Proposta de redução de vereadores gera novas discussões em plenário

Parlamentar membro de comissão responsável diz que não assina projeto

409
Parlamentares aprovaram todas as 75 matérias apresentadas em reunião ocorrida na Casa de Leis (Foto: Eduardo Domingues)
Publicidade
Da reportagem

O projeto de emenda à Lei Orgânica do Município (LOM) 002/19, que propõe a redução do número de vereadores no Legislativo local, de 17 para 11, esteve novamente em pauta, na sessão ordinária da Câmara Municipal da noite de segunda-feira, 31 de agosto.

Logo após a aprovação das matérias apresentadas na noite, o vereador Rodnei Rocha (PSL), conhecido como “Nei Loko”, pediu, mais uma vez, que o documento fosse colocado em votação. O edil tem, a cada sessão, cobrado publicamente a votação da proposta.

O projeto de emenda à LOM, de autoria do presidente da Câmara Municipal, Antonio Marcos de Abreu (PSDB), e também assinado por outros seis parlamentares, já recebeu quatro emendas – a última delas, solicitando redução de 17 para nove vereadores, ao invés de 11, conforme a proposta original.

Rocha, relator da comissão de Constituição, Justiça e Redação, afirmou que assinaria a emenda de redução para nove parlamentares, pedindo que Alexandre Grandino Teles (PSDB) e Nilto José Alves (PRTB) fizessem o mesmo.

Com a assinatura dos três integrantes da comissão permanente, o presidente da Casa de Leis poderia convocar sessão extraordinária, logo após a reunião ordinária, e colocar a proposta de emenda à LOM para ser votada em plenário.

Publicidade

Contudo, Alves se negou a assinar o documento e subiu à tribuna para justificar-se. Pré-candidato a vice-prefeito para disputar a eleição junto ao pré-candidato a prefeito Wagner Rodrigues, Alves afirmou ser contra a proposta de redução de vereadores.

“Se eu assumir um posto no Executivo, quero trabalhar com 17 vereadores, não com 11. Quero pessoas me ajudando. Existem outras maneiras de nós administrarmos e enxugarmos a máquina, não é na Câmara de Leis”, declarou.

Ele afirmou que a Câmara recebe um percentual mensal por meio da prefeitura e reforçou ser contra a redução de parlamentares, pois “a medida favoreceria somente o Executivo, não o Legislativo ou a população”.

“Não vejo essa redução favorecendo a população, afinal, o papel do vereador é o de investigar, e precisamos de pessoas capacitadas para isso”, completou.

Com a negativa de Alves, a quarta emenda protocolada junto ao projeto continua com a Comissão de Constituição, Justiça e Redação, cujo prazo regimental para emissão do parecer se encerra na próxima terça-feira, 8. “Enquanto eu estiver dentro do prazo e não receber nenhuma notificação, não vou assinar”, reforçou o vereador.

O projeto, em tramitação na Câmara desde novembro do ano passado, altera o artigo oito da LOM, retirando seis “cadeiras” do Legislativo. A medida, segundo Abreu, objetiva a economia de, aproximadamente, R$ 6 milhões em quatro anos, durante o quadriênio 2021-2024.

Presidente da Casa de Leis e autor do projeto, Abreu reforçou a obrigatoriedade dos pareceres da comissão para a votação em plenário. No entanto, garantiu que, assim que o projeto estiver “pronto”, será posto para ser apreciado e votado.

Para que o documento tenha validade a partir do dia 1º de janeiro de 2021, ele precisa ser aprovado até o final das convenções partidárias de escolha dos candidatos.

Devido à pandemia, as convenções estão acontecendo, virtualmente, desde segunda-feira, 31 de agosto, seguindo até o dia 16 de setembro.

Pouco antes, durante a leitura da pauta da sessão e discussão dos requerimentos, a proposta de redução de vereadores já havia provocado duas discussões acaloradas entre Rocha e Eduardo Dade Sallum (PT), com trocas de acusações e ofensas.

No período em que esteve na tribuna, Sallum citou o editorial “Quem vai ser ‘Loko’?”, publicado pelo jornal O Progresso, na edição do dia 23 de agosto, o qual aborda o projeto de redução de vereadores.

Sallum mencionou o editorial para questionar quem seria o “louco” de votar redução de IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano). Ele se referia ao projeto de lei 26/20, do qual é autor.

Esse PL dispõe sobre a remissão de boletos de IPTU e a prorrogação do pagamento do ISS (Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza) como medida excepcional de combate aos efeitos econômicos provocados pela pandemia no município.

Tendo Rocha como relator, o documento recebeu parecer contrário da Comissão de Constituição, Justiça e Redação, por “inconstitucionalidade integral”, no dia 17 de julho. Contudo, na sessão anterior, o PL fora devolvido à comissão para nova avaliação.

Ao todo, os parlamentares apreciaram e aprovaram todas as 77 matérias apresentadas na pauta da sessão ordinária, sendo 8 indicações, 50 requerimentos e 19 moções.

Entre os requerimentos, os edis João Éder Alves Miguel (MDB) e Alexandre de Jesus Bossolan (PSDB) solicitaram, à prefeitura, a implementação de mais ecopontos para inibir o descarte irregular de lixo no município.

Já entre as moções, Teles protocolou dez documentos parabenizando o trabalho desenvolvido pelos funcionários da frota municipal, da Secretaria Municipal de Saúde. Já Abreu buscou homenageou os servidores da Santa Casa de Misericórdia e do Hospital da Unimed, pelo combate ao novo coronavírus.

Publicidade