Segunda Virada Inclusiva começa nesta terça

Evento aborda diversos aspectos da inclusão e celebra o Dia da Pessoa com Deficiência

480
Departamento de Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida prepara “Virada Inclusiva” (foto: arquivo pessoal)
Publicidade
Da reportagem

A inclusão das pessoas com deficiência no ambiente corporativo, na moda, na educação, na saúde e na cultura serão alguns dos temas abordados durante a programação da segunda edição da “Virada Inclusiva – Participação Plena”, que começa nesta terça-feira, 26. A ação é realizada pelo Departamento da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida.

O evento segue até o dia 3 de dezembro – data em que se comemora o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência – com diversas atividades culturais, esportivas e de recreação, nas ruas, praças, parques, museus, centros culturais e demais espaços coletivos, públicos e privados.

De acordo com Talita de Campos Urso, terapeuta ocupacional do Departamento da Pessoa com Deficiência – uma das organizadoras do evento -, a nova edição segue a mesma linha do ano passado, “com ações que objetivam impactar as pessoas com e sem deficiência”.

“A ‘Virada’ não é só para a pessoa com deficiência, é para todo mundo. A ideia é que todo mundo possa estar junto neste processo. A intenção da ‘Virada’ é ser de fato uma festa da diversidade”, destacou a terapeuta.

A “Virada Inclusiva – Participação Plena” é uma ação estadual organizada pela Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência e parte do calendário oficial de eventos do estado de São Paulo desde 2014, conforme a lei 15.424.

Publicidade

Segundo a secretaria estadual, o evento foi idealizado para dar maior visibilidade à presença da pessoa com deficiência na sociedade, por meio de manifestações de arte, cultura, esporte e lazer, além de comemorar o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, criado pela ONU (Organização das Nações Unidas) em 1992.

Na capital, a Virada Inclusiva está na décima edição e será realizada nos dias 1º, 2 e 3 de dezembro. Já em Tatuí, a programação começa nesta terça-feira, 26, com palestras sobre inclusão no ambiente de trabalho, na Câmara Municipal.

“Vamos entrar já com uma palestra muito bacana, para divulgar um projeto de emprego inclusivo do estado que vem proporcionando a inclusão da pessoa com deficiência no âmbito do trabalho”, comentou Talita.

A diretora executiva da Secretaria Estadual da Pessoa com Deficiência, Aracélia Costa, abre a programação às 9h30, com a palestra “O Meu Emprego – Trabalho Inclusivo – Programa do Governo do Estado de São Paulo”.

“É um programa bem completo, que trabalha desde o processo de formação para o trabalhador até a consultoria para o empregador. Temos várias associações e ONGs trabalhando com o emprego apoiado, mas essa é uma opção de âmbito público, que todo mundo tem acesso, e é interessante que todos possam conhecer”, observou a organizadora.

Às 10h45, acontece a palestra “Mito ou Desafio? – A Inserção da Pessoa com Deficiência no Mercado de Trabalho”, ministrada pela terapeuta ocupacional Ana Paula Camargo – sócia-fundadora do Núcleo de Desenvolvimento, Pesquisa e Inclusão Semear.

“Entramos em contato com a ACE (Associação Comercial e Empresarial), e ela nos ajudou a disparar os convites aos associados, e também estamos convidando empresários de todos os segmentos. Nós precisamos ampliar as informações e a inclusão da pessoa com deficiência no ambiente de trabalho”, frisou a terapeuta.

Na quarta-feira, 27, a “Virada” apresenta projetos de moda inclusiva, com peças dedicadas às pessoas portadoras de algum tipo de deficiência. O evento acontecerá no Centro de Artes e Esportes Unificados “Fotógrafo Victor Hugo da Costa Pires”, o CEU das Artes, das 18h às 21h.

Na ocasião, em parceria com o Fusstat (Fundo Social de Solidariedade de Tatuí), haverá desfile de moda inclusiva infantil, realizado pelas empresas Panuu e Iguall – confecções fundadas por mães de pessoas com deficiência.  Também será promovida a exposição de peças de moda inclusiva da SPD.

