Mostra de Giorge de Santi é 1ª a usar tecnologia de ponta

395
Publicidade





Com inauguração agendada para a noite desta sexta-feira, dia 8, a exposição do fotógrafo Giorge de Santi promete surpresas para o público que passar pela região do MHPS (Museu Histórico “Paulo Setúbal”). A mostra denominada de “Ocupa 015” é a primeira da cidade a usar tecnologia de ponta.

Trata-se do chamado “TagPoint”, um recurso anunciado com potencial de “mudar o mundo como as pessoas o conhecem”. Ele consiste na instalação de um dispositivo (batizado de TagPoint Beacon) responsável por enviar conteúdo para “smartphones” e “tablets”. A transmissão é feita por sinal Bluetooth 4.0 e baseada na localização do dispositivo. Em Tatuí, ele ficará no museu.

Segundo explicou o artista, o conteúdo será enviado para as pessoas gratuitamente e “sem que elas precisem fazer nada”. Basta aproximar-se do local onde será instalado o TagPoint. A área do entorno do museu, onde a exposição fotográfica será exibida, será transformada numa “TagPoint Zone”.

Giorge mencionou que não é necessário fazer nenhum tipo de ação no aparelho para receber as informações. A tecnologia dispensa “downloads” de aplicativos.

Publicidade

“Basta chegar próximo e o dispositivo se comunica com você”, contou. A única exigência para receber conteúdo é que a pessoa tenha um equipamento com capacidade para sinal Bluetooth 4.0 e que o mesmo esteja habilitado.

Em Tatuí, o equipamento será utilizado para dar ao público informações adicionais sobre a mostra que retrata, pela primeira vez numa apresentação do gênero (fotografia), o cotidiano e os progressos das ocupações artísticas realizadas em São Paulo.

A exposição tem foco especial na “Casa Amarela”, considerada uma das principais ocupações artísticas da capital. O espaço de troca de conhecimento é, também, chamado de “Quilombro Afroguarany Casa Amarela”.

Nesse novo trabalho, Giorge busca aguçar novos olhares e perspectivas de quem passar pela praça “Manoel Guedes”, que abriga o museu. A intenção está presente na escolha do local de exposição o subsolo (também conhecido como portão) e na aplicação da tecnologia de comunicação para interação.

Para a inauguração, o artista prepara programação especial que junta arte e intervenções. O evento tem início às 20h, com a visitação e circulação por entre as obras.

Ocupa 015 leva esse nome para marcar o ano de 2015, em que o fotógrafo participou da residência na ocupação Casa Amarela, do casarão localizado na rua Consolação. Giorge vivenciou a experiência artística durante 14 meses, visitando o espaço com uma frequência de três a quatro dias por semana.

É esse movimento cultural no casarão, realizado por um coletivo de artistas, que é retratado na exposição. Em fotos, de Santi revela o trabalho dos profissionais, tanto de suas obras, como de projetos sociais nos quais inserem diálogo e ações com as populações que vivem em locais ociosos, dando-lhes voz.

Outro diferencial diz respeito ao material utilizado na mostra, como folhas sulfite de material base para impressão de fotos e informativos e jogos de luzes rústicos. A intenção é “trazer a simplicidade” e evidenciá-la num local insólito: o porão do museu. O resultado pode ser visto até o dia 7 de agosto.


Publicidade