Novo comandante da PM pretende intensificar treinamento do efetivo

2088
Capitão Júlio César da Costa, que assumiu a companhia de Tatuí (foto: Diléa Silva)
Publicidade
Da reportagem

O treinamento do efetivo será uma das principais metas do novo comandante do 2° Companhia da Polícia Militar de Tatuí, capitão Júlio César da Costa. A O Progresso, ele falou que os índices da cidade são bons e, agora, o próximo passo é “alcançar a excelência no atendimento à população”.

“A tropa está motivada, o efetivo está motivado, os índices criminais estão controlados, então, por enquanto, não vou mudar nada nesta parte. Pretendo intensificar o treinamento da tropa para melhorar a parte técnica dos policiais. Eles já são bons, mas, nesta parte, quero investir pesado”, enfatizou.

O capitão assumiu o comando da companhia tatuiana (que administra o efetivo policial de Tatuí, Capela do Alto e Quadra) na segunda-feira, 15. Antes, ele atuava no comando da Força Tática do 22º BPM/I (Batalhão de Polícia Militar do Interior), em Itapetininga.

Atualmente, reside em Tatuí, cidade onde nasceu, cresceu, constituiu carreira e família. Costa escolheu a profissão ainda jovem e ingressou na APMBB (Academia de Polícia Militar do Barro Branco), em 2004 – estabelecimento de referência no ensino superior, localizado na capital do Estado, destinado a formar e aperfeiçoar os oficiais.

Após o término da formação, em 2007, como tenente, atuou em Sorocaba, onde ficou durante nove anos como comandante da Força Tática. De lá, Costa começou a trabalhar no 22º Batalhão, onde também comandou o pelotão da Força Tática.

Publicidade

A promoção ao título de capitão veio no ano passado. Finalmente, no final de maio, Costa assumiu a 2ª Cia. de PM de Tatuí. “Recebi o convite e aceitei na hora”, contou.

O capitão ressalta que o maior desafio do novo trabalho será a melhoria dos índices de segurança, além do combate ao tráfico de drogas. Para isso, ainda deve investir na valorização do policial militar, continuar as reformas na unidade e no trabalho do “policiamento inteligente”.

Segundo dados recentes da SSP (Secretaria de Segurança Pública) do estado de São Paulo, os índices de criminalidade de Tatuí apresentaram queda em 13 classificações de ocorrências policiais no primeiro quadrimestre do ano, quando comparados ao mesmo período de 2019.

A maior redução em percentual aconteceu nos casos de tentativa de homicídio, com queda de 57,14%. Quanto aos crimes contra a vida, houve redução de 25% nos números de estupro e 5,88% nos casos de estupro de vulnerável.

Nos crimes contra o patrimônio, todas as modalidades de furtos recuaram no período. Os furtos em geral caíram 34,48%. Nas ocorrências de furtos de veículo, a queda foi de 37,03%. No período, ainda houve 11 registros a menos de roubos em geral, com um total de 21 boletins elaborados neste ano contra 32 em 2019.

Os casos de latrocínio caíram de um caso para nenhum no período, o mesmo resultado apresentado nos índices de vítimas em latrocínio. Os índices em relação ao trânsito também tiveram resultados positivos no comparativo.

“Por um lado, a responsabilidade é maior por pegar uma cidade com índices tão bons; por outro, vai ser mais fácil, porque está tudo funcionando bem por aqui. A capitão Bruna (Carolina dos Santos Martins) deixou tudo redondinho, e não tem muito que mudar, é só continuar com o bom trabalho que conseguiremos reduzir ainda mais os índices de criminalidade”, destacou.

Mesmo assim, Costa afirmou que, com o novo comando, a Polícia Militar deve passar por algumas mudanças. Ele adiantou que pretende finalizar a reforma do canil e transformá-lo em “referência nacional”. Atualmente, a unidade conta com oito cães.

“Estamos concluindo as reformas iniciadas e a ideia é montar um laboratório de treinamento. Não tem nenhum igual na região, somente em São Paulo, na central da PM. Pretendo seguir o modelo de lá e, na parte de estrutura, temos tudo para alcançar essa referência”, observou o comandante.

As mudanças também incluem melhoria nas condições de trabalho da Força Tática, parceria com prefeituras para a promoção de convênios e ampliação de programas como o Vizinhança Solidária e o Proerd (Programa Educacional de Resistências às Drogas e à Violência”, entre outros, já em andamento na companhia.

“São programas que estão dando certo e que ajudam muito a Polícia Militar e a população, com a redução da criminalidade, aumento da sensação de segurança e prevenção contra as drogas”, completou.

Conforme o capitão, o outro desafio – o combate ao tráfico de drogas – é visto como uma causa social que afeta cidades do mundo inteiro e reforça que o problema não é visto como uma situação que seja sanada pela PM.

“O tráfico é um problema mundial, mas também vamos atuar nesta questão. A ideia é trabalhar com inteligência e informação. Com isso, a gente acaba prevenindo outros pequenos delitos, como furtos”, frisou o capitão.

Em relação à sensação de segurança, Costa assegurou que deve trabalhar com operações mensais de combate ao crime, com apoio do helicóptero “Águia” da PM, cavalaria, Força Tática e reforço policial.

Novos armamentos

Junto com o novo comandante, a companhia tatuiana da PM recebeu nove novos policiais, armas de choque e ainda terá troca do arsenal com pistolas e fuzis “mais modernos e eficientes”.

De acordo com o capitão, quanto ao efetivo, não haverá aumento: os novos membros da corporação devem substituir policiais afastados por aposentadoria e licenças. Eles iniciaram o trabalho na quarta-feira, 17.

As armas de choque já chegaram e estão sendo colocadas em uso. Já os novos armamentos foram adquiridos pelo governo do estado e estão em fase de distribuição. A expectativa é de que devem chegar entre os próximos meses.

“Vamos ter um bom reforço no armamento. Está programado para recebermos pistolas Glock – que é uma das melhores do mundo -, calibre .40. Também vão chegar fuzis calibre .7,62 e .556, um equipamento bom, que vai melhorar ainda mais a atuação policial”, antecipou.

Conforme o governo do estado, os fuzis adquiridos são plataformas modernas, utilizadas em operações de segurança na atualidade. Enquanto o fuzil .556 é mais leve e apropriado para operar em ambientes urbanos, o .7,62 dispara projéteis maiores e capazes de percorrer distâncias mais longas.

Para Costa, a valorização do policial e os investimentos em melhorias do espaço de trabalho e em equipamentos devem refletir na produtividade policial e, consequentemente, na queda dos índices de criminalidade.

“Nossa intenção é aproximar a PM da população de bem e trabalhar arduamente no combate ao crime. Para isso, também pedidos a ajuda dos cidadãos: Se ver algo errado, denuncie! A denúncia é anônima e pode ser feita pelo 190 ou 181”, concluiu o comandante.

Publicidade