“Nossa ideia é gerar uma reação, queremos que as confecções, estilistas e lojas comecem a pensar diferente e trazer modelos que possam facilitar a vestimenta das pessoas, não só as com deficiência, mas também dos idosos, dos que estão se recuperando de cirurgias, entre outros”, argumentou Talita.

Na quinta-feira, 28, no Museu Histórico “Paulo Setúbal”, acontecerá, das 10h às 12h, a apresentação do Programa Central de Libras ICom, com o tema: “Mitos e Verdades sobre a Deficiência Auditiva”, desenvolvido pela Associação Amigos Metroviários dos Excepcionais (AME), que contará com apoio da Escola Real Comunicação em Língua de Sinais.

“Queremos mostrar algumas das milhões de ferramentas que estão sendo desenvolvidas para facilitar a interação com os surdos, assim como o aplicativo que interpreta Libras. Nossa ideia é trazer informações sobre o que já existe e ampliar o acesso da população”, ressaltou a terapeuta.

Já na sexta-feira, 29, a programação da “Virada” contará com atividades coletivas, com brinquedos e brincadeiras, na praça Ayrton Senna, na vila Dr. Laurindo, das 9h às 11h30.

As atividades consistirão em oficinas interativas, promovidas pelo projeto “Brincar e Cantar é Só Começar”, da Secretaria Municipal de Educação e pela EduCrescere.

“Sabemos que, às vezes, as crianças com deficiência são deixadas de lado nas brincadeiras. Então, vamos mostrar algumas formas de incluir todo mundo no processo do brincar. Por isso, estaremos com dois projetos que trabalham com oficinas recreativas, sabendo que todas as crianças têm direito ao brincar”, enfatizou a organizadora.

No sábado, 30, as atividades acontecerão das 9h às 12h, na Praça da Matriz, com a exposição fotográfica “De Quem Estamos Falando?”, mostrando pessoas com deficiência exercendo atividades cotidianas.

“Os quadros expostos vão mostrar que não é porque a pessoa tem a deficiência que ela não pode fazer atividades do dia a dia. A gente tem pessoas com mais ou menos autonomia, mas todas são capazes, dentro das condições individuais de cada um, de exercer atividades cotidianas”, antecipou Talita.

A praça ainda contará com cinco estandes somando temas e abordagens diferentes. Os espaços “um” e “dois” tratarão de saúde, com campanha de prevenção e aferição de pressão arterial e orientações sobre cuidados para pessoas ostomizadas, com realização da Coloplast do Brasil, Aoor e Ostomia com Alegria.

Já o estande “três”, promovido pela Secretaria Municipal do Trabalho e Desenvolvimento Social e comissão da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), abordará os direitos da pessoa com deficiência, com orientações e distribuição de material informativo.

O Conservatório Dramático e Musical “Dr. Carlos de Campos” ocupará o estande “quatro”, mostrando um pouco do projeto de musicografia braille, realizado pela instituição junto ao público com deficiência visual.

Já o último estande será ocupado pela EduCrescere, com a campanha “Como Receber Pessoas com Deficiência em Locais Públicos – Orientação ao Comércio”.

“Vamos ocupar a Matriz em dia de grande circulação de pessoas para tentar atingir um público maior. Ali, as pessoas vão circular e, mesmo que não queiram entrar em contato direto com o evento, vão ter acesso à informação visual e aos sons que vão ser emitidos. Com isso, serão impactadas e afetadas de alguma forma”, salientou a terapeuta.

Também na Praça da Matriz, das 9h às 10h, haverá apresentação da Academia ao Ar Livre, da Secretaria Municipal de Esporte, Cultura, Turismo, Lazer e Juventude.

No mesmo horário, será realizada apresentação do Projeto AmiCão, do Canil da Guarda Civil Municipal. E das 11h às 12h, acontecerá apresentação do Coral da Cidade de Tatuí “Professor José dos Santos”, com regência do maestro Cláudio Casarini.

Já no domingo, 1º de dezembro, às 9h, será realizada uma feira colaborativa com expositores e artistas, com a participação do comércio local, abrangendo marcas, pequenos produtores, produção artesanal, cultura e espaços colaborativos, uma realização da Curadoria Zabumba.

