“Noite da Seresta” inicia temporada 2020 com Raquel Prestes na sexta-feira

Evento no MHPS marcará lançamento de livro e homenagem à escritora

464
Pedagoga e escritora tatuiana Raquel Prestes (foto: AI Prefeitura)
Publicidade
Da redação

Nesta sexta-feira, 6, às 19h, o Museu Histórico “Paulo Setúbal”, equipamento de cultura da prefeitura, em parceria com o Grupo Seresteiros com Ternura, promove o início da temporada 2020 do projeto “Noite da Seresta com Ternura”.

O evento celebrará o mês da mulher e contará com homenagem à professora e escritora Raquel Prestes, que, na ocasião, lançará o livro “História para um Boi Dormir”, com sessão de autógrafos para aqueles que adquirirem um exemplar.

A exposição de fotos sobre a vida de Raquel ficará disponível para visitação até o dia 29 de março, sempre de terça-feira a domingo, das 9h às 17h.

A exposição faz parte do projeto “Ilustres Tatuianos”, uma ação colaborativa entre o museu e o Grupo Seresteiros com Ternura, que foca na tradição seresteira, considerada grande manifestação da cultura brasileira.

Nos anos de 2018 e 2019, o projeto prestou homenagem a 18 personalidades tatuianas e, para este ano de 2020, mais 11 personalidades estão previstas para receberem as homenagens, fazendo parte do acervo do museu.

Publicidade

O MHPS fica na praça Manoel Guedes, 98, centro. Mais informações pelo telefone 3251-4969 ou pelo e-mail museupaulosetubal@tatui.sp.gov.br.

Homenageada

Raquel Prestes Ferreira de Morais, professora e escritora, nasceu em Santo André, no dia 11 de julho de 1972. Mudou-se para Tatuí em 1979, estudou no Sesi e cursou magistério na escola estadual “Barão de Suruí”.

Casou-se em 1994, com Antônio Edson de Moraes, e, do enlace, nasceu o filho João Vitor Ferreira de Morais, “grande responsável por despertar a veia artística da mãe”.

Raquel é licenciada em pedagogia pela Faculdade Asseta de Tatuí e em artes visuais pela Unimes (Santos). Também é pós-graduada em educação infantil pela Universidade Castello Branco.

De 1997 a 2019, atuou como coordenadora pedagógica de educação infantil da rede municipal de educação em Tatuí. Em 2020, assumiu a direção da creche-escola “Sérgio Iazzetti Martins Proença”, no bairro Inocoop.

Raquel iniciou na carreira para contar histórias ao filho, em 2000, quando ele ainda tinha três anos de idade, e, desta forma, deu início aos registros das histórias que contava. Após essa fase, o dom pela ilustração foi se apresentando.

O processo criativo foi estimulado pela família, que incentivou a publicação das obras literárias para a linguagem infantil. “A criatividade foi ampliando-se ao conviver diariamente no universo infantil e, devido a essa vocação, tornou-se escritora e ilustradora de literatura infantil”, conforme divulgado pela assessoria de comunicação da prefeitura.

As inspirações para Raquel são a escritora ítalo-brasileira Eva Furnari e o ilustrador André Neves. Eva tem mais de 60 livros publicados e é admirada por escrever e ilustrar os próprios livros, enquanto Neves tem o reconhecimento pelo “traçado muito rico em detalhes”.

Atualmente, Raquel tem seis livros publicados: o primeiro é “O Menino Passou por Aqui”, lançado pela editora Petra, apoiado pelo Proac 2006.

A obra conta a história de um garoto que “explora o mundo ao redor, conhece espaços, brinca e, ao final, encontra os pais, em alusão ao apoio e à segurança que estes representam para os filhos”.

A segunda obra é “Vamos Jogar?”, publicado pela editora Novha America, 2007, com ilustração de Jefferson Galdino. O livro tem o tema “inclusão” e conta a história de um polvo que convida um personagem para jogar bola, porém, percebendo alguma dificuldade por parte do amigo, encontra um meio criativo de viabilizar a brincadeira.

“Ovelha Raquel”, publicado pela editora Novha America, em 2008, é o terceiro livro da autora e narra a saga de Raquel, “que vivia insatisfeita consigo mesma e buscava por diversas formas ser aceita entre os seus”.

Além disso, foram publicadas as obras: “As Mães Nunca são Iguais”, editora Adonis, 2016, que “trata de forma terna o amor das mães em sua diversidade”; “O Senhor Compratudo”, editora Adonis, 2018, “que ressalta a questão se o dinheiro pode comprar a felicidade, a liberdade e a natureza”.

E a mais nova obra, “História para um Boi Dormir”, editora Sowilo, 2020, uma narrativa ilustrada com carimbos de formas geométricas, “que faz o pequeno leitor ser introduzido de maneira divertida a alguns princípios da matemática”. A obra narra a história do Boi Jovino, que sofre de insônia.

Durantes os anos de carreira, a autora ainda coleciona participação em bienais e exposições. Em 2010, a pedagoga e escritora registrou presença na 21ª Bienal Internacional do Livro, em São Paulo.

Já em 2013, com o objetivo de estimular a literatura infantil, por meio de contação de histórias, Raquel foi voz do projeto “Passa Balaio Trançado de Sonhos”.

Em abril de 2015, realizou, no Museu Histórico “Paulo Setúbal”, a exposição “Caixas, Caras e Caretas”, e, em 2018, as publicações dela foram tema para a participação da Apae Tatuí no desfile cívico do aniversário da cidade.

Publicidade