Prioridade na Alesp será conseguir novo acesso à cidade, diz Gonzaga

    Deputado completa 1 mês na Assembleia e anuncia principais metas

    755
    Deputado Gonzaga avalia os primeiros dias na Alesp (foto: Assessoria do deputado)
    Publicidade
    Alessandra Bonilha, dra
    Liderança Ferramentas
    EleService institucional
    Anglo

    Garantir recursos para o projeto executivo da nova via de entrada e saída da cidade, a partir do complexo viário que interliga a SP-127 e a SP-129, próximo à Guardian, é a prioridade do deputado estadual Luiz Gonzaga Vieira de Camargo (PSDB).

    A O Progresso, na segunda-feira, 4, após completar um mês de mandato na Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo), Gonzaga avaliou esse período de trabalho e destacou estar “trabalhando firmemente” para conseguir o projeto executivo do novo complexo viário.

    Na sexta-feira da semana passada, 1º, Gonzaga se reuniu com diretores da concessionária SP Vias, que administra o trecho, iniciando as tratativas. Para o deputado, o novo trevo de acesso deve trazer mais desenvolvimento para o município.

    “O projeto tem que ser feito pela SP Vias e autorizado pela Artesp (Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Transporte do Estado de São Paulo).

    Se conseguirmos a aprovação do projeto executivo, praticamente, já acontecerá a obra, até porque não justifica o governo prever um investimento e não executar”, salientou.

    Publicidade
    EleService institucional
    Alessandra Bonilha, dra
    Liderança Ferramentas
    Anglo

    Gonzaga ressaltou que a nova entrada é uma “luta” que já estava em tratativas, a pedido da prefeita Maria José Vieira de Camargo.

    “Temos um anel viário pronto para receber os motoristas que vêm da rodovia Castello Branco e de outras localidades pela SP-127 em direção a Tatuí. Então, é de extrema importância que a gente consiga uma nova entrada por este anel viário, para melhorar o fluxo de veículos”, acentuou.

    O investimento total da obra será calculado pelo projeto executivo, contudo, há estimativa de que possa chegar a R$ 15 milhões. Se aprovado, o valor é custeado pela SP Vias, dentro do contrato de concessão.

    Gonzaga explicou que a concessionária faz o investimento, visando aumento no prazo de direito de uso. Ou seja, a empresa aplica o recurso e, com isso, ganha mais tempo para explorar o trecho e recuperar o valor investido na malha viária.

    “Estou animado, porque o governador de São Paulo, João Doria, quer ampliar as concessões. Ele quer que as estradas vicinais, em terra ou asfalto, passem a ser cuidadas pelas concessionárias através de um novo contrato, pois o estado não tem capacidade de investir no momento. Elegi o projeto como prioridade, e vou lutar para conseguir”, acrescentou.

    Gonzaga afirmou que a conquista de novos acessos para a cidade também pode reforçar o potencial turístico, já que Tatuí é MIT (município de interesse turístico) e pleiteia o título de estância turística.

    “Devemos conquistar bons acessos ao município para que as pessoas se sintam bem e achem a cidade interessante. A prefeita já iniciou todo o trabalho paisagístico que tem sido feito com o objetivo de tornar a cidade mais agradável, ter um aspecto melhor, para chamar as pessoas. Este é um dos passos para transformar Tatuí em estância”, salientou.

    O deputado lembrou que os MITs, independentemente da disposição de se tornarem estâncias – objetivo maior da política turística do estado –, podem perder até o título de “Interesse” se não mantiverem dentro dos mais bem avaliados pelo programa.

    “Para pleitear o título de estância turística, que é o sonho da cidade, ela tem que ter uma estrutura adequada. Nós temos uma estrutura hoteleira que a atividade particular desenvolveu e outros pontos relevantes, mas precisamos ter acesso, uma entrada bonita, para que o turista se sinta em um ambiente acolhedor”, salientou.

    Novos investimentos

    O deputado afirmou ter expectativas de que a cidade entre em uma disputa positiva para captar investimentos e trazer novas empresas e empregos. Neste sentido, Gonzaga deve recorrer ao Investe SP, agência paulista de promoção de investimentos.

    Atualmente, o Investe SP é presidido pelo ex-ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira (PSDB), que assumiu as funções no governo paulista no dia 5 de fevereiro.

