Município terá projeto objetivando reduzir distorções na alfabetização

Iniciativa anunciada pela prefeita deverá ser criada em parceria com IAS

905
Prefeita Maria José e secretária da Educação, Marisa Kodaira, reuniram-se com os membros do IAS (foto: AI Prefeitura)
Publicidade

Melhorar a gestão escolar, mirando no aumento da qualidade do ensino. Este é o objetivo de parceria que está em vias de ser efetivada pela Prefeitura com o IAS (Instituto Ayrton Senna). O passo mais significativo para união aconteceu na quarta-feira da semana passada, 12.

Na data, a prefeita Maria José Vieira de Camargo esteve em São Paulo para a primeira reunião que visa à criação de um trabalho no município. Ela visitou a sede da entidade, onde tratou do andamento do processo de implantação de um projeto cuja finalidade é reduzir distorções na alfabetização.

Segundo Maria José, o encontro representou o início do projeto de gestão na alfabetização. Ele será voltado à melhoria da escolarização de estudantes do terceiro ano do ensino fundamental e, conforme os planos, entrará em vigor no ano que vem.

Por meio da Secretaria Municipal da Educação, a Prefeitura quer, já a partir do primeiro semestre do ano letivo de 2018, envolver professores, coordenadores e diretores.

A intenção é possibilitar a formação dos profissionais, de modo a permitir que os alunos dos primeiros anos do ensino fundamental estejam alfabetizados e sem dificuldades no aprendizado.

Publicidade

Maria José conversou com a equipe do IAS acompanhada das secretárias municipais Marisa Aparecida Mendes Fiusa Kodaira (Educação) e Juliana Rossetto Leomil Mantovani (Planejamento e Gestão Pública).

Alessandra Vieira de Camargo Teles (representando o projeto “Abrace Tatuí”, do Fusstat – Fundo Social de Solidariedade) também participou da reunião.

As quatro conversaram com o gerente de projetos, gestão e políticas de aprendizagem do IAS, Carlos Henrique Cibella. Ele atua na diretoria de educação da entidade e explicou que o projeto a ser implantado na cidade terá como foco a formação dos servidores da Educação, em especial, os professores.

“Eles (o instituto) têm vários projetos, mas, em Tatuí, vamos desenvolver uma ação específica”, antecipou a prefeita. Ela informou, ainda, que a parceria representa a conclusão de um projeto de governo e tem sido elaborada desde novembro do ano passado, quando iniciou reuniões com o IAS.

Durante o prazo, a prefeita afirmou que “a equipe de governo esteve empenhada em demonstrar não só interesse pela parceria, mas empenho em viabilizar a ação”. Maria José destacou, também, que a Prefeitura está prestes a obter um feito: o de fazer parte das cidades atendidas pelo instituto.

“O IAS não estava em municípios pequenos, mas nos Estados e em ações abrangentes e maiores. No Estado de São Paulo, por exemplo, o instituto tem projetos em quatro municípios apenas. E Tatuí pleiteou e, graças a essa negociação que estamos realizando, vamos ter suporte pedagógico”, ressaltou.

A primeira ação do IAS na cidade será na melhoria da alfabetização. Maria José disse que, no município, assim como em boa parte do país, ocorrem distorções do aprendizado. “Há casos de crianças que estão na escola, no terceiro ano do ensino fundamental, mas ainda não estão alfabetizadas”, destacou.

O projeto permitirá aos professores novos instrumentos para trabalhar com a defasagem no aprendizado. Além dos docentes, deverão passar por capacitações os coordenadores pedagógicos e diretores.

“Vamos trabalhar intensamente com os alunos em defasagem para que eles não sofram as consequências para o resto da vida. Então, na quarta-feira, 12, houve o coroamento do nosso trabalho de longo prazo”, ressaltou Maria José.

Em Tatuí, o Instituto Ayrton Senna deve desenvolver o projeto denominado “Terceiro Ano”, pelo qual pretende reduzir os índices de distorção idade-série e de estudantes ainda não alfabetizados após o terceiro ano do ensino fundamental.

Por meio dele, propõe práticas que “revertam dificuldades de aprendizagem”. O objetivo é impedir que novos alunos entrem em defasagem, ao mesmo tempo em que pretende ampliar as práticas de letramento.

Por meio do projeto, o instituto não sugere aumento da carga de conteúdos trabalhados com as crianças, mas “instiga para uma mudança na maneira como ele é trabalhado”.

Com apoio do instituto, professores serão capacitados a desenvolverem atividades “desafiadoras”, a serem propostas em aula, “despertando nos alunos a curiosidade científica e estimulando a formulação de perguntas e hipóteses”.

Para a melhoria do desempenho dos alunos nos anos iniciais, o instituto também oferece, às secretarias parceiras, um suporte de gestão para o alcance de quatro metas específicas do PNE (Plano Nacional de Educação), datado de 2014.

São elas: universalização da educação infantil na pré-escola, garantia de conclusão do ensino de 95% dos alunos, alfabetização de todas as crianças até o terceiro ano e redução da distorção idade-série para 5%.

Publicidade