Inscrições abertas para a 7ª Feira do Doce

    Produtores devem ir ao Departamento de Turismo; número de expositores é limitado

    564
    Feira do Doce acontecerá entre os dias 6 e 9 de julho (foto: AI Prefeitura)
    Publicidade
    EleService institucional
    Alessandra Bonilha, dra
    Liderança Ferramentas
    Siltec
    Anglo

    Pela Secretaria de Esporte, Cultura, Turismo, Lazer e Juventude, a prefeitura publicou, nesta semana, o edital de chamamento para a seleção de produtores de produtos interessados em participar da 7ª Feira do Doce. O número de expositores é limitado em 50.

    As inscrições começam na segunda-feira, 15, e seguem abertas até o dia 3 de maio. Elas devem ser realizadas diretamente no Departamento de Turismo, junto ao Centro Cultural, na praça Martinho Guedes, 12, centro, das 9h às 17h.

    Os interessados devem estar devidamente formalizados, com CNPJ, e comprovadamente instalados no município. O edital está disponível na internet, pelo link http://tatui.sp.gov.br/chamamentos. Mais informações pelo telefone (15) 3259-4135.

    O período de inscrições marca o início oficial dos preparativos para a festa gastronômica. A programação do evento, considerado o maior do interior paulista voltado à venda de doces, está sendo definida desde janeiro e, neste ano, deve manter-se com quatro dias de duração.

    As informações são do secretário da pasta, Cassiano Sinisgalli. A feira está agendada para os dias 6, 7, 8 e 9 de julho, sábado, domingo, segunda-feira e terça-feira, respectivamente. O último dia é feriado estadual, em celebração à Revolução Constitucionalista de 1932.

    Publicidade
    Alessandra Bonilha, dra
    Anglo
    Liderança Ferramentas
    EleService institucional
    Siltec

    O período da feira deve-se a pedido da Aprodoce (Associação dos Produtores de Doce de Tatuí), apresentado no começo deste ano, em reunião entre o secretário, membros da entidade e a prefeita Maria José Vieira de Camargo.

    “Na reunião, apresentamos a data que já havia sido previamente definida no ano passado, durante a avaliação do resultado da sexta edição da feira, e decidimos manter os quatro dias, porém, com uma alteração: neste ano, começaremos o evento no sábado”, contou.

    De acordo com o secretário, a intenção é aumentar o volume de vendas, aproveitando o movimento do feriado, assim como já havia sido feito no ano passado. Para ele, o resultado obtido na edição anterior, com os quatro dias de festa, “superou as expectativas”.

    Relatório divulgado pela secretaria no ano passado, após a 6ª Feira do Doce, mostra que a festa de 2018 movimentou mais de R$ 600 mil, o que representou aumento de 20% no total das vendas em comparação a 2017.

    Conforme o relatório, durante a feira – que, pela primeira vez, teve quatro dias de duração –, os expositores somaram a venda de 190.396 unidades, aumento de 16,7% em relação ao ano anterior, quando foram vendidos 163.081 doces.

    O levantamento mostra, ainda, que, além do crescimento na arrecadação, com o consequente aumento nas unidades de doces vendidos, o evento agregou novos expositores e contabilizou público recorde.

    Estiveram à disposição mais de 250 tipos de doces, divididos em alas temáticas: finos, tradicionais e artesanais, de festa e sobremesas, churros, crepes e pastéis; produtos de milho, bolos e tortas, chocolates, bebidas e brigadeiros “gourmet”.

    Quanto ao público, o crescimento foi de 12,5%. Em 2017, cerca de 80 mil pessoas passaram pela praça e, em 2018, a feira atraiu em torno de 90 mil visitantes, reunindo não apenas os consumidores habituais, mas, principalmente, novos visitantes.

    “As vendas do feriado nos surpreenderam muito. Mais de 90% dos produtores disseram que o volume vendido se equiparou com o de domingo, que, normalmente, é o dia de maior movimento”, salientou o secretário.

    No ano passado, a gastronomia doceira esteve presente em 54 estandes, somando 51 produtores. Ainda houve uma barraca do Fusstat (Fundo Social de Solidariedade) e duas tendas oferecendo oficinas de “cupcakes” para as crianças.

    Para Sinisgalli, atualmente, a Feira do Doce é o evento mais importante do município. Ele ressaltou que, além de movimentar o comércio, também fomenta todo o ‘trade’ turístico: restaurantes, hotéis, bares, lanchonetes e outros segmentos.

    “Os visitantes passam pela praça para comer o doce e, depois, procuram um salgado, um restaurante para almoçar e ainda aproveitam para ver as lojas e fazer algumas compras, além dos próprios produtores, que também movimentam o comércio, comprando materiais e embalagens para as vendas”, observou.

    O secretário ainda destacou que o festival de música deste ano chega à terceira edição e deve trazer novidades.

    “Estamos fechando uma parceria com o Conservatório, e teremos, pelo menos uma vez por dia, uma apresentação com algum grupo de lá. Além disso, continuaremos com o repertório variado de hora em hora, com apresentações das 10h às 22h”, reforçou.

    Conforme a assessoria de comunicação da prefeitura, o objetivo principal do evento é valorizar os produtores de doce do município e “promover a cidade turisticamente como a Terra do Doce Caseiro, que, desde 1952, vem fazendo história nesse segmento”.

    O evento é considerado o maior do segmento gastronômico doceiro do interior paulista e está incluído no Calendário Turístico do Estado de São Paulo, pela lei 15.844/2015.

    Publicidade
    Liderança Ferramentas
    Anglo
    Siltec
    Alessandra Bonilha, dra
    EleService institucional

    DEIXE UMA RESPOSTA

    entre com sua mensagem
    entre com seu nome