Parecer adia acordo com empresa para realizar auditoria na Sta. Casa

Poder Legislativo quer contratar serviço especializado para auxiliar CEI

167
Publicidade
Da reportagem

Autorizada pelos vereadores, por meio do projeto de resolução 01/20, de autoria da mesa diretora, no dia 2 de março, o Poder Legislativo ainda não contratou empresa para realizar auditoria na Santa Casa de Misericórdia.

A contratação de uma instituição especializada na área de auditoria administrativa e financeira, em âmbito hospitalar, tem objetivo de auxiliar a CEI (comissão especial de inquérito), criada em 16 de dezembro do ano passado, que apura supostas irregularidades na administração do hospital.

A expectativa era de que o presidente da Câmara Municipal, Antonio Marcos de Abreu (PSDB), confirmasse a contratação nesta semana. No entanto, segundo a assessoria dele, o presidente aguarda um parecer da procuradoria legislativa para formalizar o acordo. O nome da empresa não foi revelado.

De acordo com o diretor-geral administrativo da Câmara, Adilson Fernando dos Santos, o edital para contratação da empresa estava pronto em março, no entanto, a pandemia acabou retardando o processo.

Santos afirmou que a Câmara cotou valores de empresas especializadas para ter uma base de preços antes da abertura do edital. Após a realização da auditoria no hospital tatuiano, a CEI – formada pelo presidente Rodnei Rocha (PSL), o relator Alexandre de Jesus Bossolan (PSDB) e Jairo Martins (PSD) – tem até dezembro para concluir o relatório.

Publicidade

A O Progresso, Rocha lembrou que, quando a comissão fora instituída, ele solicitou ao presidente a contratação de uma empresa capacitada para realizar a auditoria e que os vereadores acompanhassem os trabalhos.

O parlamentar reconhece que o período de 69 dias, entre os meses de março e maio, no qual as atividades do Legislativo permaneceram suspensas devido à pandemia, atrapalhou o andamento da investigação.

Rocha afirmou ter aceitado a presidência da CEI porque espera “conseguir apresentar uma solução aos problemas da Santa Casa”. “Minha intenção é que, se alguém deve, vai ter de pagar diante da lei. Não vou passar pano para ninguém, pois, se alguém fez algo errado, terá de arcar com a responsabilidade”, declarou o vereador.

A CEI investiga o hospital desde 2005 até a administração atual. A comissão busca averiguar “a situação econômica, a elevação de dívidas, inúmeros documentos comprobatórios, eventuais irregularidades e omissões de esclarecimentos”.

A intenção é que a comissão conclua os motivos pelos quais a Santa Casa perdeu as CNDs (certidões negativas de débito). O selo é um dos requisitos para que a unidade de saúde possa receber recursos públicos.

No final do ano passado, o Conselho Municipal de Saúde de Tatuí (CMST) solicitou, junto ao Ministério Público, auditoria contábil nas contas da Santa Casa. O pedido foi protocolado no dia 18 de novembro, na Promotoria de Justiça de Tatuí.

Segundo o presidente do CMST, Cláudio Antônio Machado Campos, a justificativa para a solicitação partiu dos balanços apresentados ao órgão pela prefeitura, referentes aos débitos da Santa Casa.

Eles apontam que, no ano de 2008, a dívida era de aproximadamente R$ 12 milhões e, até julho deste ano, haviam ultrapassado os R$ 31 milhões.

No início do mês de dezembro de 2019, o parlamentar Nilto José Alves (PRTB) afirmou que recebera um documento da interventora do hospital, Márcia Aparecida Giriboni de Souza, informando-o de que, naquele momento, a dívida era de R$ 31.752.307,98.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

entre com sua mensagem
entre com seu nome