Meu Boizinho

232
Publicidade
Raymundo Farias de Oliveira

Vivo longe

muito longe

de minha terra natal.

Lonjura que se perde

no tempo e no espaço…

Publicidade

Longe do brinquedo

feito por minha mãe,

o único que ela podia me dar.

Ainda me lembro dele.

Um maxixe espetado

em quatro palitinhos

de fósforo…

O boizinho do meu tempo…

Obrigado, minha mãe!

Publicidade