CNBB aceita pedido de diocese para elevação da Matriz a basílica menor

Processo do Santuário Diocesano ainda deve ser analisado pelo Vaticano

628
Templo religioso é reconhecido como Patrimônio Histórico e Cultural de Tatuí (foto: AI Prefeitura)
Publicidade
Da reportagem

A Paróquia Santuário Nossa Senhora da Conceição anunciou na segunda-feira, 11, que a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) dera parecer favorável ao pedido de elevação da Matriz para basílica menor.

De acordo com o pároco e reitor do santuário, padre Élcio Roberto de Góes, a autorização da CNBB é um dos passos dentro do processo de elevação. A igreja ainda aguarda a autorização do Vaticano para passar por análise que definirá se o santuário preenche os requisitos para ser elevado.

Goés explicou que o título é concedido pelo Vaticano “após análise minuciosa”. A elevação é autorizada pelo papa às igrejas consideradas importantes no que diz respeito a veneração popular, relevância histórica e beleza na arquitetura.

“É um título de condecoração para a Matriz. A partir disso, existe um vínculo maior e um reconhecimento do Vaticano com a história da nossa igreja. Mas, claro, eles (o Vaticano) nos enviam as exigências para que possamos conseguir esta condição”, acrescentou o padre.

Segundo ele, o processo de elevação foi sugerido em reunião entre os padres das comunidades tatuianas e o bispo da Diocese de Itapetininga, dom Gorgônio Alves da Encarnação Neto, e teve início em fevereiro.

Publicidade

Foram encaminhadas duas cartas, uma dirigida à CNBB e a outra para o prefeito da Sagrada Congregação para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos do Vaticano, cardeal Robert Sarah.

O parecer favorável da presidência da CNBB chegou à diocese de Itapetininga na segunda-feira, 11, em carta assinada pelo arcebispo metropolitano de Belo Horizonte (MG), dom Walmor Oliveira de Azevedo.

Na carta, Azevedo diz: “Atendendo às Normas para Concessão do Título de Basílica Menor, citados no Decreto ‘Domus Ecclesiae’, de 9 de novembro de 1989, desse Dicastério, concedemos o parecer favorável ao pedido para que o Santuário de Nossa Senhora da Conceição, de Tatuí, na diocese de Itapetininga, seja elevado à dignidade de Basílica Menor”.

“Agora, aguardamos um retorno da Santa Sé, para o processo ter continuidade e podermos, então, receber o questionário do Vaticano, em que será analisado, em minuciosos detalhes, se nossa igreja está apta para receber tão grande graça”, ressaltou o padre.

Caso o pedido seja aceito pela Santa Sé, o Santuário de Nossa Senhora da Imaculada Conceição será o segundo templo religioso da diocese de Itapetinga a receber o título de basílica.

No dia 25 de maio de 2018, o cardeal Sarah assinou o decreto de concessão do título de basílica menor à Igreja Santuário de São Miguel Arcanjo, situada em São Miguel Arcanjo.

Além de responder a um questionário, Goés explicou que a diocese e a paróquia terão de montar um processo completo, com fotos da igreja, histórico e arquitetura detalhada do templo religioso.

“Com isso em mãos, o Vaticano vai analisar se o santuário está apto a receber a elevação a basílica. O processo é longo, mas contamos com as orações de todos para que consigamos a elevação desta igreja, que é patrimônio histórico e cultural de Tatuí e faz parte da história do povo católico desta cidade”, concluiu o sacerdote.

História

O templo religioso foi tombado por decreto municipal em junho de 2007. O prédio é um patrimônio histórico que preserva detalhes arquitetônicos do século 19 e possui afrescos pintados pelo artista plástico piracicabano Mário Tomazzi.

A pedra fundamental do prédio, que tem porte e estilo de catedral, foi instalada no dia 9 de agosto de 1884, sendo a primeira obra da cidade a utilizar tijolos cerâmicos.

Para a construção do edifício central – já com dois pavimentos – e das duas torres de 30 metros de altura cada, foram gastos 550 mil tijolos, 355 carradas (cargas de um carro) de pedra e 8.000 sacas de cal.

O templo foi eleito, em 8 de dezembro de 2006, como patrimônio histórico e cultural da cidade e, em 2007, com o tombamento, passou a integrar o conjunto de prédios históricos do município.

Já em dezembro de 2009, na comemoração dos 180 anos, a pedido do padre Milton de Campos Rocha, a diocese de Itapetininga elevou a paróquia ao título de santuário.

Publicidade