Centro pode atender até 60 pacientes/dia

400
Publicidade
Siltec





Cristiano Mota

Propriedade alugada pela Prefeitura e que recerá pacientes com transtornos mentais, psicológicos e psiquiátricos

 

Destinado exclusivamente para pessoas com transtornos mentais, psicológicos e psiquiátricos, o Caps (Centro de Atenção Psicossocial) inaugurado pela Prefeitura tem capacidade para atender até 60 pacientes por dia. O número foi divulgado em cerimônia de entrega do espaço, na manhã de sexta-feira, 10.

A solenidade não contou com descerramento de placa inaugural, uma vez que a Câmara Municipal ainda não aprovou o projeto de denominação. Divulgado como “grande conquista para o município”, o Caps marca o início da implantação da chamada Raps (Rede de Atenção Psicossocial) no município.

Publicidade
Siltec

O evento iniciado às 10h30, com meia hora de atraso, contou com participação do prefeito José Manoel Correa Coelho, Manu, da primeira-dama e presidente do Fundo Social de Solidariedade, Ana Paula Cury Fiuza Coelho, da secretária municipal da Saúde, Cecília Aparecida Xavier de Oliveira França.

Também participaram o vice-prefeito e atual secretário municipal de Infraestrutura, Meio Ambiente e Agricultura, Vicente Aparecido Menezes, Vicentão (PT), e o vereador José Marcio Franson (PT). Esse último aproveitou a ocasião para divulgar que voltou a fazer parte da base de governo.

O Caps funciona em uma chácara localizada na avenida Virgílio de Montezzo Filho, 201, no bairro Nova Tatuí. A propriedade locada pelo Executivo tem 3.000 metros quadrados de área e conta com piscina, quarto coletivo de acolhimento, posto de enfermagem, espaço para oficinas ocupacionais, almoxarifado, farmácia, sala de medicação, refeitório e sala de convivência. Esses locais serão utilizados para atendimentos multidisciplinares.

“Esse é um momento especial, de comemoração. O dia 10 de abril de 2015 vai ficar para a história de Tatuí como o dia que a população recebeu esse maravilhoso e importantíssimo equipamento de saúde”, disse a secretária da Saúde.

Conforme ela, o espaço representa a concretização de um sonho acalentado por muitos anos. “Ele se materializou e carrega história de muita luta, engajamento e trabalho árduo”, comentou, referindo-se à dedicação da equipe para a viabilização de convênio entre a Prefeitura e o governo federal.

Em discurso, a secretária enfatizou que o projeto só tornou-se possível por conta da dedicação da equipe. Ressaltou, também, que o centro tem uma proposta diferenciada dos serviços que até então eram oferecidos para a população.

“Ele dá apoio a pacientes com transtornos mentais, por meio de assistência multidisciplinar, mas o objetivo principal é promover a inclusão dos pacientes na família e na sociedade. Mas o projeto ainda não está pronto”, disse.

Cecília explicou que o centro representa o primeiro passo para um trabalho que permitirá atendimento a pessoas com dependência química (drogas e bebidas alcoólicas). Ele é viabilizado com recursos do SUS (Sistema Único de Saúde).

Dirigindo a palavra ao prefeito, a secretária elogiou o trabalho desenvolvido em Tatuí e as diretrizes adotadas pela administração. “A cada dia tenho comprovado que o artigo 196 da Constituição Federal, que diz que a saúde é direito de todos e dever do Estado, sempre se fará valer em nossa gestão”.

Segundo a discursar, o vereador Franson disse estar emocionado por conta da inauguração. Também voltou a declarar apoio a Manu. “Estou muito feliz e contente de estar aqui ao ver o prefeito que se preocupa com os mais necessitados, uma porção da sociedade que, normalmente, é desprezada”, iniciou.

Franson classificou a iniciativa da Prefeitura – em implantar o Caps – como exemplar. Representando a Câmara Municipal, o parlamentar afirmou que apesar das “divergências que têm com o prefeito”, ele vai defender o governo.

“Estou saindo da depressão e vindo à tona porque existe um compromisso sério e honesto de voltar as políticas públicas para aqueles que mais necessitam”, disse.

