Humor í  moda antiga dá tom a show no teatro do CDMCC

137
Publicidade
Fabio Villa Nova
Antuerpia





Divulgação

Humorista estreia show em Tatuí no próximo dia 6 e traz espetáculo voltado a todos os públicos e cheio de causos

 

Muitos causos e assuntos ligados à atualidade compõem o show que será apresentado em Tatuí no dia 6 de setembro. O espetáculo “Humor à Moda Antiga” é apresentado por Paulinho Mixaria e tem estreia na “Capital da Música” às 20h30. Os ingressos para acompanhar a apresentação já podem ser adquiridos.

Crianças, estudantes, professores e idosos pagam meia (R$ 25). O ingresso integral custa R$ 50. Para os descontos, é necessário apresentar documentação. O lote a ser vendido no dia do espetáculo custará R$ 60 e R$ 30 (meia).

Publicidade
Fabio Villa Nova
Antuerpia

Os ingressos são retirados na bilheteria do teatro “Procópio Ferreira”, do Conservatório de Tatuí. O endereço é a rua São Bento, 415, no centro. Informações sobre o horário de atendimento podem ser obtidas pelo fone: 3205-8434.

A estreia do show integra a temporada 2015 iniciada pelo humorista, que soma recordes na carreira. Paulinho Mixaria tem sete CDs e dois DVDs gravados. Em 21 anos no humor, ele também conquistou destaque no meio digital. Atualmente, tem mais de 30 milhões de acessos no YouTube (canal de vídeos).

O repertório de “Humor à Moda Antiga” é recheado de piadas “para todos os públicos”. Com censura livre, o show traz assuntos abordados de modo divertido.

“É bom demais poder estrear nesta cidade acolhedora”, disse Paulinho Mixaria, por meio da assessoria. O humorista citou que Tatuí o recebeu de braços abertos. Também destacou que gosta de “humor levado a sério” e sem palavrões.

Paulinho Mixaria tem 45 anos e nasceu Paulo Roberto Alves da Silva, em Taquari. Ele passou a infância em Parobé e, atualmente, reside há 20 anos em Gramado, no Estado do Rio Grande do Sul, para onde foi buscar um sonho: ser humorista.

“Sempre quis trabalhar com humor, porque sempre gostei dos palhaços de circo. Apesar das dificuldades que eles têm para manter o circo, eles proporcionam alegria às pessoas e levam o sorriso ao rosto das crianças”, afirmou.

Inspirado justamente no palhaço é que Paulinho Mixaria faz um humor sem apelar para palavrões. “Meus shows são para a família”, destacou o profissional.

O artista recordou-se do início da carreira, mencionando que enfrentou dificuldades. Quando residia em Parobé, trabalhou como “atendente” numa loja de material de construção. Ele, literalmente, atendia os clientes porque não se considerava um vendedor.

“Vendedor é aquele que empurra o produto para o cliente e eu não conseguia fazer isso. Não consigo isso, hoje, nem com meus CDs”, declarou.

Naquela época, ele participava de grupo de danças gaúchas e declamava em rodeios, o que lhe garantiu algumas premiações. Mas sempre pensava em ser humorista.

Foi pensando nessa carreira que decidiu ir para Gramado. Lá, com um violão, fez shows em hotéis e restaurantes, mas sempre cantando. “Fazia versos de improviso em hotéis, restaurantes, cafés coloniais e em casas de fondue. Não me deixavam fazer humor”, recordou.

Num certo dia, ele deixou o violão em casa e foi para o hotel. No trabalho, justificou a falta do instrumento dizendo que ele estava estragado. Teve a oportunidade de contar algumas piadas e a confirmação de que estava no caminho certo.

Com recursos próprios, gravou seu primeiro CD, com o nome de Paulinho Silva. No disco, intercalava canções bem-humoradas com piadas em que se destacavam os personagens João Mentira (um bêbado que vive em guerra com a sogra), Vô Gaudêncio e Vó Genebalda (que vivem brigando).

Repetiu a fórmula – música e piadas – nos CDs seguintes, sempre com composições próprias e histórias inspiradas no cotidiano do interior gaúcho.

O nome Paulinho Mixaria foi adotado no terceiro CD, lançado em 2000, ao perceber que como Paulinho Silva não faria sucesso. “Usei este nome para brincar com a minha altura. E os brasileiros dizem pelo menos uma vez meu nome a cada mês, quando ganham o salário. “Que mixaria!’”, brincou o humorista.

O sucesso veio como resultado de algumas iniciativas pessoais. “Nunca pensei que as rádios iriam tocar minhas músicas e muito menos as piadas”, disse o humorista. “Mas mesmo assim arrisquei e deixei meu CD nas rádios”, adicionou.

Numa emissora, durante um programa, a música “Mentiu Para o Tio” tocou por oito vezes. Por conta desse sucesso, ele começou a ter pedidos para shows em todo o Estado e de lojas e outros estabelecimentos querendo comercializar o disco.

O CD vendeu mais de 200 mil cópias, rendendo shows nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. Conforme o artista, os shows foram assistidos por mais de dois milhões de pessoas em teatros e festas populares.

Por conta do trabalho, ele chegou a viajar 30 dias seguidos, rodando mais de 6.000 quilômetros.

O show é uma realização da Pires Produções e conta com apoio do jornal O Progresso.


Publicidade
Antuerpia
Fabio Villa Nova