    “Temos um bom relacionamento com o Aloysio Nunes e pedimos para que ele inclua Tatuí no rol das cidades que têm incentivos fiscais, para receber novos investimentos e novas indústrias”, assegurou.

    Para Gonzaga, com a troca de governos, na esfera federal e estadual, a economia nacional começou a dar sinais positivos. Ele salientou que, com isso, é importante “tentar segurar” as empresas que o município já tem em atividade e “oferecer” a cidade a possíveis novos investidores.

    “Acho que não vai acontecer grandes investimentos agora, até porque se está esperando ver o que vai acontecer com a reforma da Previdência. Mas, temos que nos adiantar. Os investimentos começam com a prospecção de onde investir”, apontou.

    Segundo o deputado, Tatuí perdeu o contato que tinha com o programa estadual e a intenção é retomar as negociações, mostrando que a cidade é atrativa para receber investimentos.

    “Temos todas as condições aqui. Devemos acertar pontualmente a questão do novo acesso e outras demandas, mas estamos em um bom caminho”, acrescentou.

    Demandas regionais

    Ainda no primeiro mês de trabalho, quando a Alesp estava em recesso, Gonzaga se reuniu com representantes de diversas cidades e aproveitou para articular planos e ouvir demandas de lideranças regionais.

    “Muitas emendas e verbas que foram dadas pelo ex-governador Márcio França, no final da gestão dele, foram cortadas. Então, também estamos tentando resgatar. Este foi um dos pedidos dos prefeitos da região”, declarou.

    Desde o dia 3 de janeiro, quando iniciou o terceiro mandato como deputado estadual, Gonzaga teve entre 30 e 40 encontros na Alesp e no escritório político dele, em Tatuí, além de agenda com o governador João Doria, com o vice-governador Rodrigo Garcia, reuniões com deputados estaduais e visitas às secretarias de governo, quando foram apresentadas reivindicações.

    O deputado informou ainda ter outras prioridades. Para a Educação, por exemplo, tem pedido a construção de uma escola de ensino médio para a região do Jardim Santa Rita de Cássia.

    Gonzaga sustentou que também busca recursos para a área da Saúde de Tatuí. Entre elas, para um AME (ambulatório de especialidades médicas), e acrescentou que buscará incluir a Santa Casa de Misericórdia na Rede Hospitalar Metropolitana, um projeto do deputado federal Vitor Lippi, para a RMS (Região Metropolitana de Sorocaba).

    O político salientou que priorizará estas questões durante a gestão, que se encerra em março, e afirmou que, se não conseguir resolvê-las durante este período, poderá deixá-las encaminhadas junto ao governador de São Paulo.

    Gonzaga disputou as eleições para deputado estadual em 2014, obtendo 57.562 votos (30.135 em Tatuí) e era suplente da coligação PSDB-PPS-DEM-PRB para o mandato 2015/2018. Assim, continuará no parlamento paulista até o dia 15 de março, data em que assumem os deputados eleitos em 2018.

    Conservatório

    Durante a entrevista, entre outros assuntos, o deputado falou sobre o Conservatório de Tatuí e lamentou o fato de a instituição ter sido alvo de notícias falsas.

    Gonzaga explicou que, com a transição de governo, ocorreram atrasos nas publicações de decretos de execuções, o que afetou o repasse de recurso ao Conservatório e, consequentemente, o pagamento de salário dos funcionários.

    Com isso, houve especulações, disseminadas por meio de redes sociais, de que a instituição iria “fechar” e “sair” da cidade. Contudo, o deputado desmentiu as notícias.

    “Há uns 45 anos eu escuto esta conversa de que vão fechar o Conservatório. Uma hora vai fechar, outra hora vai mudar. Isso é um absurdo! Cria-se um clima desnecessário. Nosso Conservatório é criado por força de lei. A quem interessaria fechar?”, questionou.

    O deputado acrescentou que ocorreram atrasos em diversos pagamentos que deveriam ser realizados pelo governo do estado. “Não foi só aqui, todas as organizações sociais que tinham para receber, receberam com atraso, em razão desta mudança de governo. Isso é de praxe, é normal e já foi resolvido”, assegurou.


    LEIA MAIS:
    Gonzaga integra a Comissão de Finanças da Assembleia 

    Publicidade
    EleService institucional
    Alessandra Bonilha, dra
    Liderança Ferramentas
    Anglo

    DEIXE UMA RESPOSTA

    entre com sua mensagem
    entre com seu nome