Ainda no domingo, às 15h, acontecerá a roda de conversa intitulada “Circulação Social da Pessoa com Deficiência: Ressignificação dos Espaços e Mudança de Paradigmas da Sociedade”, também realizada pela Curadoria Zabumba.

“A feira já tem a ideia da diversidade. Então, de manhã, vamos ter uma proposta de gincanas e oficinas pensando nas crianças e, à tarde, abordaremos a questão da ocupação dos espaços e vamos dar voz às pessoas em um lugar aberto, onde todo mundo vai poder dar sua contribuição”, asseverou a organizadora.

Talita ainda destaca que todos os eventos são gratuitos e que não é necessário fazer inscrição prévia. Já o encerramento, na terça-feira, 3, com a realização do “1º Fórum Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência”, já teve o número de vagas preenchido.

O evento, gratuito, será promovido pelo CMDPD na sede da Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais), à rua José Rosa s/n, no Jardim Lucila, com o tema “O Papel da Sociedade na Construção de Políticas Públicas”.

A programação começa às 8h30, com credenciamento e café da manhã. A partir das 9h30, haverá apresentação cultural e, às 9h45, a organização promoverá abertura solene, que antecederá a primeira palestra.

Às 10h15, a especialista em desenho universal e coordenadora da Comissão de Acessibilidade de São Paulo, Silvana Cambiaghi, abre a primeira parte do encontro, ministrando palestra sobre o tema “O Papel da Sociedade na Construção de Políticas Públicas”.

Às 11h, a programação inclui debate sobre o tema e retorna no período da tarde, às 13h, com divisão dos grupos por eixos que embasarão os debates. Às 16h, acontece a apresentação e resumo das discussões, seguidos de debates, agradecimentos e encerramento, programado para as 17h.

Segundo a organização, cinco eixos temáticos serão abordados no encontro: saúde, educação, assistência social, esporte, acessibilidade e mobilidade urbana, “que estarão aprofundando questões pertinentes à formulação de políticas públicas que, efetivamente, atendam aos direitos, fixando prioridades e formulando propostas referentes aos eixos”.

No eixo educação, será colocada em pauta a importância de crianças, adolescentes e jovens com deficiência terem acesso à escola regular e ao ensino de qualidade. A reunião será mediada por Fabiana Grechi, diretora do EduCrescere e vice-presidente do Núcleo da Justiça Restaurativa de Tatuí.

A terapeuta ocupacional Talita mediará o eixo sobre saúde, abordando prevenção, diagnóstico, estimulação, habilitação, reabilitação e envelhecimento da pessoa com deficiência.

O eixo sobre assistência social será mediado por Cátia Aparecida Cardoso Teixeira, representante da Federação das Apaes, coordenadora estadual de autodefensoria e assistente social da Apae de Bauru (SP), mostrando qual o tipo de público atendido por essa área.

O representante do Centro Paralímpico Brasileiro, Filipe Barbosa, vai mediar o eixo sobre esporte, com o tema “Pare e Pense! O Quanto o Esporte é Necessário para Todos? E, para as Pessoas com Deficiências?”.

Já o eixo envolvendo mobilidade urbana e acessibilidade ficará por conta da mediadora Silvana Cambiaghi, que abordará o tema “Ser Deficiente Físico Não É uma Condição Estática: a Deficiência e seu Grau de Gravidade Dependem do Ambiente em que Vive”.

No Brasil, estima-se que quase 24% da população têm algum tipo de deficiência. Os debates e discussões do fórum devem nortear a 1ª Conferência Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência, programada para o primeiro semestre de 2020.

O objetivo dos encontros, segundo o conselho, é conscientizar a população e, ao mesmo tempo, “dar a oportunidade às pessoas com deficiência de serem protagonistas na tomada de decisão sobre seus direitos”.

“A gente precisa fazer com que as pessoas compreendam que, mesmo com ações mínimas, podemos gerar impactos positivos em relação à acessibilidade e à inclusão social. Com todas essas atividades, nós vamos ouvir o que população com deficiência está precisando e ver o que a gente consegue mudar”, concluiu Talita.

Publicidade