Conselho de Cultura também se manifesta sobre o Conservatório

66
Publicidade
Da redação

O Conselho Municipal de Políticas Culturais de Tatuí divulgou, nesta semana, um manifesto endereçado ao governador João Doria sobre a possibilidade de mudanças na gestão do Conservatório Dramático e Musical “Doutor Carlos de Campos”, de Tatuí.

O documento, assinado na segunda-feira, 21, e apoiado por 16 entidades, foi redigido após a divulgação de nota da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, do estado de São Paulo, anunciando a contratação da “Sustenidos Organização Social de Cultura” para gerir a instituição.

O manifesto apresenta um breve contexto histórico demonstrando a relação do município com a instituição, fundada em 1954, “reafirmando a importância do Conservatório de Tatuí, em âmbito nacional e internacional”.

Os conselheiros fazem diversos “alertas” ao governador, “evidenciando que música e turismo são duas indústrias chave no século 21, sustentáveis, com grande geração de emprego e renda, mas que o Brasil não os explora como poderia”.

Os músicos e estúdios de gravação de Tatuí, tanto do Conservatório como da Fatec (Faculdade de Tecnologia) “Prof. Wilson Roberto Ribeiro de Camargo”, são destacados pelo conselho como um eventual futuro “Spotify brasileira” – em alusão ao serviço de streaming de música e podcasts.

Publicidade

O manifesto alerta as “graves consequências que o plano de trabalho apresentado pela ‘Sustenidos’ representa, caso seja implementada da forma como fora aprovada, em atendimento ao edital publicado pela Secec, em novembro”.

Através do documento, o conselho municipal também clama ao governo estadual “pela recomposição dos repasses anuais, que vêm sido reduzidos, ano após ano, forte e inclementemente”.

O Conselho Municipal de Políticas Culturais e as entidades que assinaram o manifesto celebram as promessas feitas pelo governo estadual, na sexta-feira, 18, “se comprometendo a adotar postura consonante com a real necessidade desta escola e da cultura paulista e brasileira”.

Contudo, mostram-se preocupados por, até o momento, o governo estadual não ter alterado oficialmente o plano apresentado pela Sustenidos. “Tal alteração é natural que ocorra, uma vez que as disponibilidades orçamentárias mudaram e, provavelmente, o plano aprovado não teve oportunidade de ser devidamente maturado, dado o curto espaço de tempo – um mês – entre a convocação e a sessão pública”, acrescenta o manifesto.

A íntegra do manifesto:

Manifesto do Conselho Municipal de Políticas Culturais de Tatuí contra o Desmonte do Conservatório Dramático e Musical Dr. Carlos de Campos – Conservatório de Tatuí

Excelentíssimo Governador do Estado de São Paulo, Senhor João Dória.

O Conselho Municipal de Políticas Culturais de Tatuí, e demais entidades e movimentosabaixo relacionados, vêm a público:

  • reafirmar a importância do Conservatório Dramático e Musical de Tatuí, em âmbito nacional e internacional,
  • alertar que música e turismo são duas indústrias chave no século XXI, sustentáveis,e com grande geração de emprego e renda, e que o Brasil não olha nem explora como poderia. Alertar também que deste Conservatório, dos músicos e dos estúdios de gravação de Tatuí, incluindo o da FATEC, pode um dia sair uma Spotify brasileira,
  • alertar sobre graves consequências que o plano de trabalho apresentado pela OS Sustenidos representa, se for implementado da forma como aprovado, atendendo o edital publicado no Diário Oficial de 05 de novembro de 2020,
  • clamar pela recomposição dos repasses anuais, que vêm sido reduzidos, ano após ano, forte e inclementemente.

Breve contexto histórico

Tatuí, hoje a apenas 1 hora do RodoAnel de São Paulo, recebeu o título de Capital daMúsica em 30 de janeiro de 2007, pela lei 12.544/07 (SÃO PAULO, 2007) justamente porabrigar o maior Conservatório da América Latina.

O Conservatório Dramático e Musical Dr. Carlos de Campos – o Conservatório de Tatuí – se estabeleceu na cidade por esta ter longa história e tradição com as artes, em especial a música.

“Tatuhy” tem sua origem ligada ao berço da Siderurgia Nacional, a Fundição Ipanema (1811-1926). Os primeiros técnicos, suecos e alemães trazidos por D. João VI,disseminaram o gosto pela música aos trabalhadores, alguns dos quais migraram depois para o local da futura Tatuí.

