Construção de novo acesso ao Marapé deve iniciar em junho

237
Publicidade





“Creio que, nesta semana, o projeto de licitação deve ser aprovado. Imagino que o início dessa obra seja em junho, com prazo de conclusão em três meses”.

Esse é o cronograma divulgado pelo prefeito José Manoel Correa Coelho, Manu, para a construção de nova ponte do Marapé. O dispositivo de interligação da periferia da cidade ao centro caiu no dia 10 de março, após temporal.

O prefeito antecipou que tratou do assunto no fim do mês passado, em São Paulo. Manu esteve na Casa Militar para encontro com representantes do governo. Ele pediu celeridade na aprovação do projeto de reconstrução total da ponte.

Manu afirmou que quer agilizar a construção por entender que “a obra é fundamental para quem vive na região ou tem de passar pelo trecho para entrar na cidade ou se dirigir a regiões periféricas”. “No início, a população se sensibiliza com a situação e, logo depois, quer cobrar a execução. Isso é natural”, disse.

Publicidade

Em função disso, o prefeito declarou que se antecipou às cobranças. Para isso, apresentou, em março, projeto de construção de um novo dispositivo. “Três dias depois, eu consegui autorização do governador para correr com o projeto”, declarou.

Manu ainda voltou a falar que é “o gestor que mais construiu pontes na história de Tatuí”. Ele mencionou que, também em março, o governo se comprometeu a destinar R$ 671 mil (de recursos emergenciais) para a construção.

O projeto orçado pelo Executivo, no entanto, prevê custo de R$ 980 mil, sendo mais de R$ 300 mil de contrapartida do município. A Casa Civil já autorizou a liberação de R$ 800 mil, R$ 129 mil a mais que o inicialmente anunciado. Mesmo assim, Manu disse que o Executivo vai ter de aportar R$ 190 mil.

Conforme o prefeito, o projeto passou na Casa Militar e na Defesa Civil do Estado de São Paulo em função do empenho da Prefeitura. Manu afirmou que o Executivo “recebeu cumprimentos por parte do governo por ser tão eficiente”.

“Às vezes, o recurso não é o mais difícil, o difícil é o projeto. E nós conseguimos atender todas as exigências. O projeto está nas mãos dos responsáveis pela Casa Militar e passando por dois corpos técnicos do órgão”, contou.

Para receber o recurso, a Prefeitura tem de estar com todas as certidões negativas em dia. Manu sustentou que o Executivo não terá problemas com relação a esse item e que o cronograma está “andando”.

A expectativa é de que o Executivo consiga encaminhar o projeto para assinatura do governador Geraldo Alckmin nesta semana.

“Vamos conversar com o secretário-chefe da Casa Civil, o deputado Samuel Moreira, para conseguir que Alckmin autorize o início da licitação”, disse o prefeito.

A obra deve seguir “o mesmo padrão de qualidade” aplicado pela Prefeitura na ponte da Colina Verde. Manu afirmou que o Executivo “visa durabilidade” e pretende construir um dispositivo que “não tenha prazo de validade”.

O prefeito pretende substituir o atual sistema de tubo usado na ponte anterior. Segundo Manu, a aplicação de tubos na parte de baixo da ponte é um método ultrapassado.

“Não adianta fazer como antes, que a água vai passar por cima. E, no ano que vem, se der uma chuva como deu quando a ponte caiu, ela poderá cair novamente”, analisou.

Exatamente para evitar transtornos futuros, o prefeito pediu calma à população. Manu disse que a obra vai demorar um pouco mais que a Prefeitura gostaria, mas que o tempo será essencial para que a ponte tenha maior durabilidade.

“A população vai ter que entender, vai ter que aguardar, porque é para o próprio bem da cidade. A ponte que vai ser feita é, realmente, para durar para o resto da vida. Uma ponte com material e com projeto à altura do local”, falou.

Por conta do fluxo de veículos e pedestres, Manu disse que a queda da ponte poderia causar mais que danos materiais. “Agradeço sempre a Deus porque, naquele momento, que era de pico, alguém poderia ter sido levado”, encerrou.


Publicidade