Giorge de Santi ocupa subterrâneo de SP com mostra ‘Quilombo Vivo’

76 fotos compõem trabalho que pode ser visto na “Linha Amarela”

517
Ocupação Casa Amarela Quilombo Afroguarany, na Consolação, funciona em casarão tombado pela prefeitura da cidade de São Paulo (foto: Giorge de Santi)
Publicidade
Da reportagem

Não é errado dizer que o tatuiano Giorge de Santi rodou o mundo, pelo menos com os trabalhos. Fotógrafo profissional, ele produz imagens que já foram expostas em diferentes espaços e suportes. É o caso do novo trabalho dele, “Quilombo Vivo”, que será aberto na Linha Amarela do metrô da cidade de São Paulo.

Com a mostra, Giorge ocupará uma parte do subterrâneo da capital paulista. A exposição, que tem início em fevereiro de 2020, é resultado de vivência artística na “Casa Amarela Quilombo Afroguarany”. O espaço – um casarão tombado como patrimônio histórico – consiste em uma ocupação sociocultural estabelecida em fevereiro de 2014. Giorge chegou à casa no final do mesmo ano.

“Ele tem uma passagem bem contundente pela Casa Amarela”, define Wanessa Sabbath, atriz, produtora cultural e coordenadora do espaço. É ela quem organizou, junto à equipe do Metrô de São Paulo, a exposição do fotógrafo tatuiano.

Wanessa tem experiência no ramo de vendas, com passagens por produtos editoriais do Grupo Abril. Ela chegou ao local a partir de um movimento de ocupação iniciado no Vale do Anhangabaú, região do centro da cidade de São Paulo.

A produtora explica que, antes da Casa Amarela, o grupo de artistas em situação de vulnerabilidade reunia-se ao ar livre. Primeiro, para realizar sarais e encontros; depois, para buscar um espaço em definitivo para se expressar.

Publicidade

Os primeiros encontros aconteceram em 2005, sendo programados por meio das redes sociais. “A mobilização começou pela internet”, conta a gestora.

Naquela época, Wanessa explica que o grupo não se entendia como coletivo, muito embora realizasse ações na praça Ramos de Azevedo. Foi somente em 2011 que o movimento começou a tomar corpo e, em 2013, ganhou as ruas.

Como coletivo, os artistas defenderam causas variadas, em especial, dos índios guarani-kaiowás, do Mato Grosso do Sul, e dos índios kariri-xokó, do Nordeste.

Mas abraçaram, na medida em que os encontros ficaram constantes, os movimentos de “outras tribos”. “Nós nos juntamos por afinidade. Gostamos de trocar ideia, conversar, fazer música e poesia”, descreve.

Durante os encontros, o grupo conversava sobre vários assuntos, como machismo e homofobia. Mas resolveu, em 2013, sair da discussão ao receber crianças nos “rolês”.

“Nós reclamávamos que não tínhamos acesso à cultura e aos meios, mas percebemos que elas, as crianças, também não tinham acesso a nada e que nós é que acabávamos fazendo isso por elas”, contou Wanessa.

Nascia, ali, o embrião das oficinas culturais promovidas pela Casa Amarela. “É o que nós chamamos de política de redução de danos”, enfatiza Giorge.

O fotógrafo conheceu, por exemplo, dois jovens que trocaram o tráfico de drogas pela arte e passou a defender, com os artistas, o direito de utilizar o espaço.

Na Casa Amarela, os artistas “ressignificaram” o trabalho cultural. Definiram, para tanto, que o uso do imóvel deveria ser feito de modo compartilhado. “Todo mundo que sabia fazer algo começou a ensinar”, conta Wanessa.

Começava o trabalho de ressocialização. Além de arte, o grupo passava a oferecer orientações aos jovens e adultos da comunidade, sem obrigatoriedade de frequência.

“Estávamos em processo de pesquisa para entender até que ponto poderíamos ajudar as outras pessoas, até porque, nós também éramos um grupo vulnerável e que precisava de ajuda”, diz a produtora.

Para os artistas e a gestora, a Casa Amarela é um espaço fruto de ocupação e não de invasão. “Existe uma diferença: quando não tem coisas e pessoas é ocupação; quando tem, invasão. Aqui, nós estávamos dando vida ao espaço”, diz.

Apesar de o movimento ser coletivo, a Casa Amarela não impede os artistas de desenvolverem projetos particulares. Wanessa destaca que a intenção da vivência é dar oportunidade de os artistas desenvolverem potencialidades individuais. No caso de Giorge, a convivência despertou nele interesse em retratar o processo de produção dos artistas, no solo e no coletivo.

“Quilombo Vivo” retrata um segundo momento do trabalho dos artistas na ocupação, sendo incluído como uma das produções selecionadas do mês da Consciência Negra. A mostra conta com 76 imagens, em colorido e preto e branco, clicadas com celular. “Ela traz uma perspectiva mais lúdica”, conceitua Giorge.

As imagens percorrerão as estações Higienópolis/Mackenzie e Paulista, em fevereiro e março, e poderão ser vistas até o dia 15 de abril, na Luz.

“Elas não têm nada a ver com o primeiro momento, que era de resistência. As fotografias selecionadas são do artista em essência”, frisa o fotógrafo.

Para a exposição na Linha Amarela, Giorge conta que trabalhou o conceito de desconstrução do pensamento artístico. Por isto, optou por abandonar as câmeras e lentes caras e ficou com o celular.

“Vim desconstruindo todas as técnicas que aprendi nos cursos de publicidade e fotografia e em anos de trabalho no mercado. Nada de parafernálias. Hoje, só utilizo luz natural”, explica.

Para o fotógrafo, este é um processo de produção mais livre. Giorge argumenta que, “sem as amarras dos profissionais de mercado”, ele pode escolher quais recursos quer utilizar para desenvolver o trabalho artístico. “Tudo isto é para dizer que as pessoas podem fazer tudo, mesmo sem recursos”, diz.

A mostra é a primeira aberta pelo tatuiano no metrô de São Paulo. Giorge, no entanto, já ocupou o porão do MHPS (Museu Histórico “Paulo Setúbal”), e teve fotos publicadas no livro “O Brasil Visto pelos Brasileiros”, produzido em comemoração aos 21 anos da Divine Académie, e exposto em Paris, na França.

Publicidade