Recuperação da ‘malha viária’ local começará após o perí­odo das águas

496
Publicidade

 

O titular da Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura, Marco Luís Rezende, pediu paciência aos motoristas e afirmou que os problemas na malha viária local serão resolvidos ao final do verão.

Segundo Rezende, a secretaria já tem levantamento prévio das vias que necessitam de intervenção com maior urgência. Contudo, ele espera um período de estiagem para poder realizar o trabalho.

As ruas com maior problema na pavimentação são: Benedito Faustino da Rosa, no Jardim Wanderley; José Bonifácio e Santo Antônio, no centro; e um trecho da Dr. Gualter Nunes, próximo à ponte da Chácara Junqueira, que ruiu neste mês.

“Tem alguns trechos em que a enxurrada está tirando o asfalto nas laterais das ruas e está abrindo buracos. Outros locais, como o trecho da rua da Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais), no Jardim Wanderley, precisou ser interditado por não ter condições de passagem”, afirmou.

Publicidade

O secretário também informou que a pasta está realizando cotação de asfalto usinado a quente “de qualidade”. Não há definição se o serviço será realizado pela própria equipe da Secretaria de Obras ou por empresa terceirizada.

“Precisamos de asfalto de qualidade. Quando se coloca um asfalto ruim, ele sai sozinho depois de três ou quatro meses. Acaba sendo um alívio temporário para os moradores, mas, depois, os buracos voltam do mesmo jeito”, explicou.

De acordo com Rezende, para que a operação seja efetiva e tenha durabilidade maior, é necessário esperar o término da estação chuvosa. A explicação é que o asfalto necessita de um período de “cura”, tempo no qual não pode receber umidade, como água de chuva.

Caso o período não seja respeitado, o trabalho corre o risco de se perder e o asfalto aplicado perde aderência ao solo rapidamente. No caso do material usinado a quente, o período de cura é de quatro horas (o usinado a frio necessita de tempo maior).

“Queremos uma operação que dure, que seja confiável, para não precisarmos fazer novamente o trabalho depois de três meses. Com essas chuvas, não temos condições de fazer esse tipo de serviço”, argumentou.

Apesar do pedido de paciência, o secretário relatou que o serviço de recuperação da malha viária pode ser adiantado, caso o clima ajude e a cidade tenha uma semana de estiagem.

“Em uma semana, nós conseguiríamos fazer esses tipos de serviços que não podemos nesta época do ano. Precisamos que o solo fique seco para podermos trabalhar”, explicou.

Para ele, o momento é de “escolher os melhores materiais e empresas para que o serviço seja realizado”. “Pedimos paciência aos motoristas, pois, assim que tivermos oportunidade, vamos resolver esses problemas”, garantiu.

Limpeza nas ‘bocas’

O entupimento de galerias de águas pluviais e de bocas de lobo também é motivo de preocupação para o secretário de Obras. Segundo Rezende, uma equipe da pasta trabalha diariamente na limpeza dos bueiros. Por dia, são retirados dos escoadouros duas carretas de trator cheias de lixo e terra.

“Quando iniciamos o governo, encontramos bastantes galerias sujas e entupidas. Os funcionários retiram garrafas pet, entulho, sacos de lixo e muita terra e sujeira das bocas de lobo”, afirmou.

Além da limpeza que vem sendo realizada, o titular da pasta afirmou ter pedido um “levantamento detalhado” do número de bueiros para os funcionários, a fim de realizar cronograma no período de secas. Ele afirmou que a secretaria não tem o detalhamento das bocas de lobo.

A ideia de Rezende é preparar a cidade durante o inverno para o próximo período chuvoso, que tem início em meados de novembro. A limpeza, segundo o secretário, é necessária para melhorar o escoamento de água e evitar que a enxurrada danifique a pavimentação das ruas.

“Esse trabalho deveria ter sido feito até novembro e não ter esperado a chuva chegar para fazer. Queremos fazer a limpeza de forma antecipada, para não precisarmos dessa correria no ano que vem”, declarou.

Chuva e emergência

Na manhã de sexta-feira, 27, a Prefeitura divulgou que a DC (Defesa Civil) registrou aumento no índice de chuva neste mês. Conforme dados repassados pela prefeita Maria José Vieira de Camargo, em nota enviada à imprensa, o órgão registrou 365 milímetros até dia 26. O volume é 115 superior à média de janeiro.

A medição consta em relatório assinado por João Batista Alves Floriano, chefe da Defesa Civil. Segundo a Prefeitura, em janeiro, os dias com mais volume em precipitações foram 18, 19 e 26, com respectivamente 32,5, 32 e 30 milímetros.

Devido às chuvas, a Prefeitura informou que os andamentos de algumas obras ficam comprometidos, endossando entrevista do secretário de Obras e Infraestrutura.

Na quinta, o governo federal homologou estado de emergência em Tatuí por meio da publicação no DOU (Diário Oficial) da União da portaria 8, de 24 de janeiro. A publicação é da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil.

A assessoria de imprensa do Executivo informou que, com isso, a Prefeitura espera receber recursos federais para construir uma ou duas pontes sobre o ribeirão do Manduca. Os processos já estão em trâmite no Ministério da Integração Nacional.

O setor divulgou, ainda, que a Prefeitura busca recursos para a reconstrução de ponte do Jardim Junqueira junto ao governo do Estado de São Paulo. Recentemente, o governo estadual reconheceu o estado de emergência no município, provocado pelas fortes chuvas e o comprometimento de várias pontes.

Para tanto, a administração municipal aguarda a liberação dos recursos estaduais e o andamento de processos que estão em trâmite na Casa Militar e Defesa Civil.

Com relação à ponte do Marapé, a assessoria declarou que o Executivo já notificou a empresa responsável pela construção, uma vez que a obra está sem produção desde outubro de 2016. O convênio para construção, firmado na gestão anterior, está interrompido pela falta de andamento da obra, que é paga por medição.

Até o momento, foram liberadas duas parcelas, que somam R$ 224.696,72. O convênio hoje está orçado em R$ 836.793,35.

Em nota, a prefeita Maria José Vieira de Camargo disse que aguarda a manifestação da Advocacia Geral do município para analisar a hipótese de rompimento de contrato com a empresa. Sendo assim, uma nova empresa poderá ser contratada para concluir a ponte.

A respeito da construção da ponte provisória, de madeira, para atender o Jardim Paulista, o Executivo informou que as obras tiveram início na sexta-feira, 27. Elas estão sendo realizadas pela Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura, praticamente a custo zero, uma vez que “toda a madeira é fruto de doação”. A previsão é que nos próximos 15 dias a ponte provisória esteja concluída.

 

Publicidade