Notas policiais

730
  • Moradia invadida e empresário tem arma levada na ‘Laurindo’

Uma pistola de calibre 380, municiada, e 130 cápsulas do mesmo calibre sem espoleta foram furtados da casa de um empresário na madrugada de quinta-feira, 18, na vila Dr. Laurindo.

O proprietário procurou a Polícia Civil na noite de sexta-feira, 19, para informar o crime. Conforme relatado, a vítima se ausentou da casa entre os dias 15 e 19, quando desconhecidos invadiram o imóvel.

O empresário relatou que o furto ocorreu na madrugada de quinta-feira, pois parentes teriam entrado na casa, por volta da 0h da noite anterior, e teriam relatado que estava tudo certo com o local.

Ainda segundo a vítima, quando os parentes retornaram ao imóvel, por volta das 22h de quinta-feira, descobriram a porta da sala arrombada e os pertences, revirados dentro do imóvel.

Além da arma, uma pistola calibre 380, da marca Taurus, municiada, foram levados 130 cápsulas do mesmo calibre, sem espoleta, e um videogame da marca Sony, modelo Playstation 3.

A vítima ainda relatou aos policias que, aparentemente, os ladrões sabiam da existência da arma. Segundo o empresário, foram reviradas apenas as áreas em que seria provável estar escondido o objeto.

Coforme o boletim de ocorrência, um dos carregadores da arma foi deixado para trás, assim como dois pés de cabra, utilizados para o arrombamento da porta. Não foram identificados suspeitos ou testemunhas do fato.


  • Dinheiro usado na manutenção de oficinas é furtado do “Caps”

O Caps (Centro de Atenção Psicossocial) teve R$ 300 furtados, na tarde de quinta-feira, 11. Uma funcionária do órgão público registrou a ocorrência na manhã de segunda-feira, 22, na Delegacia Central.

Coforme relatado, a funcionária foi até a parte administrativa do prédio para pegar a bolsa que continha o dinheiro, quando percebeu o sumiço do valor.

Ela contou à PC que o dinheiro era resultado da venda de artesanatos e hortaliças que o órgão pratica para a manutenção de materiais das oficinas terapêuticas.

A mulher teria encontrado certa quantia (não relatada), mas desconfiado e informado o sumiço do dinheiro para a terapêutica ocupacional, que, ao verificar o caderno de registro, contabilizou a falta de R$ 300.

Segundo o boletim, só os funcionários têm acesso ao cômodo em que se encontrava a bolsa com o dinheiro proveniente das vendas. A funcionária não apontou suspeitos ou testemunhas do crime.


  • Mãe e filho perdem R$ 10.500 ao tentar comprar automóvel

Mãe e filho, de 55 e 29 anos, foram vítimas de estelionato ao tentarem comprar um veículo. Um golpista intermediou a negociação e levou R$ 10.500 que seriam pagos ao dono do carro. O caso foi comunicado ao plantão policial na tarde de sexta-feira, 19.

Segundo o boletim de ocorrência, na quinta-feira, 18, a mãe encontrou, no site de vendas “OLX”, o anúncio de um Celta, no valor de R$ 15 mil, e combinou com o suposto anunciante para ver o veículo no dia seguinte.

O golpista informou que o carro seria de um “compadre”, que o havia adquirido em meio a um “rolo” e queria vendê-lo.

Na manhã de sexta-feira, a mulher e o filho teriam encontrado o compadre do suposto vendedor, testado e fechado a compra do veículo por R$ 10,5 mil.

Via telefone, o estelionatário teria afirmado que entraria em contato com o compadre e pedido que a mãe já adiantasse a transferência do dinheiro, antes de preencher o CRV (certificado de registro de veículo).

Conforme o documento, a transferência do montante foi realizada. O filho e o dono do carro se encontraram no cartório para efetuar a transferência do veículo e, posteriormente, notaram que “algo não estava certo”, pois o dinheiro não havia sido transferido para a conta do proprietário do veículo.

Ainda segundo o boletim, eles perceberam que haviam caído em golpe, pois o dono do carro não era compadre do suposto vendedor e nunca tinha visto ele pessoalmente. Enquanto isso, o golpista falara ao proprietário que era sócio do filho e que resolveria a questão de valores. A mulher ainda informou que fizera um empréstimo de R$ 25 mil para quitar o valor do carro.


  • Criminosos gastam mais de R$ 2.000 com cartão perdido

Um motorista de 50 anos teve prejuízo de R$ 2.390 após ter perdido um cartão de crédito. A vítima procurou a Delegacia Central e registrou o boletim de ocorrência na sexta-feira, 19.

Conforme relatado, o motorista teria utilizado o cartão, pela última vez, para realizar compra em uma agropecuária, na manhã de terça-feira, 16. Porém, só sentiu a falta do objeto três dias depois.

Segundo relatado, a vítima entrou em contato com o banco para bloquear o cartão de crédito, porém, foi informado de que o objeto havia sido usado para quatro transações, sendo três na terça-feira, 16, e uma na sexta-feira, 19.

De acordo com o boletim, o cartão foi utilizado para dois saques de R$ 1.000 cada e um terceiro, de R$ 200, além de uma compra no valor de R$ 190.

Ainda segundo o BO, o motorista não soube afirmar como a pessoa que está em posse do cartão conseguiu utilizá-lo, pois não informou a senha para ninguém.