Paulo Freire ainda alimenta esperança

8
Luís Fernando Lopes *

Dias atrás navegando pela internet deparei-me com centenas de vídeos sobre o educador Paulo Freire. Alguns buscando explicar suas obras, comentando seu pensamento, outros criticando, atacando, enfim deixando nítida a intenção de rebaixar o educador, o seu pensamento, assim como aqueles que estudam sua obra.

Aparentemente parece fácil falar de um falecido, ainda que eternizado. Seja para elogiar ou criticar. Em um caso ou no outro o elogiado ou criticado não poderá se manifestar. Alguns podem até considerar isso covardia.

Por isso, ainda que ironicamente, até recomenda-se aos que se encontram muito irritados irem ao cemitério e descarregar sua raiva sobre os túmulos.

Assim muitos conflitos e problemas poderão ser evitados. Mas por alguma razão ou razões, Paulo Freire incomoda, desperta interesse, admiração, raiva, entre outras reações.

Como eu estava pesquisando vídeos, busquei alguns em que o próprio Paulo Freire se expressava. Encontrei uma entrevista na qual um entrevistador recolheu opiniões de rua, atendeu ligações e os participantes no auditório fizeram questionamentos.

Um dos questionamentos recebidos por telefone indagava se Paulo Freire se considerava um educador comunista e o entrevistador acrescentou: por que o senhor acha que perguntas como essa acontecem?

Respeitosamente, Paulo Freire respondeu. Inicialmente, valorizou e defendeu o direito de questionar. Considerando a pergunta absolutamente legítima. Recordou que, por causa desse direito de perguntar, é que foi exilado.

Em seguida, explicou que não era anticomunista no sentido medieval e afirmou claramente que também não era comunista, mas socialista e que acreditava na participação popular na transformação do mundo. Paulo Freire também foi indagado sobre o exílio e a ditatura, formação de professores, entre outros questionamentos.

Em uma das respostas, comentou sobre o autoritarismo do regime militar que o considerou perigoso subversivo e até inimigo de Deus. Chegou a comentar esse último acréscimo, deixando claro que se tratava de uma invenção mentirosa.

Em seguida, argumentou que a ditadura não inaugurou o autoritarismo em nosso país, pois o Brasil foi inventado no autoritarismo de forma que ele se encontra entranhado na natureza mesma da nossa sociedade.

Os últimos acontecimentos de arrogância, desrespeito, ódio de classe que temos testemunhado, evolvendo inclusive quem é responsável por garantir que as leis sejam respeitadas, infelizmente parecem ser apenas mais um dos elementos que confirmam o que Paulo Freire afirmou na ocasião da entrevista citada anteriormente.

Talvez por isso Paulo Freire incomode tanto e ainda mais na comemoração do seu centenário. Afinal, defendeu o direito de todos à educação, entre outros.

E não apenas defendeu no campo das ideias, publicando obras com pensamentos complexos, passíveis de crítica, mas empenhou-se na prática e trouxe resultados, que certamente não agradaram e não agradam aqueles que se julgam superiores, ainda que a manutenção dessa suposta superioridade custe a negação de direitos fundamentais aos outros, principalmente os mais pobres.

Paulo Freire tem sido criticado e certamente valorizaria muito essas críticas. Mas seu pensamento também tem sido mentirosamente desqualificado por alguns, que sequer leram seus livros.

O fato é que Paulo Freire continua sendo lido, estudado, recordado, praticado pelo que foi, por suas ideias, por aquilo que fez e produziu. Lembrar Paulo Freire alimenta a esperança do verbo esperançar. Por isso talvez, incomode tanto alguns.

* Mestre e doutor em educação. Professor da área de humanidades do Centro Universitário Internacional Uninter.