

De acordo com o capitão, Mota e Pires disseram que os quatro estavam bebendo em uma calçada, quando, “de repente”, começou uma discussão. Os três acusados teriam agredido e matado Morais com vários cortes no corpo. O motivo do crime será investigado pela Polícia Civil.

Conforme informações colhidas pela PM no local do crime, a vítima do homicídio teria envolvimento com drogas. Segundo Kleber, na casa dos dois acusados, a PM encontrou um punhal e um “facão”, utilizados para matar Morais, e roupas com vestígios de sangue.

De acordo com o capitão, a prisão em flagrante foi “tranquila”, e os acusados não reagiram.

“Tínhamos indícios fortes de quem eram os autores. Na delegacia, ao ser efetuado o flagrante, eles acabaram confessando e contando essa versão de que estavam todos junto, bebendo, e, do nada, se desentenderam”.

Kleber afirmou que quem tiver informações sobre o paradeiro do terceiro acusado pode entrar em contato com a PM ou a PC.

Mota e Pires foram presos acusados de homicídio qualificado e o terceiro acusado, segundo Kleber, será representado pela prisão preventiva. “Devemos prendê-lo em breve, porque está identificado”.

Homicídios

De acordo com o capitão, não é comum acontecer ocorrências com armas brancas na cidade. Por isso, esse foi um crime que “chamou a atenção” dele.

Kleber afirmou que homicídio é um crime difícil de controlar ou prevenir por parte da PM, porque “grande parte desses crimes tem a ver com envolvimento amoroso, é passional. Então, não existe um mecanismo de se prevenir um crime assim”.

Conforme o capitão, a única prevenção que a PM atua é na apreensão de armas brancas e de fogo. Porém, não seria 100% eficaz. Ele acredita que, fazendo essas operações, os casos de homicídios podem diminuir.

De acordo com Kleber, o que é possível fazer é atuar “firme” em investigações, para não deixar os acusados escaparem dos crimes que tenham cometido.

“Se a PM ou a investigação da PC chegar ao calor dos fatos no local, entrevistar as pessoas, colher provas e informação naquele momento, facilita muito. Nem que não se prenda naquele exato momento, mas, pelo menos, ajuda nas investigações”, salientou o capitão.

Segundo ele, se os policiais forem “curiosos”, chegarem rápido e forem atentos a tudo que está no local do crime, vai auxiliar na imediata, ou não, identificação do autor.

O capitão salientou, porém, que um homicídio é mais difícil esclarecer do que um roubo ou furto de veículo, por exemplo. Isso acontece porque as polícias já possuem um padrão de criminoso e sabem, “mais ou menos”, quais quadrilhas atuam nesses crimes.

“O homicídio não é isolado. É uma pessoa, às vezes sem passagem nenhuma, problema nenhum com a Justiça, que ‘explodiu’ e matou”, sustentou Kleber.

De acordo com ele, atualmente, o envolvimento das pessoas com drogas tem facilitado a ocorrência desses crimes. Além da questão social, com moradores de rua e prostituição.

Conforme Kleber, se houver diminuição no número de moradores de rua na cidade, os crimes podem diminuir bastante também.

“Pessoa vivendo na rua, tomando a pinga dela, perde a dignidade, perde autoestima, os princípios – se é que tinha alguns princípios. Então, tudo isso potencializa um possível homicídio. Por isso, é importante que se diminua”, observou o capitão.

Ainda de acordo com ele, geralmente na cidade, não há ocorrências de um homicídio encomendado. Acontecem mais os provenientes de brigas, de “coisas de momento”.

X