Executivo estuda dividir Samu em bases

    271
    Publicidade
    EleService institucional
    Alessandra Bonilha, dra
    Anglo
    Siltec

    Cristiano Mota

    Viaturas do serviço de atendimento de urgência e emergência já começaram a operar a partir da sede da Guarda Municipal

    Desde a semana passada, as ambulâncias do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) têm ponto de partida para prestação de socorros modificado.

    Há mais de dez dias, o Executivo mudou a base de atendimento que funcionava no quartel do Corpo de Bombeiros para a sede da GCM (Guarda Civil Municipal).

    Para os próximos meses, pode implantar uma segunda, em região a ser definida. A proposta inédita do Executivo é de dividir as equipes do serviço em duas áreas de cobertura para facilitar o atendimento e agilizar a chegada de viaturas.

    Até que isso aconteça, o Executivo transferiu provisoriamente o atendimento. A mudança acontece no mês de aniversário dos 187 anos da cidade, por conta de demanda detectada pela administração municipal junto ao Samu.

    Publicidade
    Alessandra Bonilha, dra
    Anglo
    EleService institucional
    Siltec

    Conforme informou o vice-prefeito e secretário municipal do Governo e Segurança Pública, Vicente Aparecido Menezes, o serviço precisava de mais espaço físico para acomodar as ambulâncias e os integrantes das equipes de atendimento.

    Por conta disso, a Prefeitura decidiu mudar a base de um ponto da vila Dr. Laurindo para outro, no mesmo bairro, após discutir o assunto com os socorristas.

    A opção pela sede da GCM representa economia aos cofres públicos (uma vez que o Executivo não precisará alugar imóvel) e pode ser temporária, porque a permanência do Samu no local depende de outro projeto.

    De acordo com o vice, os planos iniciais do Executivo eram de transferir a sede da GCM para o antigo prédio do TG (Tiro de Guerra), no bairro Santa Cruz, e deixar o Samu no local em que está – de modo definitivo.

    Entretanto, o imóvel que havia sido utilizado pelo Exército e pertence à municipalidade é ocupado, por enquanto, pela 4a Companhia da Polícia Militar.

    Esta, porém, deverá ser incorporada à 2a Companhia, que tem sede no Jardim Wanderley. Com a fusão efetivada – o processo teve anúncio no início deste ano –, o comando será transferido para Boituva. A expectativa é que isso aconteça neste mês.
    Vicentão explicou que, mesmo com o comando transferido, a Prefeitura não fará imediatamente a mudança da estrutura da Guarda da vila Dr. Laurindo para o bairro Santa Cruz. Isso porque a administração aguarda decisão de equipe do IFSP (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia) de São Paulo.

    “Nós iríamos fazer isso. Acontece que, depois que anunciamos, recebemos a visita de uma equipe do IF”, justificou. Conforme ele, a vinda do instituto está sendo articulada pelo deputado federal Cândido Vaccarezza (PT). “Ele nos ofereceu essa possibilidade”, adicionou.

    Segundo ele, o IF é uma espécie de universidade pública federal. Oferece cursos tecnológicos e de graduação, incluindo áreas de formação não atendidas pelo município, como engenharia.

    Caso seja instalado, o campus de Tatuí será o segundo da região. O primeiro funciona na cidade de Itapetininga.

    Representantes do instituto também estudam implantá-lo em Sorocaba. Em maio deste ano, eles reuniram-se com o prefeito da cidade vizinha, Antonio Carlos Pannunzio, vereadores e deputados para apresentar o projeto.

    Em Tatuí, ainda não há decisão. A proposta, entretanto, é de que o vestibular da primeira turma a ser aberta no município aconteça em janeiro de 2014.

    Ainda conforme Vicentão, na última visita feita à cidade, os técnicos do IFSP apresentaram solicitação. “Eles nos pediram que apresentássemos prédios prontos e que teriam de ser públicos, ou seja, não poderiam ser alugados”.

    Como o Executivo tem a possibilidade de utilizar o espaço ocupado atualmente pela Polícia Militar, as autoridades municipais sugeriram que o IFSP fosse implantado lá.

    “Os técnicos adoraram o local. Acham que ele tem todos os ambientes necessários para um bom funcionamento”, contou.

    O vice informou, também, que a Prefeitura já se dispôs a permitir a reforma do prédio, caso o instituto decida instalar-se no município.

    “Eles (os técnicos do IFSP) já têm uma proposta de melhorias. O investimento será feito pelo próprio instituto, caso nós façamos a doação do imóvel”.

    A partir dessa possibilidade, Vicentão afirmou que o Executivo reuniu-se com guardas civis municipais para explicar a mudança de planos e discutir sobre um novo local para a sede. “Os guardas nos disseram que preferem ir para o bairro Inocoop”.

