Futebol solidário arrecada fundos para tratamento de Júlia Abrame

Clube de Campo vai receber ex-jogadores profissionais de futebol

1918
Farid Ohamad Jamoul com vereadores e a camisa alusiva ao evento (foto: Gabriel Guerra)
Publicidade
Siltec

No próximo domingo, 10, às 10h, o Clube de Campo de Tatuí vai sediar partida de futebol solidário em prol à criança Júlia Abrame de Oliveira, que passou por transplante de medula óssea, no dia 15 de fevereiro, e luta para vencer o câncer.

A partida beneficente terá o confronto da equipe Amigos da Juju, que enfrentará o Advento Futebol Clube Gol e Missão. Toda a renda adquirida com a venda dos ingressos será revertida à família de Júlia.

Os ingressos custam R$ 10 e podem ser adquiridos com Farid Ohamad Jamoul, pelo telefone (15) 99712–1973, ou com o pai da menina, Antonio Sérgio de Oliveira, pelo número (15) 98817–5775.

Um montante de 4.000 ingressos foi disponibilizado para o evento. Entre os atletas confirmados, está Júnior, campeão mundial com a seleção brasileira na Copa de 2002; Silas, que atuou pelo Brasil nas Copas de 86 e 90; e Gustavo Nery, com passagens por São Paulo e Corinthians.

Também irão participar do jogo o goleiro Veloso, ex-Palmeiras; Batata, ex-Corinthians; Derley, que atuou pelo Porto, de Portugal; Carlos Alberto, ex-São Paulo; e Jean Carlos, ex-Palmeiras. Outros ex-jogadores profissionais ainda podem participar, confirmando presença até a data da partida.

Publicidade
Siltec

Todo o valor arrecadado será destinado a custear as despesas com o tratamento da jovem. Segundo Jamoul, aproximadamente 1.500 convites já foram adquiridos e a organização espera vender todos os bilhetes antes do dia do jogo.

Os organizadores confeccionaram camisas para a divulgação da partida e fizeram a promoção do evento na Câmara Municipal, Prefeitura e em órgãos de imprensa da cidade e da região.

Segundo Adriana Abrame, mãe de Júlia, a menina está bem e a recuperação ocorre dentro do esperado pelos médicos. Algumas alterações identificadas em exames são oriundas do excesso de medicamentos e do transplante, realizado em fevereiro.

“Agora, estou conversando com a Unimed para o fornecimento de uma composição, que a Júlia precisará tomar e que servirá para melhorar a defesa do organismo dela contra alguns tipos de vírus”, contou a mãe.

Júlia e a família continuam morando em uma casa emprestada, até o complemento da reforma da própria casa. A obra começou em maio e poderá ficar pronta em julho. Por possuir muita umidade no chão da residência, todo o piso tem de ser trocado.

“A Júlia, no momento, não pode sair de casa e nem receber visitas. Fora isso, tem uma vida normal de criança. Por enquanto, não pode ter contato externo, e alguns alimentos também não podem ser consumidos”, explicou Adriana.

A rotina da criança segue com constantes viagens a São Paulo, realizadas às terças e sextas-feiras, para consultas e exames. Devido ao feriado de Corpus Christi e às manifestações dos caminhoneiros, Júlia ganhou uns dias de folga e não precisou viajar durante o período.

A menina foi diagnosticada com leucemia linfoide aguda quando tinha dois anos. Desde então, começou a fazer o tratamento contra a doença, e os pais foram informados de que precisaria ser feito o transplante de medula óssea para a filha continuar com as sessões de quimioterapia e radioterapia.

A busca por uma medula compatível mobilizou a cidade. Em outubro do ano passado, uma campanha de coleta do material recebeu mais de 1.600 pessoas interessadas em ajudar a jovem.

Mesmo não encontrando doador compatível com o sangue de Júlia, os dados dos doadores foram inseridos no Redome (Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea).

Por orientação médica, Júlia precisa de cuidados e qualquer coisa pode oferecer risco a ela. A criança tem crise alérgica e, se continuasse na casa anterior, poderia sofrer complicações.

Uma campanha, realizada em fevereiro, arrecadou pouco mais de R$ 2.000 para a reforma da residência. A ação, feita pelo site “Vakinha Virtual”, tinha como objetivo arrecadar R$ 60 mil, suficientes para reformar a casa onde Júlia vivia com os pais e o irmão.

Publicidade
Siltec