Deputado Guiga se reúne com diretores da Fenafisco e Anfip

    Tatuiano afirma que país precisa de uma ‘reforma séria e justa’

    531
    Guiga Peixoto, o chefe de gabinete coronel Wagner Rodrigues, Francelino Valença e Luiz Cláudio de Araújo Martins (foto: Ascom/deputado Guiga Peixoto)
    Publicidade
    Siltec
    EleService institucional
    Anglo
    Alessandra Bonilha, dra
    Liderança Ferramentas

    O deputado federal Guiga Peixoto (PSL-SP) recebeu na, quinta-feira da semana passada, 3, um dos diretores da Fenafisco (Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital), Francelino Valença, e o vice-presidente de política de classe Anfip (Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal), Luiz Cláudio de Araújo Martins, para falar sobre a Reforma Tributária.

    Durante a reunião, foi apresentado o livro “A Reforma Tributária Necessária: Diagnóstico e premissas”, com subsídios para debate sobre o desenho da tributação brasileira elaborado pelo movimento Reforma Tributária Solidária.

    O livro, escrito por 42 especialistas, contém 39 artigos com um diagnóstico aprofundado do sistema tributário brasileiro e propõe debate em torno do tema.

    A publicação é de responsabilidade da Plataforma Política Social – Caminho para o Desenvolvimento, grupo que reúne cerca de 300 pesquisadores e especialistas em políticas.

    O estudo aponta que o caráter regressivo do sistema tributário (quem ganha menos paga mais) é uma das razões da “vergonhosa distribuição da renda no Brasil”. Guiga declarou que se propôs, ainda no início de campanha, a “lutar por uma reforma tributária justa”.

    Publicidade
    Siltec
    Anglo
    EleService institucional
    Alessandra Bonilha, dra
    Liderança Ferramentas

    O tatuiano é membro titular da Frente Parlamentar Mista da Reforma Tributária, no Congresso, “contra os exageros de tributos na Comissão de Finanças e Tributação”, e afirma que “o país precisa de uma reforma séria e justa”.

    Em nota, o parlamentar tatuiano declara que apoia a iniciativa e reforça a importância do tema para o país, assim como a reforma previdenciária. “Acho que as reformas devem caminhar juntas, porque uma complementa a outra”, destacou.

    Segundo o coordenador da FPM, deputado Luis Miranda (DEM-DF), a atual carga tributária “penaliza os mais pobres”, e a intenção é “lutar por uma reforma que desonere o consumo e aumente as alíquotas cobradas sobre a renda”.

    Em dezembro do ano passado, foi aprovada, em comissão especial, uma proposta de reforma tributária (PEC 293/04) que simplificou o sistema. O texto extingue oito tributos federais (IPI, IOF, CSLL, PIS, Pasep, Cofins, Salário-Educação e Cide-Combustíveis), o ICMS (estadual) e o ISS (municipal).

    Para o deputado, “o amplo debate sobre a reforma tributária pode trazer as mudanças necessárias para o Brasil avançar”. Ele ainda citou entraves do atual sistema: “Quando se fala do IVA (Imposto sobre Valor Agregado) e em Pacto Federativo, é muito importante que sejam repensadas modificações”.

    Segundo o deputado, com alta carga tributária no país, “a incerteza paira para as duas pontas, constituídas por aquele que gera emprego e aquele que precisa do trabalho, trazendo também dificuldades para ambos”.

    Publicidade
    Siltec
    Anglo
    EleService institucional
    Alessandra Bonilha, dra
    Liderança Ferramentas

    DEIXE UMA RESPOSTA

    entre com sua mensagem
    entre com seu nome