Tatuí teve mais da metade da população da Capital, sendo a quinta mais populosa do estado de SP (censo de 1886), devido à produção do “Ouro Branco”- algodão, e à fábrica São Martinho, de 1881, pioneira na industrialização paulista, e “o maior parque industrial do século XIX ainda preservado”.

O seu fundador, Manoel Guedes, promoveu a cultura e a música, e foi reconhecido por historiadores como um dos 12 “Próceres das Indústrias e Finanças de São Paulo”, junto com Matarazzo e Crespi.

Seu pai construiu em 1871 um dos primeiros teatros do estado (o São João), e ele construiu25 anos depois um dos primeiros cineteatros do estado (o S. Martinho). A morte o colheu em 1927, não concluindo o monumental Theatrão, demolido nos anos 50.

Empregou muitos técnicos e trabalhadores italianos e de outras nacionalidades, o que ajudou a Tatuí crescer e ter rica diversificação cultural, inclusive nossa música.

E assim, a terra do celebrado poeta Paulo Setúbal (pai de Olavo Setúbal, Itaú), ficou também conhecida por suas bandas de música.

E, mais tarde, por duas personalidades musicais: o violinista Otávio “Bimbo” Azevedo e o violoncelista João Del Fiol, que tocavam em orquestras do cinema mudo entre outras atividades musicais.

Em 1950, o deputado Narciso Pieroni entusiasmou-se com uma apresentação do violoncelista, e o músico fez o político prometer a criação em Tatuí da primeira escola de música do Estado de São Paulo. Na mesma noite, um grupo de intelectuais redigiu um esboço do projeto seguindo os moldes do Conservatório de São Paulo e da Escola de Música do Rio de Janeiro.

O então governador Lucas Nogueira Garcez sancionou a lei estadual número 997/51,criando o Conservatório de Tatuí em 13 de abril de 1951.

As primeiras inscrições aconteceram em 1954, início das atividades da escola, atraindo 331candidatos. Havia 30 alunos na primeira turma. As aulas foram dadas na antiga casa dofilho do fundador da fábrica São Martinho durante os primeiros 15 anos do Conservatório.

O número de alunos passa para 600 em 1969. Em 1968 o diretor e regente José Coelho de Almeida consegue adquirir novos instrumentos e obtém para o Conservatório os prédios onde funcionavam a Câmara dos Vereadores e a Biblioteca Municipal. Renovação pedagógica e destaque artístico acompanham a melhora da infraestrutura; em fevereiro de1970 havia 754 alunos, e em 1974 a escola já contava com 45 professores, brasileiros e estrangeiros, formados pelas melhores escolas do mundo, entre elas as da Áustria, Estados Unidos, Hungria, Alemanha, União Soviética e Portugal.

Em 1976 passa a oferecer cursos de artes cênicas, e em 1990 ganha um setor exclusivo para artes dramáticas que passa a integrar, além dos cursos de formação de atores,oficinas técnicas e ações na comunidade, com uma significativa expansão de cursos e alunos a partir de 2004.

O conservatório ganha assim destaque internacional, com seus professores e alunos se apresentando com destaque em todo o mundo, recebendo premiações importantes na França, Alemanha, Canadá e Estados Unidos.

Em 2014, o Conservatório contava com mais de 2.300 alunos e 51 cursos oferecidos todos gratuitamente para alunos do Brasil e do mundo todo.

O Teatro Procópio Ferreira, fundado em 1979, permitiu que a escola se especializasse também na organização de eventos e espetáculos de qualidade, seja para a finalização dos cursos, ou concertos para grupos formados por alunos, ou ainda coordenando sucessivas edições do Festival de Inverno de Campos do Jordão, o mais importante do país.

Destaca-se ainda uma série de eventos e encontros Internacionais, que são na verdade atividades extracurriculares voltadas a determinadas áreas ou cursos, trazendo especialistas para as chamadas “master classes”. Entre esses eventos, o Festival de MPB,oficializado pelo decreto estadual 40.833/96, recebendo artistas renomados, nacionais e internacionais.

Em 2014, em comemoração ao 60o aniversário, foram realizados 8 encontros internacionais, destacando-se ainda o 6o Torneio Estadual de Cururu e mais 6 encontros nacionais.

