Fusstat finaliza a confecção de mais de 3 mil peças do ‘Boneco de Meia’

Brinquedos serão distribuídos de 5 a 9 de outubro pelo Dia das Crianças

283
Professores, funcionários e voluntários produzem bonecos em “home office” (Foto: Divulgação)
Publicidade
Da reportagem

O projeto “Boneco de Meia”, mantido pelo Fusstat (Fundo Social de Solidariedade), vai beneficiar mais crianças neste ano. Voluntárias e professoras da entidade finalizaram, nesta semana, a confecção de 3.035 bonecos. A iniciativa visa a atender crianças carentes.

Os brinquedos serão doados aos alunos matriculados na rede municipal de ensino infantil, cadastrados no programa de distribuição de merenda das unidades escolares.

As escolas receberão as peças e farão a entrega na semana de 5 a 9 de outubro, em comemoração ao Dia das Crianças – celebrado no dia 12.

De acordo com a presidente do Fusstat, Sônia Maria Ribeiro da Silva, nos últimos três meses, duas equipes, divididas entre professores e voluntários, foram responsáveis pela confecção das peças do projeto.

A iniciativa foi retomada no dia 23 de julho, em novo formato. Devido à pandemia do novo coronavírus, professores, funcionários e voluntários da entidade produziram a maioria dos bonecos em “home office”.

Publicidade

Alguns centros de capacitação também abriram e funcionaram como locais de apoio na distribuição dos materiais para a confecção dos bonecos e no recebimento das peças já produzidas.

Nesse “esquema”, o grupo formado por professoras e funcionários entregou 1.622 bonecos e o outro, com aproximadamente 35 voluntárias, produziu 1.413 peças, totalizando 3.035 unidades.

“A meta do projeto era de 2.500 bonecos para atender às crianças que se inscreveram para receber a merenda neste tempo de recesso escolar. É bom ter mais, porque sempre essas crianças têm irmãozinho em casa que também quer o boneco. Então, quanto mais, melhor”, salientou a presidente.

Nos próximos dias, até a data de distribuição dos brinquedos, as equipes envolvidas no projeto realizarão a higienização dos bonecos e o processo de embalagem individual das peças para as entregas nas escolas.

Este é o terceiro ano do projeto. A iniciativa começou em 2017 e atendeu mais de 3.000 alunos, de zero a cinco anos, das creches pertencentes à Secretaria Municipal de Educação, com bonecos feitos artesanalmente a partir de meias doadas à entidade.

A presidente contou que a administração anterior havia deixado milhares de meias “desparceiradas” no Fusstat, cujo destino seria a incineração. Para não as descartá-las totalmente e buscando o reaproveitamento, Sônia pediu às conselheiras que pensassem em um projeto que permitisse destino mais adequado.

Por meio da coordenadora Graça Lima, a equipe, então, teve a ideia de utilizar as meias sem pares para fazer os bonecos. Para a confecção, são utilizadas linhas, meias sem par e plumantes (uma fibra sintética para o enchimento dos bonecos).

Neste ano, o estoque de meias já havia acabado, mas a equipe, integrada por coordenadoras de curso, conselheiras, professoras e voluntários, decidiu manter o projeto e a doação dos bonecos para as crianças carentes.

Para a continuidade, o Fusstat contou com parceria da empresa Selene, e, desta vez, os brinquedos foram confeccionados com meias novas. Sônia explica que a fábrica, de Cerquilho, faz a doação das peças que sobram sem pares por não poderem ser comercializadas.

Conforme levantamento do Fusstat, no primeiro ano, a iniciativa conseguiu atender 844 crianças carentes com os bonecos, a partir de meias doadas à instituição. Em 2018, foram 1.345 peças e, no passado, mais de 1.650 bonecos foram distribuídos.

Sônia credita o aumento na produção dos bonecos ao maior número de voluntários engajados nas causas mantidas pelos Fusstat neste ano. “Nunca tivemos tantas pessoas ajudando o próximo”, observou.

“A maioria já tinha nos ajudado na confecção das máscaras de proteção, no começo da pandemia, e continuou conosco no projeto das meias. Embora tenhamos passado por muitas dificuldades por conta da pandemia, este foi o ano no qual tivemos mais voluntários”, concluiu Sônia.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

entre com sua mensagem
entre com seu nome