Tatuí faz adesão ao programa nacional das escolas militares

Ministério da Educação fará seleção entre cidades inscritas

428
Prefeita Maria José Vieira de Camargo assina manifestação de interesse pelo Pecim (foto: AI Prefeitura)
Publicidade

A prefeita Maria José Vieira de Camargo assinou, na quinta-feira da semana passada, 10, a manifestação de interesse do município em participar do Pecim (Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares), do governo federal.

O Pecim foi lançado no dia 5 de setembro, em Brasília, prevendo a implantação de 216 colégios até 2023, sendo 54 por ano, a começar em 2020. O período de manifestação de interesse aos municípios ao programa se encerrou neste dia 11.

Conforme divulgado pelo governo federal, o projeto é uma parceria do MEC (Ministério da Educação) com o Ministério da Defesa, para “fomentar um novo modelo educacional de qualidade que possibilite elevar o nível de aprendizado, proporcionando melhores oportunidades aos jovens”.

A expansão de escolas nesse modelo, que prevê a participação de militares da reserva em atividades educacionais e administrativas das unidades, é uma promessa de campanha do presidente Jair Bolsonaro.

O secretário municipal da Educação, professor Miguel Lopes Cardoso Júnior, explica que, neste primeiro momento, foi realizada apenas uma manifestação de interesse pelo programa. Segundo ele, a pasta ainda analisa as diretrizes de como ele pode ser aplicado na cidade.

Publicidade

“Ainda é muito vago para nós a forma como vai funcionar o programa. Por enquanto, era necessário cumprir o prazo. Estamos estudando os critérios para que o governo federal possa instalar algumas unidades do programa aqui”, argumentou o secretário.

Ele ainda pondera que o MEC ainda fará a seleção, levando em conta os indicadores sociais, tamanho e a disponibilidade de militares nas cidades em que aderiram ao Pecim. O MEC anunciou, na quarta-feira, 16, que 643 prefeituras se inscreveram no programa, o que representa 11,5% dos municípios brasileiros.

“Estamos aguardando o resultado, mas acredito que o modelo piloto deve chegar primeiro nas capitais”, observou o secretário. A lista dos municípios contemplados será divulgada até 15 de novembro.

De acordo com a assessoria de comunicação da prefeitura, o MEC respondeu ao ofício da prefeita, afirmando que “será feito o levantamento para verificar a viabilidade de pessoal militar, com perfil desejado, nas localidades que manifestaram interesse”.

Por meio de carta eletrônica, o MEC ainda afirmou que “tão logo sejam selecionados os municípios que participarão do Pecim no ano de 2020, o ministério entrará em contato para orientações quanto às demais providências necessárias”.

“Tem uma série de critérios que ainda temos que analisar, mas Tatuí já aderiu. É de nosso interesse aplicar o modelo de disciplina do Pecim em algumas escolas, mas tudo ainda é muito novo e está em fase de estudos. Vamos aguardar as próximas manifestações do governo”, comentou o secretário.

O objetivo do Pecim, conforme informado pelo governo federal, é “promover, fomentar, acompanhar e avaliar” a adoção do modelo de escola cívico-militar desenvolvido pelo MEC, nos sistemas de ensino municipais, estaduais e distrital. Trata-se de um programa com alcance nacional, disponibilizado aos estados e municípios para adesão voluntária.

As escolas que tiverem interesse em aderir ao programa deverão cumprir uma série de requisitos. Sendo selecionadas, poderão contar com a estrutura do MEC no que diz respeito à gestão educacional, didático-pedagógica e administrativa.

Além disso, o projeto prevê que os municípios que aderirem ao Pecim receberão reforço de profissionais das polícias e bombeiros militares e de militares das Forças Armadas inativos, para trabalharem nas escolas. A ideia é que eles sejam contratados por meio de processo seletivo.

Os estados poderão ainda destinar policiais e bombeiros militares para apoiar a administração das escolas. Nesse caso, o MEC repassaria a verba ao governo, que, em contrapartida, investiria na infraestrutura das unidades, com materiais escolares e pequenas reformas.

Serão investidos R$ 54 milhões por ano, ou seja, R$ 1 milhão por escola. Desse montante, sairá o pagamento dos militares da Defesa e a verba para os governos estaduais e DF que aderirem ao programa.

Segundo o ministro da Defesa, general Fernando Azevedo, na primeira fase, poderão ser convocados cerca de 540 militares da reserva para atuação em 30 escolas cívico-militares, nas áreas de monitoria, ensino-aprendizagem e administrativa.

“Sabemos que o caminho é longo e que muitos serão os desafios, mas, com o esforço conjunto e a união de todos, temos a certeza de que esse programa nos trará bons frutos já a partir do ano que vem, quando o novo modelo de escola já deverá estar funcionando”, disse Azevedo, por meio de nota à imprensa.

A duração mínima do serviço é de dois anos, prorrogável por até dez, podendo ser cancelado a qualquer tempo. Os profissionais vão receber 30% da remuneração que recebiam antes de se aposentarem.

Publicidade