Aliado a tudo isso, o governo do Estado de São Paulo cria um curso de tecnologia em música na cidade. Nasce, desta forma, o Curso Superior de Tecnologia em Produção Fonográfica, na Faculdade de Tecnologia de Tatuí, também referência em todo o país,completando o aspecto de formação de profissionais voltados para a música e o espetáculo na cidade de Tatuí.

Música e turismo são duas indústrias chave no século XXI, sustentáveis, e com grande geração de emprego e renda. O Brasil não olha nem explora essas duas indústrias como poderia.

Deste Conservatório, dos seus músicos e professores, e dos estúdios de gravação de Tatuí,incluindo o da FATEC, pode um dia sair uma Spotify brasileira.

Repasse anual do governo estadual ao Conservatório de Tatuí:

O gráfico abaixo demonstra claramente:

  • o forte e ininterrupto desmonte que tem sofrido tão importante instituição não só para Tatuí, como para São Paulo e Brasil:
  • sendo o repasse previsto para 2021 maior que o de 2020, não há fundamento algum para mais um corte profundo previsto no quadro de alunos, professores e cursos em aproximadamente 30%, proposto no plano da Sustenido, a menos que houvesse um Plano de se prosseguir com o desmonte gradual do Conservatório,preocupação dos membros da comunidade musical do país.

Manifesto

Este conselho, cumprindo com seu papel e motivado pelos objetivos de seu regimento,acompanha há tempos a situação financeira do Conservatório da nossa cidade.

É patente e amplamente discutido em nossas reuniões mensais o quanto este formidável equipamento público vem sofrendo com a redução drástica (vide gráfico acima) das verbas destinadas à sua operação.

Cada gestão que por ali passou cumpriu seu papel na condução desta tão reconhecida escola, que tem como missão principal:

  • entregar para a sociedade músicos diferenciados, artistas em suas mais variadas especificidades, desde a formação erudita até a popular, passando por formações de coro, instrumentais, históricas, de raiz ou em arte dramática, sempre formados com excelência e reconhecidos internacionalmente, gerando um capital humano para nosso país de valor incalculável.

Para a cidade de Tatuí este valor pode ser medido em cada esquina, regada à música, em cada praça ou escola, com espetáculos teatrais e musicais que encantam, e também auxiliam sempre nesta batalha ingrata da educação e da arte contra as mazelas que assolam nosso mundo contemporâneo, seduzindo nossas crianças e jovens para o crime e para o tráfico.

O Conservatório, como pólo educacional internacional, atua na cidade com parcerias de importantes entidades, e impacta diretamente nos diversos setores da economia, muito além da geração de empregos, atraindo uma quantidade significativa de alunos e turistas que usufruem do comércio e outras atividades locais.

Dessa forma o ofício de trabalhadores e trabalhadoras da cultura chega à sociedade na forma de potentes ações de transformação social, ainda mais em tempos difíceis como estamos vivendo neste pandêmico ano de 2020. Quem maratonou uma série, buscou consolo na sua música, cantor(a) ou grupo favorito, conseguiu este apoio mental e emocional graças à arte, que pôde proporcionar a todos um isolamento social um pouco mais suportável – pense como seria mais difícil passar por tudo sem este alento.

Dito isso, as ações de nosso Conservatório, com mais de 66 anos de história transformando não só a nossa cidade como o Estado de São Paulo, nosso amado Brasil e toda a América Latina, tal é o alcance das atividades desta escola, está em grave risco.

O risco é particularmente grave se o projeto descrito pela proposta aprovada da O.S.Sustenidos vier a se realizar, da forma como está descrito no seu projeto submetido para o processo seletivo que a elegeu como ganhadora do pleito, pois descaracteriza a essência do conservatório e concretiza de forma cruel o encerramento de setores extremamente relevantes para a cultura, para a formação musical, um dos últimos arcabouços de alta performance nestas três áreas do país: choro, música raiz e possivelmente arte dramática.

Além destes pontos terríveis para a arte nacional, destaca-se ainda o fechamento de 496vagas, a demissão de 69 colaboradores e 70 monitores da área musical, bem como o fim d ofundamental pólo de São José do Rio Pardo, o que impactará de forma inenarrável na estrutura desta tão importante instituição.

Merece ainda forte questionamento deste conselho e dos que assinam este manifesto a intenção de destinar-se somente 25% do tempo da diretoria para acompanhamento de tão complexo e contundente instituição de ensino musical e dramático, com 2.420 alunos.

