Moção de apoio para ministro tatuiano do STF sofre rejeição

293
Publicidade
Siltec

A maioria dos vereadores rejeitou a moção 491/18, apresentada por Eduardo Dade Sallum (PT), durante a sessão ordinária da Câmara Municipal de terça-feira, 12. A matéria era endereçada ao Supremo Tribunal Federal (STF), em nome do ministro Celso de Mello, natural de Tatuí.

A moção de aplausos e congratulações recebeu apenas sete assinaturas, número insuficiente para que fosse aprovada pela Casa de Leis.

Em vídeo que circula nas redes sociais, o deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do candidato à presidência Jair Bolsonaro e parlamentar que recebeu o maior número de votos nesta eleição, no domingo, 7, comenta que, para fechar o STF, bastariam “um cabo e um soldado”.

Na afirmação do deputado, feita antes do primeiro turno, ele acrescenta que, se o STF tentasse impugnar a candidatura do pai, teria “que pagar para ver o que acontece”.

Posteriormente, o próprio candidato, Jair Bolsonaro, “desautorizou” as afirmações de Eduardo e sustentou que partes da gravação haviam sido divulgadas “fora de contexto”.

Publicidade
Siltec

Em declaração ao jornal Folha de São Paulo, na segunda-feira, 22, o ministro Celso de Mello definiu as declarações de Eduardo Bolsonaro como um “ato irresponsável e golpista”.

Ainda conforme o ministro, a afirmação demonstra a visão autoritária do parlamentar, comprometendo a integridade da ordem democrática e o respeito invariável que se deve ter pelo STF.

De acordo com a assessoria de Sallum, pela primeira vez na história, uma moção endereçada a uma grande personalidade nascida na cidade foi rejeitada.

Publicidade
Siltec