Secretaria de Educação ganha nova sede

354
Publicidade





Cerca de 400 pessoas participaram da inauguração do Centro Integrado de Educação, no bairro Junqueira. O novo prédio irá abrigar a Secretaria Municipal da Educação, Cultura e Turismo, o Nate (Núcleo de Atendimento Terapêutico Educacional), a garagem e o almoxarifado do órgão. O atendimento ao público começa hoje, quarta-feira, 9, devido ao feriado, na terça-feira, e ao ponto facultativo de segunda-feira, 7.

O local tem 15 salas e cerca de 600 m². Foram investidos mais de R$ 1,3 milhão na nova sede, sendo R$ 1,1 milhão com a compra do prédio.

Com o espaço próprio, a Prefeitura anunciou que deve economizar quatro aluguéis, estimando poupar cerca de R$ 20 mil em locação. Esse valor – de cerca de R$ 240 mil ao ano – poderá ser usado em outros programas da pasta, compras de materiais de consumo ou novos investimentos, ainda conforme o Executivo.

“O dinheiro a gente vai direcionar para benfeitorias no setor da Educação. Podemos economizar de um lado para fazer melhorias em outras unidades que estão necessitando”, disse a secretária da Educação, Ângela Sartori.

Publicidade

Além da economia de aluguel, o prefeito José Manoel Correa Coelho, Manu, afirmou que a centralização facilitará a vida dos cidadãos e dos funcionários da secretaria.

“Facilita tanto para os funcionários quanto para a população. Imagine que, antes, a população precisava ir para a secretaria matricular o filho na creche e tem outro filho que precisava de atendimento no Nate. Precisava ir a dois lugares diferentes”, disse o prefeito.

“O funcionário vem trabalhar aqui e precisava ir buscar material de consumo no bairro Manduca. Hoje, terá economia de combustível e de tempo. Nós vamos conseguir otimizar”, acrescentou.

De acordo com o prefeito, o prédio, adquirido no final de 2013, foi comprado com valor menor que o de mercado. Ele sustentou que as avaliações dão conta de que o prédio, atualmente, valeria mais de R$ 2 milhões.

“Toda economia – ainda mais que estamos num momento de corte orçamentário – é muito bem-vinda. Vamos economizar, em quatro anos, R$ 1 milhão”, declarou.

“Você pode imaginar que poderíamos adquirir uma creche. Tudo isso vai entrando no fundo da Educação, e a gente pode reverter em obras, ou em benefícios para o próprio professor”, afirmou.

O novo prédio tem total acessibilidade. Na entrada, foi instalada uma plataforma para cadeirantes. Dentro, há outro elevador para pessoas com dificuldades de locomoção.

“Aqui, faremos todo o atendimento de demanda por vagas nas escolas, creches, do setor de transporte, atendimento ao público. Teremos também os serviços prestados pelo Nate, que é direcionado a crianças que precisam de cuidados especiais de psicopedagogos e psicólogos. Todos os atendimentos relacionados à Secretaria da Educação estarão centralizados em um só prédio”, ressaltou Ângela.

Como o novo prédio da secretaria abriga uma garagem, os veículos menores, utilizados pelos funcionários da pasta, serão guardados na nova sede, enquanto as vans e os ônibus usados no transporte de alunos ficarão na garagem atual.

A nova sede era para ter ficado pronta no final do ano passado. A empresa contratada para a reforma abandonou a obra, que teve de ser concluída pela equipe das secretarias da Educação e de Infraestrutura.

“Foram feitos todos os trâmites legais para responsabilizar a empresa que não fez a entrega da obra”, disse Ângela.

A inauguração ficaria marcada pela homenagem a Dulce Falcão Fantoni, cidadã tatuiana que batizaria o prédio do Centro Integrado de Educação. Contudo, o projeto de lei, que autorizaria o batismo do prédio, não havia sido até então colocado em votação na Câmara.

O vereador Oswaldo Laranjeira Filho (PT) lamentou o fato. “O projeto estava pronto para ser votado. Tudo faz crer que o presidente da Câmara (Wladmir Faustino Saporito) não o colocou em votação por causa das nossas cobranças em relação ao repasse de recursos do Legislativo para a Santa Casa”, declarou.

O vice-prefeito e secretário da Infraestrutura, Meio Ambiente e Agricultura, Vicente Aparecido Menezes, também criticou o presidente da Casa de Leis. Durante o discurso, Vicentão afirmou “nunca ter visto situação semelhante em toda vida pública”.

“O que passa na cabeça do presidente da Câmara para não colocar o projeto em votação? Já foi aprovado em todas as comissões e está pronto para votar. A família até viria aqui ser homenageada, mas acabou nem vindo”, declarou.

O prefeito lamentou o acontecido, mas afirmou que, assim que o projeto for aprovado, chamará a família para prestar homenagem.

O prefeito exaltou, em discurso, as aquisições e inaugurações feitas pela pasta nos últimos três anos. Foram construídas três novas creches e adquiridos outros três imóveis para a abertura de novas unidades. Em 2016, será inaugurada uma nova escola, no bairro Tanquinho.

“Estamos construindo uma escola no bairro Tanquinho, que ficará na ordem de R$ 5 milhões. Cerca de 70% da obra está concluída, e a previsão de entrega é para meados de 2016. Como estamos entrando na temporada de chuvas, as obras andam um pouco mais devagar, mas, no segundo semestre, ela estará funcionando”, garantiu Manu.

A secretária da Educação afirmou que, mesmo com as dificuldades orçamentárias impostas pela atual crise econômica, que fez os repasses federais e estaduais diminuírem no último ano, “a Prefeitura tem feito esforços para entregar as obras prometidas”.

“Muitos vêm nos procurar para saber como conseguimos, em tempos de crise, realizar todas essas conquistas. Eu vou dizer a vocês que a receita é muito fácil: é gestão, responsabilidade, companheirismo e dedicação que a equipe tem”, concluiu Ângela.

Procurado, o presidente da Câmara afirmou que uma lei de 2010 regula a nomenclatura de ruas, praças e edifícios públicos. Saporito acentuou que o prefeito deve informar, à presidência da Casa de Leis, quais prédios e ruas devem ser batizados para que não haja “privilégios de vereadores aliados”.

“O prefeito não pode passar diretamente para os vereadores. Tem uma lei que regula isso. A presidência é quem tem que fazer a divisão das nomenclaturas entre os vereadores”, argumentou.


Publicidade