Moradores de rua recebem orientações sobre Covid-19

Equipe promove abordagem social; 54 pessoas são abrigadas

221
Ação das equipes da Secretaria de Trabalho e Desenvolvimento Social
Publicidade
Siltec
Da redação

A Secretaria de Trabalho e Desenvolvimento Social intensificou as “abordagens sociais” nestes dias. Equipes têm procurado ajudar e orientar as pessoas em situação de rua sobre as formas de evitar a disseminação do Covid-19 e convencê-las a aceitar acolhimento.

De acordo com a pasta, as abordagens sociais são realizadas durante todo o ano, mas as ações com orientação sobre o coronavírus começaram na semana passada – depois da primeira notificação de suspeita no município.

Na segunda-feira, 16, à noite, e na terça-feira, 17, de manhã, equipes da Casa de Apoio Irmão de Rua e do Creas (Centro de Referência Especializado de Assistência Social) saíram às ruas para conversar com as pessoas em situação de vulnerabilidade.

Nos dois primeiros dias, 54 pessoas foram acolhidas na Casa de Apoio. O secretário do Trabalho e Desenvolvimento Social, Alessandro Bosso, afirma ainda existirem pessoas em situação de rua no município, além dos usuários de drogas e bebidas, que têm casa, mas não querem sair das ruas.

A casa de passagem intensificou todas as rotinas de higiene e, como medida preventiva, está acomodando os novos acolhidos em um espaço separado.

Publicidade
Siltec

Além de moradia e cuidados de higiene pessoal, a casa oferece alimentação, guarda de pertences, provisão de documentação e atendimento psicossocial, entre outros serviços.

Desde quarta-feira da semana passada, 18 – com novas determinações do Ministério da Saúde para o enfrentamento da doença -, as equipes sociais foram colocadas de plantão na rodoviária, em seis horários diferentes, para abordar os migrantes.

Segundo o departamento, 15 pessoas foram abordadas e a equipe social forneceu passagem para que elas continuassem os trechos. Já na quinta-feira, 19, outros 13 migrantes foram atendidos e receberam passagem para seguir viagem.

Na sexta-feira, 20, o número de migrantes que chegaram à cidade caiu, e somente uma pessoa precisou receber atendimento. Já nesta semana, além de continuar com ações na rodoviária, as equipes passaram a qualificar as pessoas nas ruas. Aqueles que têm famílias passaram a ser conduzidos para casa.

Na segunda-feira, 23, a secretaria realizou nova ação em conjunto com a Guarda Civil Municipal nos pontos de maior incidência e aglomeração de pessoas em situação de rua. Segundo as equipes, poucas pessoas foram encontradas e uma aceitou ir para o acolhimento.

“As pessoas em situação de rua que se recusaram a ir para o serviço foram orientadas sobre a pandemia do coronavírus e a necessidade de não ficarem aglomerados. A equipe também orientou a evitar o compartilhamento de objetos pessoais e sobre a higiene, que, claro, que fica bem deficitária estando nas ruas”, acrescentou Bosso.

Além da ação voltada aos moradores de rua, os serviços de abordagem estão orientando os munícipes, principalmente os idosos que se encontram em espaços públicos, falando sobre a gravidade e o risco de estarem circulando nas ruas.

O órgão informa que as abordagens e orientações permanecerão acontecendo diariamente, mesmo com os serviços dos Centros de Referências temporariamente fechados por conta da determinação do decreto municipal 20.568.

A medida, assinada pela prefeita Maria José Vieira de Camargo na sexta-feira, 20, suspendeu o atendimento presencial ao público nas unidades administrativas da prefeitura, por prazo indeterminado.

Permanece o atendimento pelo telefone. Para informações sobre o Cadastro Único e Bolsa família, deve-se ligar para o 3259-0266; o Cras atende pelo 3305-1841; e os serviços do Creas funcionam pelo 3259-0704.

Publicidade
Siltec