‘Concerto de Gala’ celebra 65 anos do Conservatório

Orquestra Sinfônica do Conservatório de Tatuí se apresenta na noite deste sábado no teatro “Procópio Ferreira”

370
Edson Beltrami estará à frente da Orquestra Sinfônica na noite comemorativa (foto: AI Conservatório)
Publicidade

O Conservatório de Tatuí celebra neste domingo, 11 de agosto, seus 65 anos de fundação. Para comemorar, a Orquestra Sinfônica do Conservatório apresenta o “Concerto de Gala” neste sábado, 10, às 20h. A apresentação acontece no teatro “Procópio Ferreira”, com a presença de autoridades e entrada gratuita.

O repertório terá “Allegro com Brio”, da “Sinfonia nº 5 em dó menor”, de Ludwig van Beethoven, a obra “Suite Peer Gynt nº 2, op. 46” (Edvard Grieg), “Dança Eslava nº 8, op. 46” (Antonín Dvořák) e “Carnaval de Rua”, escrita pelo compositor e professor do Conservatório de Tatuí Hudson Nogueira.

Para o diretor executivo da escola, Ary Araújo Júnior, “não haveria forma melhor de comemorar este aniversário, senão com um concerto especial”.

“É com música que vamos festejar os 65 anos desta tão importante instituição de ensino e cultura do estado e do Brasil. O Conservatório de Tatuí chega aos 65 anos com uma trajetória de muita luta e vontade de crescer”, declarou o diretor, por meio da assessoria de comunicação.

“Todos os dias nós tomamos decisões que são impactantes na vida de muitas pessoas. Isso exige de nós grande responsabilidade e cuidado com o legado que vamos deixar. Mas, as parcerias, as lutas e os bons resultados nos encorajam a batalhar cada dia mais pela excelência desta instituição”, acrescentou Araújo Júnior.

Publicidade

CDMCC

Fundado em 11 de agosto de 1954, o Conservatório Dramático e Musical “Dr. Carlos de Campos” de Tatuí – ou apenas Conservatório de Tatuí, como é conhecido internacionalmente – é uma das mais respeitadas escolas de música da América Latina.

Oferece quase 60 cursos gratuitos nas áreas de música clássica (instrumentos, canto e regência), música popular brasileira (MPB, jazz, choro e música raiz), artes cênicas e luteria.

Com cerca de 160 professores, atende, aproximadamente, 2.000 alunos anualmente e é considerado uma das mais bem-sucedidas ações culturais do governo do estado de São Paulo.

Como parte essencial à formação dos alunos, a instituição mantém mais de 30 grupos pedagógicos e artísticos de música e teatro, que se apresentam regularmente durante todo o ano, tanto nas dependências do Conservatório quanto em ações itinerantes pela cidade e por todo o estado.

São concertos, recitais, audições, espetáculos, master classes, workshops, encontros e tantas outras atividades culturais que somam mais de 700 apresentações anuais, atingindo um público médio superior a 120 mil pessoas.

Localizado a 130 km da capital paulista, o Conservatório recebe estudantes de todas as regiões do Brasil e também de outros países, como Argentina, Chile, Coreia do Sul, Equador, Estados Unidos, Japão, México, Peru, Portugal, Síria, Uruguai e Venezuela, entre outros.

“Oferece ensino de excelência, com a missão de formar instrumentistas, cantores, atores, regentes, educadores e luthiers de alto nível. Sua importância no cenário musical é tão acentuada que garantiu à cidade de Tatuí o título de Capital da Música, aprovado por lei em janeiro de 2007”, reforça a assessoria.

Orquestra Sinfônica

A Orquestra Sinfônica do Conservatório de Tatuí foi criada em 1985 e acumula uma “bagagem artística invejável”. Recebe regularmente regentes consagrados no Brasil e no mundo, como Roberto Tibiriçá, Felix Krieger, Abel Rocha, Aylton Escobar, Rodrigo de Carvalho e Gottfried Engels, entre outros.

E também solistas, como Arnaldo Cohen, Gilberto Tinetti, Alex Klein, Antonio Lauro Del Claro, Fabio Cury, Tatjana Vassiljeva, Rosana Lamosa e muitos mais.

De caráter artístico e pedagógico, garante aos alunos da instituição “uma importante vivência de palco”, além da experiência de tocar em um grupo com nível técnico profissional.

A regência é do maestro Edson Beltrami, formado em flauta transversal no Conservatório de Tatuí e vencedor de mais de uma dezena de concursos. Atuou por mais de dez anos como primeira flauta solo convidado da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp).

Como flautista e maestro, esteve nos mais importantes palcos do Brasil e do exterior. Desenvolve, também, intensa carreira como compositor, sendo suas obras editadas e publicadas nos EUA.

Entre os grupos que dirigiu, destacam-se: Orquestra da Academia de Lyon (FR), Orquestra Sinfônica Nacional de Paraguai, Banda Sinfônica do Estado de São Paulo, Banda Sinfônica Juvenil do Estado de São Paulo, Orquestra de Cordas do Ateneo Paraguayo, Orquestra do Festival de Inverno de Campos do Jordão, Banda Sinfônica do Festival de Inverno de Campos do Jordão.

Foi regente associado da Orquestra Filarmônica Bachiana do SESI-SP por dez anos. Como parte do Projeto Orquestrando São Paulo, foi o responsável pela criação, em 2017, do curso “Técnicas e Boas Práticas para Regentes de Orquestras e Grupos Musicais do Sesi-SP”.

Foi um dos criadores e regente por 20 anos da Orquestra Sinfônica Jovem do Conservatório de Tatuí e, desde 2018, está à frente da Orquestra Sinfônica do Conservatório de Tatuí.

Publicidade