Pronto Atendimento é iniciado com metas

332
Publicidade





Cristiano Mota

Secretário da Saúde, Máximo Machado (à direita), apresenta novo serviço; prefeito e vereadores participaram de solenidade nesta quinta

 

Cerimônia na manhã de quinta-feira, 3, marcou a implantação do PA (Pronto Atendimento) na região do Jardim Santa Rita de Cássia. O serviço funciona na UBS (unidade básica de saúde) “Roseli de Oliveira Camargo”, localizada no bairro Tanquinho e que terá a adição de novos dispositivos de saúde.

Entre eles, o Nasf (Núcleo de Apoio à Saúde da Família) e a academia da saúde. Por meio da Secretaria Municipal da Saúde, a Prefeitura estabeleceu metas e prometeu estudos para melhorar o atendimento. A principal meta diz respeito à possibilidade de o serviço funcionar em sistema de 24 horas.

Publicidade

Os projetos tiveram divulgação durante a inauguração do serviço, pelo prefeito José Manoel Correa Coelho, Manu, e pelo secretário municipal da Saúde, Máximo Machado Lourenço.

Realizada em tenda montada na área externa da UBS, a solenidade contou com participação de secretários municipais, vereadores e representantes de bairros.

Em discurso, Máximo afirmou que o PA se deve a muitos fatores. Dentre os quais, citou o cumprimento de promessa de campanha feita pelo prefeito. Também disse que a secretaria optou por implantar o serviço na região dado o número de pessoas que residem no entorno – estimado em 15 mil.

“Este é um bairro que temos de estar sempre atentos. Tem uma população mais numerosa que muitas cidades vizinhas, e merece uma atenção especial”, iniciou.

Máximo citou que havia recebido do prefeito, como primeira missão, a implantação do PA na região do Santa Rita. O atual secretário assumiu a pasta da Saúde em março. Desde então, deu início a reuniões para definição de local, possibilidades de implantação e sistema de atendimento.

Durante as análises, a secretaria verificou que os moradores são atendidos por três equipes do PSF (Programa Saúde da Família).

Também levou em consideração o tamanho da população e o impacto dela no PS (Pronto-Socorro Municipal) “Erasmo Peixoto”. Os moradores da região respondiam, até este mês, por 10% dos atendimentos no ambulatório.

Após planejamento, a Prefeitura decidiu implantar o PA “por etapas”. A primeira fase, iniciada na quinta-feira, 3, estabelece atendimento de segunda a sexta, das 17h às 22h. “É um serviço que estamos iniciando ‘pari passu’. Vamos fazer uma coisa de cada vez, e avaliando sempre”, disse Máximo.

Em discurso, o secretário destacou apoio recebido do vereador Dione Batista (PDT) e dos demais componentes da Câmara Municipal. Segundo ele, os parlamentares permitiram que o município realizasse contratação de médicos (por meio de convênio com a Santa Casa) para atuação no PS.

Com isso, a gestão do ambulatório passou para o hospital, dando à Prefeitura a possibilidade de deslocar médicos plantonistas para o pronto atendimento.

A expectativa é de que, com o serviço, moradores do bairro possam ter atendimento mais rápido e que o pronto-socorro tenha “desafogo”.

“Vai trazer muito benefício, já que 10% da população atendida no PS é oriunda dessa região. Não é um número muito alto, mas significativo”.

Máximo ressaltou que o PA tem os atendimentos iniciados após o fechamento da UBS. O posto de saúde abre de segunda a sexta, das 7h às 17h, e mantém programas de saúde que integram a cobertura de atenção básica.

O secretário anunciou, ainda, que a região terá implantada o Nasf e uma academia de saúde. O núcleo representará apoio ao PSF. Ele inclui a contratação de especialistas, como psicólogo, psiquiatra, pediatra e ginecologista. Já a academia será dotada de equipamentos destinados a exercícios físicos.

Antes de passar o microfone ao presidente da Associação dos Moradores do Jardim Santa Rita de Cássia, Alessandro Lirola, Máximo pediu compreensão aos usuários.

O secretário citou que é “importantíssimo” que a população continue a utilizar a UBS e compareça ao pronto atendimento somente nos casos em que não “houver risco de morte”.

Convidado a falar, Lirola agradeceu as autoridades e parabenizou o prefeito e o secretário “pelo passo importantíssimo”. Declarou, ainda, que o PA ajudará na “desvinculação do efetivo de pessoas do bairro” que comparecem ao pronto-socorro para atendimento.

O presidente da associação elogiou o prefeito pela implantação do PA e disse que ele está “lutando muito para reconstruir o município”. Lirola alegou que Manu “superou dificuldades”.

Apresentando novo pedido ao prefeito, o líder de bairro afirmou que os moradores do Jardim Santa Rita de Cássia querem um posto de saúde. O antigo foi transferido para o Tanquinho – próximo à localidade – para atender a região.

Também revelou que a população quer que o atual PA seja transformado em pronto-socorro para atendimento de urgência e emergência.