    Conforme o vice, eles deverão ocupar o prédio – ainda inacabado – que era utilizado pelos GCMs como estande de tiros e área de treinamentos. Desta forma, o Samu poderá permanecer na sede atual da corporação.

    Entretanto, a permanência em definitivo do serviço de urgência e emergência na vila Dr. Laurindo depende de disponibilidade financeira do Executivo.

    A Prefeitura não tem recursos próprios para reformar o imóvel, mas deve tentar buscar verbas. “O prefeito José Manoel Correa Coelho, Manu, está tentando ver se consegue uma emenda parlamentar”, antecipou Vicentão.

    Segundo ele, o Executivo está “buscando uma saída jurídica” para viabilizar a reforma. Também disse que isso é necessário porque os custos não constam no Orçamento deste ano (elaborado pela gestão passada). “Se não conseguirmos, vamos deixar para o Orçamento do ano que vem”.

    A decisão do instituto deve ser anunciada neste mês. Caso os representantes confirmem a vinda de um campus para Tatuí, o Samu deverá mudar novamente de endereço. A Prefeitura vai, então, dar início a outro projeto: o que prevê a divisão do atendimento em duas bases no município.

    De acordo com o vice, o Samu poderá ir para um local provisório e locado, até que a GCM mude para a área onde o efetivo realiza treinos, no Inocoop.

    A locação da nova sede do serviço de urgência e emergência deverá ser paga pelo governo federal durante a reforma da nova sede da Guarda.
    Independentemente das decisões, Vicentão adiantou que a tendência é que a atual sede da GCM abrigue definitivamente o Samu.

    “Durante esse tempo em que o serviço funcionar lá (na vila Dr. Laurindo), vai poder ‘testar’ o prédio, ver como vai ser a mecânica do atendimento com a mudança”, disse.

    Por conta das reestruturações, a Prefeitura dissolveu o CCE (Centro de Comunicação de Emergência). Este funcionava em prédio anexo ao quartel do Corpo de Bombeiros e concentrava os chamados de ocorrência feitos à Polícia Militar (190) e Guarda Civil Municipal e Defesa Civil (199).

    Vicentão afirmou que optou por mudar o sistema de atendimento por entender que eles não priorizavam a comunicação com o cidadão.

    “Esses serviços, principalmente de emergência, o grande segredo deles é a comunicação. Tem que ser muito rápido o atendimento”, argumentou.

    Por essa razão, apontou que o Samu realiza levantamento periódico. A intenção é verificar o tempo que as equipes levam para atender às ocorrências. “Estamos procurando ver isso e estudar locais estratégicos”.

    Também por conta do acréscimo de uma viatura – a segunda ambulância de suporte básico –, o Executivo estuda a divisão do serviço em dois postos.

    Trata-se de ideia apresentada pelo secretário municipal da Saúde, José Luiz Barusso. “Por questão de logística, a cidade deverá ser dividida em duas regiões”.

    O vice lembrou que o Samu já conta com nova equipe, o que facilitaria a divisão. Disse, também, que a Prefeitura está se programando para oferecer “atendimento recorde” do serviço de urgência e de emergência. “Nós estamos nos preparando, nos estruturando para isso”, adicionou.

    Conforme Vicentão, apesar da mudança de sede, o serviço continua a funcionar do mesmo modo. As ligações para solicitação de envio de ambulância são realizadas por meio do 192 e reguladas pela central em Itapetininga. Quem necessita de atendimento da GCM deve ligar para o 199.

    A Prefeitura também prepara novo número para a Ouvidoria do município. Segundo o vice, o objetivo é permitir que os serviços públicos estejam disponíveis da forma mais rápida ao cidadão. “Isso é fundamental no serviço de urgência e emergência. Isso representa vida”, destacou.

    Além da divisão, Vicentão afirmou que a administração municipal mantém a ideia de implantar uma central reguladora. Na opinião dele, o município necessita desse tipo de mudança para poder oferecer melhor atendimento à população.

    A criação de uma central, entretanto, depende de autorização do governo federal, uma vez que o Samu é resultado de convênio.

    Esse pleito deverá ser apresentado pelo prefeito em Brasília e já é estudado pelo secretário municipal da Saúde. De acordo com Vicentão, se a cidade receber autorização, deverá iniciar estudos para definição de onde a central funcionará.

    “Isso resolve aquele velho problema que nós temos: nem todos os atendentes de Itapetininga conhecem geograficamente a cidade. Aí, gera-se uma dificuldade de referência e, com isso, uma demora no atendimento”, concluiu.

    Publicidade
    EleService institucional
    Alessandra Bonilha, dra
    Siltec
    Anglo