Dirigentes da RMS discutem novos caminhos e conexões para a cultura

Projeto visa parceria entre cidades da Região Metropolitana de Sorocaba

324
Rogério Viana, diretor do Departamento de Cultura de Tatuí (Arquivo O Progresso)
Publicidade
Da reportagem

Em tempos de pandemia e com espaços culturais fechados, os dirigentes culturais da RMS (Região Metropolitana de Sorocaba) estão promovendo conferências virtuais para discutir novas possibilidades de cultura e buscar o desenvolvimento do setor.

De acordo com o diretor do Departamento Municipal de Cultura, Rogério Vianna, as reuniões ocorrem semanalmente deste o mês de maio, e a cidade é representada por meio dos gestores da Secretaria de Esporte, Cultura, Turismo, Lazer e Juventude.

As atividades foram batizadas de “Novos Trilhos – Caminhos e Conexões para a Cultura” e, segundo Vianna, além de promoverem debates sobre a situação atual, estão “estreitando laços” para parcerias futuras.

“Isso é um programa inédito, e estamos nos articulando para uma futura possibilidade de um consórcio regional, como já existe em outras regiões administrativas. Estamos neste momento preocupados com a situação da pandemia, mas já colocando conexões pensando no futuro”, contou o diretor.

Para mostrar um pouco do trabalho do grupo, os dirigentes editaram uma “carta aberta” à população, na qual abordam impactos da pandemia no setor cultural e contam como têm sido realizadas as parcerias regionais.

Publicidade

O documento começa afirmando que o impacto da pandemia de Covid-19 na cultura foi imediato, já que ações culturais públicas e privadas foram paralisadas e a indefinição do cenário dificulta a tomada de decisões.

“Os desafios são grandes: medidas sanitárias restritivas, contingenciamento, queda de arrecadação. Diante da gravidade da situação e atentos aos problemas enfrentados pelo setor cultural, dirigentes culturais se uniram para compartilhar ideias, soluções e traçar estratégias”, diz um trecho da carta.

Outro trecho destaca que a união dos gestores e dirigentes culturais da RMS tenta “evitar o colapso do setor artístico da região neste período de isolamento social”.

Segundo os dirigentes, o propósito do grupo é unir forças entre secretarias e diretorias de cultura da região e buscar alternativas, em tempos de isolamento social, para viabilizar atividades culturais, uma vez que o setor se encontra suspenso, respeitando as determinações do governo do estado.

“Dessas reuniões, surgiram ideias de atividades a serem realizadas para movimentar o setor cultural e dar visibilidade aos profissionais de cultura. Unindo sentimentos culturais e essenciais para a manutenção dos coletivos e espaços culturais de todas as cidades da RMS, a formação ‘Novos Trilhos – Caminhos e Conexões para a Cultura’ é uma forma de compreender a cultura regional”, destaca a carta.

O texto é assinado por Vianna e pelos dirigentes: Aelson de Mattos Apolinário (São Miguel Arcanjo), Antônio Wilson Prestes Miramontes (Votorantim), Benemari Sulivam (Quadra), Cassiano Sinisgalli (Tatuí), Fernando Kitagawa (Alumínio), Fúlvio Scarme (Laranjal Paulista), Giuliano da Silva Fonseca (Araçoiaba da Serra) e Grace Laine Pincerato Carreira (Araçoiaba da Serra).

E ainda: Graziele Almeida (Salto de Pirapora), Ivan Aparecido da Silva (Cesário Lange), João Paulo Nogueira Miranda (Sorocaba), José Marcos Dias Rodrigues (Piedade), Leandro Aparecido Leonor (Capela do Alto), Maitê Velho (Itu), Marcelo Domingues (Capela do Alto), Marcio Saccon (Tietê), Rafael Rechineli de Oliveira (Pilar do Sul), Roberto Soares Hungria Neto (Itapetininga), e Sandro Bergamo (Salto).

Vianna explicou que a intenção da carta é mostrar para a população que os dirigentes culturais da RMS “não estão parados”.

“Estamos nos organizando para criar trilhos para a região e produzir políticas culturais. As reuniões são uma forma de fortalecer os laços entre os dirigentes e os primeiros passos para que aconteça uma união entre as cidades”, completou o diretor.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

entre com sua mensagem
entre com seu nome