Também representando moradores, o vereador Batista destacou o crescimento da região do Santa Rita. O político citou trechos da infância, para falar sobre a expansão do bairro e da região, e parabenizou o prefeito pelo “cumprimento da promessa de campanha”.

Também enumerou iniciativas promovidas na gestão do prefeito (centro de fisioterapia e ambulatório de curativos), que não haviam sido prometidas, mas cumpridas.

No discurso, Batista declarou que já havia apresentado requerimento ao prefeito solicitando que o serviço fosse ampliado para 24 horas e que o Santa Rita ganhará, em breve, a “Praça da Música”. Também citou que a Prefeitura deverá construir uma escola e uma creche para atender crianças do bairro e entorno.

Solução para demanda

O prefeito iniciou pronunciamento agradecendo o apoio para a implantação do PA e destacando o número de pessoas que vivem na região. Manu disse que o Executivo estudará a possibilidade de estender o horário de atendimento do serviço, para 24 horas.

Conforme o prefeito, a implantação do PA representa a solução de demanda no município. “É simples a matemática. Temos o maior pico no PS das 18h às 20h, porque é o horário em que muitas pessoas chegam do serviço”, iniciou.

Ainda segundo ele, nesse intervalo de tempo, aumenta a procura no ambulatório. “Temos isso estatisticamente comprovado: 70% do atendimento do pronto-socorro são de atendimento ambulatorial”, argumentou.

Desta forma, o PA no Tanquinho vai reduzir a demanda no PS e aumentar a cobertura de serviço na região próxima aos moradores. Os casos de urgência e emergência, porém, continuarão a ser transferidos para o ambulatório.

Para isso, o pronto atendimento contará com uma viatura do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), conforme informou a coordenadora municipal de urgência e emergência, enfermeira Roberta Molonha Machado.

Segundo ela, o maior objetivo do PA é desafogar o pronto-socorro. “O Santa Rita é o terceiro lugar que mais manda atendimentos para o ambulatório”, relatou. Em primeiro, aparece o centro e, em segundo, o CDHU (Conjunto de Desenvolvimento Habitacional e Urbano) “Orlando Lisboa”.

Embora o CDHU esteja “na frente” com relação ao número de atendimentos, o Santa Rita é o bairro que tem maior número de pessoas residindo.

Roberta afirmou que o pronto atendimento é realizado por um médico plantonista, uma enfermeira, um técnico em enfermagem, uma auxiliar de limpeza e um atendente.

“Temos uma pessoa em cada função porque não sabemos ainda a demanda. Conforme a necessidade, vamos aumentando”, relatou.

Segundo ela, nesse primeiro estágio (de início dos atendimentos), o fator primordial é que a população não confunda a UBS com o pronto atendimento.

Caso isso aconteça, o município corre o risco de “perder os programas de saúde oferecidos para a população” – diabetes, hipertensão, entre outros.

Para que isso não ocorra, os profissionais do PA e da UBS repassarão orientações à população nos próximos dias, explicando a importância de cada unidade.

São atendidos no PA casos de febre, infecção de garganta, torção, corte (que exijam curativos) e de dor crônica. Não são atendidos pacientes com hipertensão que perderam consultas no posto de saúde e procurem a unidade à noite.

As pessoas que necessitem de atendimento de urgência e emergência (casos de acidente, fraturas, entre outros) serão transferidas para o PS, por meio da ambulância do Samu. A viatura é do modelo rural e uma das seis da frota do serviço.

Mudanças na saúde

Ainda em discurso, o prefeito afirmou que “a Saúde do município mudou”. Conforme Manu, “já é possível sentir efeitos de melhora no pronto-socorro e em UBSs”.

Conforme o prefeito, os atendimentos estão acontecendo mais rapidamente por conta do convênio com a Santa Casa, para a contratação dos médicos de “retaguarda”.

“A Saúde é a maior meta com a qual eu me comprometi com a nossa população. Nós, passo a passo, vamos colocando e cumprindo as metas”, afirmou.

O prefeito citou ações como o centro de fisioterapia, a central de curativos e anunciou, para breve, a inauguração do novo prédio do Cemem (Centro Municipal de Especialidades Médicas). Também citou a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) e sustentou que as obras ainda não foram entregues por conta de reparcelamento de “dívidas herdadas”.

Manu rebateu críticas atribuídas à oposição sobre o reajuste na Planta Genérica de Valores do Município – que originou discussão na Justiça, aumento do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) e emissão de carnê suplementar.

Conforme ele, não houve manifestações da oposição sobre dívidas herdadas e que, no momento, foram atualizadas pelo prefeito em R$ 40 milhões. “Todos nós vamos pagar essa fatura, mas vamos fazer bonito”, declarou.

Sobre o reparcelamento de obras, o prefeito voltou a falar da reforma e ampliação da Delegacia Central. Manu disse que a atual administração pagou a construtora responsável e que o complexo está “totalmente quitado”.

Por fim, declarou que a administração tem sido um desafio e que está “de peito aberto para um debate com quem quiser”. Alegou, ainda, que, apesar das críticas, “a população acreditou e continua acreditando na administração”.


Publicidade