Vacinação infantil – Parte 3

459
Publicidade
  1. Sarampo, caxumba, rubéola e varicela (vacinas tríplice viral – SCR; tetraviral – SCRV; varicela). Aos 12 meses de idade: devem ser feitas, na mesma visita, as primeiras doses das vacinas tríplice viral (SCR) e varicela (V), em administrações separadas, ou a vacina tetraviral (SCRV).

A vacina SCRV se mostrou associada a uma maior frequência de febre em lactentes que recebem a primeira dose com esta vacina quando comparada às vacinas varicela e tríplice viral em injeções separadas.

Aos 15 meses de idade, deverá ser feita uma segunda dose, preferencialmente com a vacina SCRV, com intervalo mínimo de três meses da última dose de varicela e SCR ou SCRV. Em situações de risco como, por exemplo, surtos ou exposição domiciliar ao sarampo, é possível vacinar crianças imunocompetentes de 6 a 12 meses com a vacina SCR.

Em casos de surtos ou contato íntimo com caso de varicela, a vacina varicela pode ser utilizada a partir de 9 meses de vida. Nesses casos, doses aplicadas antes dos 12 meses de idade não são consideradas válidas, e a aplicação de mais duas doses após a idade de um ano é necessária.

O PNI introduziu a segunda dose da vacina varicela aos 4 anos de idade em 2018. A vacina varicela pode ser indicada na profilaxia pós-exposição dentro de cinco dias após o contato, preferencialmente nas primeiras 72 horas.

  1. Hepatite A – A vacina deve ser administrada em duas doses, a partir dos 12 meses de idade. O PNI oferece a vacina em dose única aos 15 meses de idade.
  2. Febre amarela – Indicada para residentes ou viajantes para as áreas com recomendação da vacina (pelo menos dez dias antes da data da viagem). Indicada também para pessoas que se deslocam para países que exigem a comprovação de vacinação. Nas áreas com recomendação de vacina, face à situação epidemiológica atual, de acordo com o PNI, recomenda-se apenas uma dose da vacina na vida, sem necessidade de reforços.

No entanto, a ocorrência de falhas vacinais primárias, especialmente em crianças com idade inferior a 2 anos, faz com que a aplicação de uma segunda dose seja desejável – em geral, a partir dos quatro anos de idade.

Publicidade

Para viagens internacionais, prevalecem as recomendações da OMS com comprovação de apenas uma dose. Lactantes de bebês menores de 6 meses de idade, quando vacinadas, devem ser orientadas para a suspensão do aleitamento materno por dez dias após a vacinação.

Deve ser evitada a aplicação da vacina febre amarela no mesmo dia que a vacina tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) em crianças menores de 2 anos, devido à possível interferência na resposta imune, sendo ideal guardar um intervalo de 30 dias entre a aplicação das duas vacinas.

  1. HPV – Existem duas vacinas disponíveis no Brasil contra o HPV (Papilomavírus humano): a vacina com as VLPs (partículas semelhantes aos vírus – “vírus-like particle”) dos tipos 16 e 18 (HPV2) e a vacina com as VLPs dos tipos 6, 11, 16 e 18 (HPV4), que são recomendadas em duas doses com intervalo de seis meses entre elas, para indivíduos entre 9 e 14 anos, e em três doses (0, 1 a 2 e 6 meses), para maiores de 15 anos.

A HPV4 está indicada para ambos os sexos (é a vacina disponível no PNI) e a HPV2 apenas para indivíduos do sexo feminino. Imunodeprimidos por doença ou tratamento devem receber o esquema de três doses.

  1. Dengue – A vacina dengue foi licenciada em nosso país no esquema de três doses (0, 6 e 12 meses) e está recomendada para crianças e adolescentes a partir de 9 anos até no máximo 45 anos de idade que já tiveram infecção prévia pelo vírus da dengue (soropositivos).

Está contraindicada para gestantes, mulheres que amamentam e portadores de imunodeficiências. A vacina não deve ser administrada simultaneamente com outras vacinas do calendário. Portando, o esquema completo são três doses, sendo uma dose aplicada a cada seis meses, imunizando-se contra os quatro tipos do vírus da dengue (DEN 1, DEN 2, DEN 3, DEN 4).

Nota do autor: O vírus que está causando dengue e circulando no momento é o DEN 2.  Em Tatuí, já foram confirmados oito casos nestes primeiros três meses do ano. As vacinas não encontradas nos postos de saúde e que não fazem parte do PNI (Programa Nacional de Imunizações do SUS).

Estão disponíveis nas clínicas particulares de vacinação, como no caso do nosso Centro de Vacinação (Alergoclin Cevac). Informamos, ainda, que temos disponíveis no Cevac as vacinas de imunoterapia contra pó e ácaros (Dermatofagoides e Blomia tropicalis) e mofo; contra picadas de insetos; contra candidíase (Monilíase) vaginal de repetição; contra herpes de repetição e a imunoterapia bacteriana (contra infecções por oito bactérias diferentes que causam amigdalites, otites, sinusites e pneumonias).

Fontes: sites da SBP (www.sbp.org.br) e do Cevac (www.alergoclincevac.com.br)

Publicidade