União marca missa e festa de Corpus Christi

Soma de esforços de voluntários de todos os setores viabilizou evento de 11h

653
Bispo Dom Gorgônio presidiu missa da Eucaristia realizada na praça da Matriz
Publicidade

A confecção do tapete de Corpus Christi, a celebração da Missa da Eucaristia, a organização da procissão do Santíssimo Sacramento e a realização da Festa da Caridade. Todas estas atividades – que integram o maior evento religioso do município – tornaram-se possíveis pela união de esforços de voluntários de vários setores.

Crianças, jovens e adultos se mobilizaram, na quinta-feira, 15, contribuindo com dinheiro, mão de obra e empregando recursos de infraestrutura. Os apoios possibilitaram a realização das programações religiosa e festiva de Corpus Christi.

Érika Fragnani Ferreira, ministra da Paróquia Santuário Nossa Senhora de Fátima, esteve entre uma das muitas colaboradoras que formaram a rede solidária deste ano. Ela participou pela primeira vez como parte integrante da missa e argumentou que todas as paróquias têm participação importante.

“Uns auxiliam no tapete de Corpus Christi, outros, na decoração da festa e outra parte da paróquia, nas barracas de vendas da festa do asilo”, descreveu.

Implantada há pouco mais de um ano, a Paróquia Santuário Nossa Senhora de Fátima contou com cinco ministros na organização da missa. Eles também auxiliaram na distribuição da Eucaristia (hóstia), somando-se ao “exército” formado por 50 ministros. Os religiosos pertencem às 11 paróquias da cidade.

Publicidade

“Este é um momento importante para os católicos. Todas as paróquias preparam-se para o evento, discutindo as questões a serem resolvidas na nossa programação. Tenho oito anos de ministério e este é o primeiro que consigo participar da missa. Então, para mim, está sendo um privilégio”, relatou.

Érika começou os preparativos às 5h30, quase no mesmo horário que Cirlene Ferrez. Residente em São Paulo, a dona de casa chegou a Tatuí por volta das 8h. Ela engrossou a multidão que acompanhou a missa da Eucaristia, iniciada às 9h, sob a presidência do bispo dom Gorgônio Alves da Encarnação Neto.

“Já é o segundo ano que venho para acompanhar a missa. Deixei São Paulo porque sou católica, tenho muita fé e me sinto bem em ver a união das pessoas”, contou.

A dona de casa disse preferir a missa no formato atual, realizada no coreto da Praça da Matriz. “Dá mais chance para as pessoas de acompanharem. Ainda mais num dia como hoje, que está tão bonito”, adicionou.

De acordo com o padre Élcio Roberto de Góes, a escolha do local para a celebração tem a ver com objetivo da Igreja Católica. “Hoje, é um dia de manifestarmos publicamente, fora dos templos religiosos, a nossa fé na Santíssima Eucaristia. Então, celebrarmos fora é mostrarmos isso”.

Responsável pela Paróquia-Santuário Nossa Senhora da Conceição (Igreja Matriz), Góes reforçou que a missa de Corpus Christi é uma manifestação na qual os católicos demonstram a fé na Eucaristia, crendo em Jesus Cristo ressuscitado.

Ela também traz significado muito importante para os cristãos. Conforme o padre, a missa não só evidencia como mostra a unidade dentro da Igreja. Isso porque ela é realizada com apoio de todas as paróquias do município.

“Nós participamos do mesmo cálice, comungamos do mesmo pão e, assim, formamos este Corpo de Cristo que é a Igreja. Este é o propósito”, reforçou.

Ao todo, 12 padres participaram da celebração, iniciada às 9h. Os párocos também coordenaram as equipes que atuaram na confecção do tapete de Corpus Christi.

Os voluntários começaram a fazer os desenhos pelo trajeto no qual o Santíssimo Sacramento passou (durante a romaria ao Asilo) por volta das 21h de quarta-feira, 14. Terminaram a confecção na madrugada de quinta.

Mais que manifestação religiosa, o tapete é considerado parte importante para a celebração. É por ele que acontece a chamada “transladação do Santíssimo Sacramento”.

Neste ano, o tapete enfeitou as ruas José Bonifácio, Juvenal de Campos, Professor Francisco Pereira de Almeida, a avenida Coronel Firmo Vieira de Camargo, finalizando na rua Santa Terezinha, na entrada do Lar São Vicente de Paulo.

“A cada ano é uma experiência diferente. A Eucaristia é essa força de Deus que nos alimenta e marca a presença de Cristo, como renovação”, comentou o bispo diocesano, sobre a experiência da transladação do Corpo de Cristo.

Dom Gorgônio celebra a missa e transporta o Santíssimo Sacramento há 19 anos. O bispo participa do evento em Tatuí desde que ingressou na Diocese de Itapetininga. “Nós demonstramos a atualização daquele sacrifício único de Cristo, que se ofereceu por todos nós, para a nossa redenção”, descreveu.

Além de Tatuí, o bispo celebra missa em Itapetininga, no período da tarde. Ele mencionou que o evento no município é especial por envolver a Festa da Caridade. No território da diocese, há somente uma confraternização parecida com a de Tatuí, no Lar São Vicente de Paulo de Pilar do Sul.

A prefeita Maria José Vieira de Camargo participou de todas as atividades. Ela destacou que o evento tem grande importância para Tatuí, uma vez que ajuda a atrair turistas e beneficia a instituição que cuida de 80 idosos, entre homens e mulheres.

“Hoje é o dia em que a Igreja Católica celebra o Corpo de Cristo e que acontece a Festa da Caridade. É a maior festa da região, a maior festa da solidariedade. Então, um evento como este tem sua relevância”, acrescentou.

Publicidade