‘O Progresso’ inicia concurso de Natal

Jornal reitera parceria com Educação municipal e programa entrega de convites

13170
Concurso premia alunos em redação e desenho, como o acima, um dos vencedores do ano passado
Publicidade

O jornal O Progresso iniciou os preparativos para a realização do tradicional Concurso Artístico e Literário de Natal. Em sua 23a edição, o certame voltado a alunos do ensino fundamental (de escolas públicas e particulares) voltará a contar com apoio da Secretaria Municipal de Educação.

A titular da pasta, professora Marisa Aparecida Mendes Fiusa Kodaira, reiterou suporte para a realização do evento. Em encontro no dia 23 de agosto com a organização do concurso, a secretária enfatizou que a iniciativa é muito importante por promover o envolvimento entre professores e alunos.

O concurso recebe inscrições nas modalidades desenho e redação, com premiações aos vencedores. A escolha dos trabalhos é feita por um corpo de jurados formado por profissionais de renome em suas respectivas áreas.

A comissão avalia critérios como originalidade e respeito ao tema. Neste ano, o concurso traz novamente assunto específico. Os trabalhos devem ser produzidos respeitando o tema “Tatuí no Natal”, proposto aos professores em convites.

No total, 44 instituições de ensino receberão as cartas de participação. As correspondências são endereçadas aos coordenadores pedagógicos e aos diretores das unidades.

Publicidade

Podem participar alunos do primeiro ao nono ano do ensino fundamental, com um desenho e uma redação, os quais devem ser enviados pela direção da escola, professores ou pelos próprios alunos, até o dia 20 de outubro, à praça Adelaide Guedes, 145.

Na modalidade redação, não há exigências prévias. Os alunos podem escrever em qualquer estilo literário (poesia, conto ou crônica), desde que respeitando o tema. Na modalidade desenho, os trabalhos devem ser enviados em papel sulfite tamanho A4 (21 cm X 29 cm), também obedecendo ao tema.

No verso de cada trabalho, seja desenho ou redação, deverão constar os seguintes dados: nome completo do aluno, idade, ano em que estuda (1º ao 9º ano), além do endereço completo e telefone, os nomes da escola e professores.

Em caso de ausência das informações, os trabalhos serão automaticamente desclassificados. Sem os dados, a comissão organizadora não pode encaminhar os trabalhos para análise dos jurados e convocar os vencedores para premiação.

Os autores dos trabalhos vencedores receberão prêmios em dinheiro. No total, serão oferecidos R$ 2.000, distribuídos para os vencedores de cada dois anos, que receberão R$ 250 cada (salvo no caso dos três últimos anos, englobados em um mesmo grupo).

Desta forma, o vencedor em desenho e o vencedor em redação entre o primeiro e o segundo ano ganham R$ 250 cada; o primeiro entre o terceiro e o quarto, nas duas categorias (texto e desenho), outros R$ 250; entre o quinto e o sexto ano, mais R$ 250; e, finalmente, entre o sétimo, oitavo e nono ano, que estarão englobados em grupo único, outro igual prêmio em dinheiro.

Os três melhores trabalhos de cada categoria serão reproduzidos em edição especial de O Progresso que circulará no dia 24 de dezembro. Na data, além dos desenhos e redações vencedoras, serão constados os nomes dos professores e das escolas nas quais os alunos produziram os trabalhos.

Para a secretária da Educação, as menções dos nomes dos educadores e das instituições representam reconhecimento pela colaboração dos professores. Marisa destacou que a iniciativa do jornal é considerada importantíssima, por promover o envolvimento do corpo docente das unidades.

Iniciativa estimula interação, diz secretária da educação (foto: Brunno Vogah)

Ela ressaltou que os professores de língua portuguesa e de artes costumam trabalhar muito bem o tema em sala de aula. “É um momento rico, de pesquisa, e parece que acontece uma interação maior ainda por conta do concurso. Acontece um estreitamento maior entre os alunos e os professores”, argumentou.

Segundo a secretária, o concurso também estimula as crianças e os professores a afinarem o processo de aprendizado. “Vi nas salas de aula que, quando os alunos terminavam o trabalho, corriam mostra-los para as professoras. E as professoras, então, apresentavam algumas sugestões”, relatou.

Mais que envolvimento entre discentes e docentes, Marisa avaliou que o concurso representa um momento no qual todo o conteúdo programático das disciplinas de português e artes é revisto.

Isso porque os professores destas matérias conseguem trabalhar tudo o que desenvolveram ao longo dos anos, por meio do concurso, seja no aspecto da escrita, seja nas técnicas de desenho.

Para a secretária, no entanto, um dos aspectos mais importantes do Concurso Artístico e Literário de Natal é o estímulo para a autoestima dos alunos. Ela acrescentou que, ao premiar alunos de escolas públicas e particulares, o jornal está dando oportunidades iguais para todas as crianças.

“É muito gostoso ver que há uma participação de todos os estudantes, mas maciça das escolas públicas. E também ressalto que os nossos alunos da rede esperam pelo concurso do ‘Progresso’. Ele é muito aguardado, gera uma expectativa grande. Os nossos alunos gostam e têm prazer em participar”, concluiu.

Criado em 1995, o certame cultural de Natal visa revelar novos talentos e estimular a criatividade. Ele é realizado com apoio de patrocinadores, que cedem os valores em dinheiro aos vencedores.

Publicidade