Parceria pode resultar em abertura de novas vagas de trabalho em 2018

13164
Sônia Ribeiro antecipou que projeto para mercado está em formatação (foto: Cristiano Mota)
Publicidade

Quem está em busca de emprego pode começar o ano de 2018 “mais animado”. Uma parceria anunciada nesta semana dá novas perspectivas aos desempregados. A iniciativa está sendo formulada pela BRF e Fusstat (Fundo Social de Solidariedade de Tatuí).

É o que antecipou a presidente da entidade, Sônia Maria Ribeiro da Silva, a O Progresso. Ao jornal, ela também fez um balanço das atividades promovidas ao longo de 2017.

Conforme a presidente, o Fundo Social capacitou, entre março e outubro, 844 pessoas. Também atendeu a 200 idosos, dentro do projeto Envelhecer com Qualidade de Vida, que tem atividades no Parque Municipal Ecológico “Maria Tuca”.

Sônia revelou que o Fusstat está discutindo novos projetos para o ano que vem. O mais auspicioso deles é o que prevê parceria com a companhia de alimentos.

De acordo com a presidente, a BRF está propondo, ao Fundo Social, o desenvolvimento de um curso específico, voltado ao treinamento de futuros funcionários. Os alunos que concluírem a capacitação terão oportunidade de estagiar na empresa. Existe a possibilidade, até, de contratação efetiva de parte dos formandos.

Publicidade

A ideia começou a ser discutida no início de dezembro e, conforme a projeção da presidente, tem chances de vigorar no início de 2018. A equipe do Fundo Social vai dedicar-se ao projeto após a conclusão do “Adote um Quarto”, voltado à reforma de leitos da Santa Casa.

“Nesse ano, nós nos dividimos, porque são vários os braços que o Fundo Social está mantendo. A ajuda para a Santa Casa é um, o outro é a reforma dos bancos da Praça da Matriz, que estamos incumbidos de entregar”, contou Sônia.

Os 11 primeiros quartos reformados foram apresentados pelo Fusstat à Santa Casa no dia 18, em solenidade na Capela Sagrada Família, do hospital. A entidade planeja concluir as obras de recuperação dos leitos em outras duas fases, em janeiro e fevereiro, em datas a serem divulgadas.

A presidente enfatizou que a instituição só conseguiu realizar as ações por conta de apoio. Sônia destacou a visibilidade garantida ao Fundo Social pela imprensa. Em particular, mencionou a cobertura do jornal O Progresso.

“Tudo isso é o resultado da união das pessoas e da minha equipe. As pessoas fizeram muito além do que precisariam, trabalharam muito para que tudo pudesse dar certo. Se não fosse dessa forma, nada aconteceria”, asseverou.

Além da meta

Com relação ao primeiro ano de gestão, Sônia registra que conseguiu superar a meta de trabalho. “Até me emociono ao falar disso. Não só atingi o que precisava, mas consegui superar, com a ajuda de muitas pessoas”, declarou.

Os focos principais do Fundo Social para 2017 eram a reforma dos sete centros de capacitação, o levantamento de recursos para o reinício dos cursos profissionalizantes e a oferta de aulas para moradores da zona rural.

Durante o ano, Sônia sustenta que a entidade não só cumpriu com esses objetivos, como foi adiante. Por meio das conselheiras, o Fundo Social promoveu a reforma da Casa de Abrigo Transitória, que atende crianças em situação de vulnerabilidade social retiradas provisoriamente dos lares.

A partir do resultado, a equipe ampliou a proposta para a Santa Casa. Junto à provedoria do hospital, as conselheiras elaboraram um modelo de apadrinhamento, envolvendo empresários, profissionais liberais e o poder público. A coordenação ficou a cargo da conselheira Alessandra Vieira de Camargo Teles.

“Em menos de dois meses, o Fundo Social conseguiu que todos os quartos fossem adotados. Então, termino este ano sendo muito grata a todos”, ressaltou Sônia.

Mesmo precisando atender a prioridades, a presidente informa que a entidade conseguiu se fazer presente no meio rural. O primeiro bairro a ser atendido, o Santuário Nossa Senhora de Fátima, recebeu o curso de panificação.

Outras duas localidades, o Congonhal e o distrito de Americana, devem ser contempladas em 2018. Também no ano que vem, o Fusstat quer fazer a ocupação definitiva do barracão que integra a antiga estação ferroviária do município.

A partir de janeiro, Sônia vai retomar as reuniões com a equipe de engenheiros da Prefeitura para definir o modelo de uso. A intenção é que o barracão seja utilizado como um “espaço modular”, sem a inclusão de paredes internas.

“O prédio é muito amplo e pode abrigar um jantar, um bazar, ou qualquer outro evento. Ele será muito bem aproveitado no ano que vem, porque acredito que o Fusstat terá de fazer muitas ações para levantar fundos”, vislumbra.

Um terceiro projeto a ser retomado em 2018 é o Casamento Comunitário. As inscrições dos interessados são feitas na sede da instituição. O Fundo Social atende na praça Martinho Guedes, 12, no centro.

Publicidade

Comments are closed.