Vinte e cinco edições do Natal em Tatuí

1026
Publicidade

O 25o Concurso Artístico e Literário de Natal, promovido pelo jornal O Progresso, finalizou, nesta semana, a contagem dos trabalhos concorrentes nas duas categorias, desenho e redação.

No total, houve 1.745 inscrições, distribuídas entre 1.510 desenhos e 235 redações. Em 2019, não houve nenhuma desclassificação – com ocorrera em anos anteriores -, por ausência total de dados que pudessem identificar os autores.

Ao todo, 27 instituições de ensino participaram do concurso, por meio dos trabalhos dos alunos. As escolas públicas e particulares tiveram a oportunidade de estimular os estudantes a trabalharem o tema “Tatuí no Natal”, nas duas modalidades.

Os vencedores em cada grupo de anos são premiados em dinheiro, cujos valores dividem-se entre os primeiros colocados do 1º ao 9º ano em desenho e redação.

As entregas das premiações serão realizadas pelos patrocinadores da iniciativa. São parceiros do concurso em 2019: Colégio Objetivo (que premiará dois vencedores), Imobiliária Simões, Palácio do Sorvete, Maricota Calçados e Acessórios Femininos, Hotel Del Fiol, Habib’s e Personal Pharma.

Publicidade

Como o certame divide-se em grupos de anos de estudo, abrangendo do ensino fundamental ao encerramento do médio – do 1º ao 9º ano, portanto -, não há limite quanto à idade dos alunos, estando, assim, aberto a todos aqueles que estejam estudando.

Em razão disto – e de maneira inesperada -, o concurso de Natal recebeu a inscrição de 70 trabalhos em desenho de alunos do EJA (Educação de Jovens e Adultos), a partir da escola “João Florêncio”, que oferece esse tipo de aprendizado em Tatuí.

Por conseguinte, a organização do certame decidiu por efetivar avaliação e posterior premiação específica para esse grupo. Isto considerando, naturalmente, que os alunos do EJA têm idades mais avançadas que os demais participantes.

Desta forma, tanto garante-se mais justiça no julgamento dos trabalhos inscritos pelos mais jovens quanto valoriza-se a iniciativa dos alunos do EJA.

Como já antecipado, também, o concurso segue objetivando privilegiar ainda mais os anos de estudo que participaram com mais inscrições – redistribuindo as premiações, conforme esse critério.

No total, serão oferecidos R$ 2.400, distribuídos para os vencedores de cada dois anos, que receberão R$ 300 cada (salvo no caso dos três últimos anos em desenho e redação, englobados em um mesmo grupo de cada categoria).

Assim, os desenhos e as redações entre o 1º e o 2º ano compõem um grupo cada e garantem prêmio de R$ 300 aos vencedores; o primeiro nas duas categorias entre o 3º e o 4º ganha outros R$ 300; entre o 5º e o 6º, mais R$ 300 para cada; e, finalmente, entre o 7º, 8º e 9º ano, englobados, outro igual prêmio em dinheiro para o vencedor em desenho e mesmo valor para o vitorioso em redação.

Os três melhores trabalhos de cada categoria serão reproduzidos em edição especial de O Progresso, que circulará no dia 25 de dezembro. Na data, além dos desenhos e redações vencedores, serão constados os nomes dos professores e das escolas nas quais os alunos produziram os trabalhos.

A partir desta semana, os desenhos e redações já passaram a ser encaminhados aos jurados. A comissão julgadora é formada por professores e artistas plásticos. No total, nove jurados avaliam os trabalhos.

Na modalidade redação, os estudantes puderam escrever em qualquer estilo literário, desde que respeitando o tema do concurso. Já na modalidade desenho, os trabalhos tiveram de ser produzidos em papel sulfite, no tamanho A4 (21 cm X 29 cm), em qualquer estilo artístico e seguindo o tema.

Como reiterado a cada ano pelo jornal, mais que ilustrar páginas de uma edição comemorativa, o objetivo do concurso é dar a chance de as crianças se interessarem pela literatura e pela arte, ao mesmo tempo em que podem se sensibilizar com o tema, que, muito além da distribuição de presentes, lembra o nascimento de Jesus e o apelo à paz – tão necessária quanto rara neste ano.

Por sua vez, aos professores, o certame rende reconhecimento, uma vez que conta com a colaboração deles para poder acontecer. São os educadores que trabalham, com os estudantes, a temática do concurso dentro de suas respectivas disciplinas.

Ao longo destes 25 anos da iniciativa, o jornal O Progresso recolheu, exatamente, 47.300 trabalhos inscritos, divididos entre desenhos e redações – certamente, somando, assim, o maior número de participações em concursos artísticos já promovidos na Cidade Ternura.

Por isso e, especialmente, pelo empenho e boa-vontade, O Progresso agradece aos professores, os maiores responsáveis pelo sucesso de mais esta edição do concurso.

Publicidade