Polí­cias Militar e Civil fazem ação com o objetivo de cumprir mandado

722
Publicidade





A Polícia Militar realizou operação para cumprimento de mandados de busca e apreensão domiciliar na segunda-feira, 30, e terça-feira, 1º. No segundo dia, a ação aconteceu em conjunto com a Polícia Civil. No total, três pessoas foram presas.

Na segunda-feira, às 8h20, foi preso em flagrante por posse de arma de fogo de uso restrito Marcelo Rodrigues Brandão, 34, no bairro Rosa Garcia I. Com ele, policiais apreenderam dois simulacros (réplicas) de arma de fogo, uma munição de fuzil e um coldre (suporte para guardar revólver).

Às 9h10 do mesmo dia, no bairro Tanquinho, Reginaldo Ferreira Gonçalves, 23, foi preso por ser procurado pela Justiça. De acordo com a PM, o mandado de prisão foi emitido pelo fórum da cidade de Angatuba, São Paulo.

Policiais civis e militares prenderam, na terça-feira, 1º, às 7h44, no Jardim Tóquio, Wagner Eurico dos Santos, 24, acusado de roubo. De acordo com a PM, a vítima contou que o acusado utilizara uma faca para ameaçá-la e levar R$ 50 e um celular. Na ação desse dia, uma arma de fogo foi apreendida.

Publicidade

Conforme o comandante da 2a Cia., capitão Kleber Vieira Pinto, há algumas semanas, a PM detectou, por meio de análise criminal, um aumento “considerável” no número de roubos.

“Diante dessa constatação, nós achamos por bem efetuar essa operação, cumprindo alguns mandados de busca e apreensão domiciliar”, explicou Kleber.

De acordo com ele, na segunda-feira, 30, a PM cumpriu seis mandados judiciais em diversos locais da cidade, como os bairros Doutor Laurindo, Rosa Garcia I e II, Tanquinho, Tóquio e distrito de Americana.

Os mandados foram expedidos para que a PM comparecesse em locais onde havia indícios de possíveis pessoas relacionadas a roubos, tráfico de drogas, receptação, posse ilegal de armas e “outros delitos”.

A operação de segunda-feira foi feita com aproximadamente 25 policiais militares da 2ª Cia. Segundo o comandante, homens que estavam em serviço e de folga participaram da ação.

De acordo com Kleber, a operação, na segunda-feira, teve início às 6h e terminou por volta do meio-dia. O comandante afirmou que “foi muito importante a operação, apesar de os policiais terem apreendido somente simulacros, e não armas de fato”. “Provavelmente, esses simulacros estavam envolvidos com crimes”, observou.

Na terça-feira, 1o, houve prosseguimento da operação, em que a Polícia Civil também participou. De acordo com Kleber, apesar de somente dois mandados de busca terem sido cumpridos, a operação também durou a manhã toda, devido ao fato de ter ocorrido um flagrante de roubo.

“Tem alguns locais, ainda, que nós estamos efetuando levantamentos para possíveis operações futuras, visando sempre à diminuição do número de roubos e furtos na cidade, tráfico de drogas, enfim, crimes em geral”, salientou o comandante.

Conforme ele, a PM está frequentemente cumprindo mandados judiciais, “e sempre que os policiais tiverem informações e subsídios para solicitar esses documentos, farão mais operações que resultem em prisões e apreensões”.

Kleber afirmou que a ação foi “muito boa”, devido às três prisões e apreensões da arma e dos simulacros. “A gente sabe que as réplicas são armas usadas para roubos por criminosos. A vítima não sabe distinguir o que é arma real e o que não é. Então, foi muito positiva a apreensão”, sustentou.

De acordo com o comandante, a operação também pode ser vista como ação preventiva à população. Ele afirmou que, com a PM agindo em buscas e apreensões, os criminosos se atentarão ao fato de que os policiais estão “em cima, e que quaisquer indícios de infração em residências haverá mandados”.

Segundo Kleber, é importante a colaboração da população para que a ordem pública seja preservada e as operações continuem acontecendo.

“Eu peço sempre que denunciem, por telefone (190), indo no quartel. A minha sala está sempre aberta para pessoas de bem, que queiram fazer denúncias”, frisou.

O comandante salientou que é importante as pessoas passarem informações com detalhes, para que a PM possa averiguar os casos e solicitar mandados, se for necessário.

De acordo com Kleber, os policiais precisam da ajuda da população para tomar providências, porque “não podem tudo sem a ajuda da comunidade”. As pessoas que informarem sobre qualquer indício de crime terão os nomes preservados.

Segundo o comandante, não há planejamento padrão para as formas de atuação da PM em casos de cumprimentos de mandado. “Em cada um, nós sentamos, planejamos e discutimos antes, sobre qual será a forma de atuação”, observou.

Na operação de segunda-feira, os seis mandados de busca e apreensão foram cumpridos simultaneamente, para não acontecer “vazamento” de informações. Segundo o comandante, com a tecnologia na comunicação, as pessoas ficam sabendo em tempo real de ações da PM.

Visando ao sucesso da operação e para pegar as pessoas envolvidas nos mandados de forma desprevenida, segundo Kleber, é importante que os policiais estejam atentos para que não percam o objetivo da operação, com vazamento de informações.


Publicidade