A premiação por meio de um edital, contemplando um projeto tão distante do que vem sendo praticado e que se entende sem um devido respeito a esta tão renomada instituição,causará um impacto devastador tanto do ponto de vista econômico como social e cultural.

Caso este projeto seja implementado da forma como está previsto, seria configurado um ataque frontal ao Conservatório, e interessantemente poucas semanas após a reeleição do PSDB à prefeitura da cidade de Tatuí, trazendo a sensação, por todos os 123 mil cidadãos tatuianos, de uma punhalada pelas costas, que atinge em cheio o coração da Capital da Música.

Este Conselho e as entidades abaixo aplaudem o teor da Nota divulgada nas mídias sociais em 18 de dezembro pelo Governo do Estado, se comprometendo a adotar postura consonante com a real necessidade desta escola e da Cultura paulista e brasileira:

  • “O Governo do Estado de São Paulo reafirma seu compromisso com a melhora e a ampliação do Conservatório de Tatuí, que realiza um importante trabalho deformação cultural.”
  • “O plano de ampliação e modernização do Conservatório tem cinco anos e começará em janeiro de 2021.”

Mas a preocupação constante neste Manifesto ainda é muito forte, uma vez que falta ao Governo alterar oficialmente o Plano da O.S. Sustenidos, que tem postura oposta à Nota a cima do Governo. Tal alteração é natural que ocorra, uma vez que as disponibilidades orçamentárias mudaram (vide mais abaixo) e provavelmente o Plano aprovado não teve oportunidade de ser devidamente maturado, dado o curto espaço de tempo (apenas um mês) entre a Convocação e a Sessão Pública.

Pelos motivos expostos acima e independente de qual OS venha gerir o Conservatório nos próximos anos, nos MANIFESTAMOS:

  • Por uma volta ao antigo nível de repasse anual do Governo do Estado de São Paulo ao Conservatório Dramático e Musical de Tatuí, condizente com o potencial da instituição e a sua importância social e cultural, cujos valores atuais são absolutamente insuficientes;
  • Que seja enviada a este Conselho cópia do mencionado “plano de ampliação e modernização do Conservatório, que tem cinco anos, e que começará em janeiro de2021.”
  • Pela oficialização, pelo Governo do Estado, da mudança no Plano da O.S.vencedora;
  • Que sejam cumpridas as promessas em “Nota sobre o Conservatório de Tatuí” de18/12/2020, da Secretaria de Cultura e Economia Criativa:
  • “Nenhum corte será realizado”, ou seja, serão mantidos e/ou ampliados:

▪ as ações que vêm sendo realizadas pelo Conservatório;

▪ os cursos de música e artes dramáticas;

▪ quadro de professores e professoras, monitores e monitoras;

▪ as bolsas-ofício.

  • Revitalização do Conservatório:

▪ Segundo o governo, “como o processo de convocação foi feito antes da aprovação do orçamento de 2021, o projeto vencedor levou em consideração a necessidade de cortes, para que fosse possível cobrir o déficit financeiro encontrado. Mas o orçamento aprovado ontem pela Assembleia Legislativa traz recursos suficientes para manter os cursos e os profissionais e ao mesmo tempo viabilizar o ajuste necessário por conta dos problemas identificados. Assim, o Governo vai resolver a grave crise administrativa e financeira existente e revitalizar o Conservatório”, continua a declaração oficial do Estado.

Tatuí, 21 de dezembro de 2020.

Conselho Municipal de Políticas Culturais de Tatuí

ENTIDADES QUE APOIAM ESTE MANIFESTO:

AMART – Associação dos Artistas Plásticos de Tatuí e Região

Balleteatro Fred Astaire

Coletivo Joanas de Tatuí

Coletivo Pé Vermeio

Conselho Municipal de Turismo de Tatuí

Coral da Cidade de Tatuí Prof. José dos Santos

Fatec “Prof. Wilson Roberto Ribeiro de Camargo” – FATEC Tatuí

Fórum de Cultura Metropolitano de Sorocaba (FORCULTS)

Instituto Musical Bravo Tatuí

Instituto Cultural Amadeus

Movimento de Teatro de Rua / SP (MTR)

Núcleo Afro Feminino (NAF)

Observatório Regional de Cultura

Promotoras Legais Populares (PLP)

Rede Brasileira de Teatro de Rua (RBTR)

Sindicato dos Artistas e Técnicos de Espetáculos e Diversões do Estado de São Paulo

(SATED/SP)

Publicidade