Preços despencam no mercado imobiliário

    403
    Publicidade
    Alessandra Bonilha, dra
    Siltec





    O aumento da oferta imobiliária é observado a olhos nus na região central e bairros da cidade. O número de imóveis disponíveis para aluguel ou venda é cada vez maior. As placas indicam a disponibilidade e a constatação é feita por três de quatro corretores locais, que destacam: está sobrando imóvel e faltando pretendente.

    A situação teria começado há dois anos e se agravado nos últimos três meses, segundo Luís Fernando Simões, que atua no ramo há 20 anos.

    “Não está fácil, e a tendência é que o valor de aluguel, principalmente, caia. Com a redução de vagas de emprego, a procura diminuiu, há imóveis vagos, e a tendência é de que os valores despenquem”, afirmou.

    Para o corretor, nem mesmo a venda de imóveis escapa do atual momento de crise. Ele afirma que os investidores estão duvidosos e poucos estão adquirindo imóveis no momento.

    Publicidade
    Alessandra Bonilha, dra
    Siltec

    “As pessoas estão receosas. Quem está alugando, procura casas mais baratas ou, até, acabam encontrando outras alternativas, como morar com a sogra.”

    O aumento da desocupação de imóveis, na visão do corretor Walter Teixeira, é real e sentido mais fortemente nos últimos 12 meses.

    “Há um ano, a oferta era menor. Hoje, a situação mudou. É preciso baixar o preço, fazer concessões. Há empreendedor que, inclusive, está pagando toda a documentação do imóvel para quem desejar adquirir um apartamento, por exemplo”, comentou.

    Segundo Teixeira, a abertura de novos empreendimentos na cidade – principalmente condomínios com apartamentos compactos e residenciais subsidiados pelo programa social “Minha Casa Minha Vida” – também fez crescer a desocupação.

    “Há várias situações que são refletidas na desocupação: aquelas que compraram seus imóveis, as que estão optando por mudar para casas menores e, também, pessoas que perderam o emprego e mudaram de município”, apontou.

    Na imobiliária de Teixeira, há imóveis que aguardam por aluguel há cinco meses. “Há, também, casa nova pronta há mais de um ano que não sai. A economia não está ajudando”, destacou.

    Outro corretor local, Ricarte Campos, que atua há 30 anos na área, afirma que a desocupação é, de fato, um “ajuste no mercado”.

    “As pessoas estão, mesmo, buscando imóveis mais baratos para economizar. O preço de locação manteve-se e, agora, é preciso negociação, pois as pessoas buscam imóveis de R$ 700 a R$ 1000. Uma economia de R$ 50 ou R$ 100 mensais fará muita diferença no orçamento das famílias”, exemplificou.

    A queda no valor dos imóveis locais é indicada pelo índice Fipe Zap, indicador de preços de imóveis e, atualmente, o principal termômetro do mercado imobiliário brasileiro.

    Segundo o índice, o valor médio do metro quadrado na área central de Tatuí, em fevereiro deste ano, era de R$ 6.739. Em agosto, o índice indicava que o metro quadrado na região era de R$ 3.288.

    Entre os fatores negativos, a entidade citou aumento nas taxas de desemprego e de juros, enfraquecimento do índice de confiança do consumidor, restrições das linhas de financiamento para compradores de imóveis e maiores retiradas dos depósitos de poupança.

    A desaceleração é justificada por conta da crises política, econômica e pelo consequente desemprego. Inseguros, consumidores passaram a hesitar antes de aderir a um crédito imobiliário.

    Temerosos pelo emprego, também veem a inflação corroer a renda e os juros bancários subirem sem cessar. Além disso, a queda no poder de compra impacta até mais no mercado imobiliário que em outros setores da economia, pois a decisão de investimento em um imóvel costuma ser de longuíssimo prazo – entre 20 e 30 anos.

    ‘Nunca valeu o que pediam’

    O correto Cristiano Figueiredo, perito avaliador do setor imobiliário e que atua há quase 20 anos no mercado local, compartilha opinião diferente. Para ele, o fluxo imobiliário está normal ao registrar queda; os valores é que estavam, anteriormente, superfaturados.

    “As pessoas estavam pedindo valores irreais. O proprietário pedir é uma coisa, o mercado pagar é outra. Acredito que vivemos, na verdade, uma crise de avaliação nos últimos dois anos. Hoje, o momento é de baixa de valores”, argumentou.

    Segundo Figueiredo, os valores de aluguel registram queda média de 8% a 15%, variação que depende do bairro onde está localizado o imóvel.

    “Se o bairro não tem produto, o mercado oscila. Para mim, a situação deve se estabilizar até o final do ano, com valores mais próximos dos reais. Na verdade, os imóveis nunca valeram o que estava sendo pedido. Nos últimos dez anos, não pararam de subir e, nos últimos dois, houve um pico irreal, a meu ver. A restrição levou a novas avaliações e à estabilização”, ponderou.

    Moeda forte

    O aumento da oferta é vantajoso para quem estiver disposto a comprar. É possível, com a demanda, negociar descontos impensáveis bem pouco tempo atrás.

    Teixeira é categórico ao afirmar que, havendo a disponibilidade econômica, é sempre indicada a aquisição de imóveis. Ele, assim como Campos, destaca que o investimento é “porto seguro em meio a mercado de incertezas”. “Pode haver boas oportunidades, pois, em meio à crise, muitos crescem”, afirmaram.

    Mais otimista, Figueiredo acredita que o início do ano trará novas oportunidades de negócio em um mercado aquecido. “Há pesquisas sérias que indicam que nosso mercado é promissor e temos, anualmente, um déficit habitacional de mil unidades”.

    “Neste ano, com o lançamento de diversos empreendimentos, esse déficit já foi suprido. Mas, no próximo ano, independentemente de crise política, novas oportunidades surgirão. O imóvel é, ainda, a moeda mais forte que existe”, concluiu.

    X


    Publicidade
    Alessandra Bonilha, dra
    Siltec