O petista também disse que vai trabalhar para que a população “entenda a maneira como o governo está encaminhando as prioridades”. Por fim, pediu a Manu que reiterasse o compromisso de implantar o projeto de proteção aos animais de modo a tornar o município um exemplo para todo o país.

Grande benefício

No discurso, o prefeito afirmou que a entrega do centro representou uma conquista para o município. Manu disse que ele faz parte de uma série de compromissos assumidos por ele no programa de governo durante a campanha de 2012.

A respeito das propostas, o prefeito disse que já conseguiu cumprir “mais de 50% do que assumiu” em campanha. Para ele, o Caps representou “mais uma etapa vencida”.

“Vocês podem dizer que não tinha Caps no plano de governo. A palavra não tinha, mas tínhamos proposto em destinar na cidade um local para que pudesse trabalhar as pessoas que tivessem dependências. De uma certa forma, ele está no plano. Nós só não colocamos a nomenclatura”, argumentou.

Segundo ele, o centro vai permitir uma série de trabalhos que serão realizados posteriormente. A meta principal é oferecer tratamento para pessoas com dependência química de modo a recuperá-las e a reinseri-las na sociedade.

Por meio do Caps, o Executivo espera, também, gerar economia para o município. Em 2014, o prefeito citou que a Saúde consumiu 36% do Orçamento.

“Grande parte disso se deve a internações de pessoas que têm problemas com álcool e droga, a compra de medicamentos caros para controlar pacientes. Tudo, através de ordens judiciais. Esse espaço vai nos dar um fôlego”, disse.

Num segundo momento, os serviços serão ampliados para os dependentes – via Caps AD (álcool e drogas); e, num terceiro, envolverá a Santa Casa. O hospital deverá ser “um braço” do Executivo ao oferecer leitos psiquiátricos.

Conforme o prefeito, toda essa estrutura vai permitir que a secretaria reconduza os pacientes que atualmente são internados para um tratamento clínico mais adequado. Desta forma, a Prefeitura espera reduzir o número de internações e, com isso, gerar economia para aplicar os recursos em outros serviços.

Falando sobre o espaço utilizado para os atendimentos, Manu destacou a “qualidade das instalações”. Além do tamanho da chácara, o prefeito citou que ela oferece ambientes específicos para lazer e uma piscina. “Tudo isso é para que a pessoa se sinta melhor. Tenha um horizonte de que a vida pode ser melhor do que ficar enterrada em bebida ou droga e que se recupere”, afirmou.

Manu ainda mencionou o trabalho realizado pela secretária da Saúde na viabilização do Caps. Ele parabenizou a titular e a equipe de funcionários por conseguir obter os recursos necessários para o funcionamento do centro e pela “gestão dos funcionários da rede pública que prestam atendimento no local”.

Conforme o prefeito, a secretaria promoveu um remanejamento dos profissionais. A mudança inclui a transferência das equipes que atendiam na Saúde Mental, na vila Dr. Laurindo, para dentro do Cemem (Centro Municipal de Especialidades Médicas) “Dr. Jamil Sallum”, na rua São Bento, no centro.

Ainda sobre a Saúde, Manu disse que ela “melhorou bastante” no município. Ele parabenizou os funcionários e disse que estar na função “não é tarefa fácil”. “Todo mundo que chega na Saúde quer ser atendido na hora e da melhor maneira”, disse.

Para o prefeito, o município vem registrando uma “grande evolução na saúde”. Manu citou como exemplo as revitalizações realizadas nas UBSs (unidades básicas de saúde) e no Pronto-Socorro Municipal “Erasmo Peixoto”.

Declarou, também, que o Executivo melhorou o tratamento das pessoas que utilizam medicamentos de alto custo. Conforme o prefeito, mesmo com a queda de arrecadação dos municípios, a Prefeitura tem conseguido dar suporte necessário.

Manu também mencionou a notícia sobre o falecimento do aposentado Pedro de Lima, de 81 anos, na terça-feira, 7, e que estava internado no ambulatório. O prefeito disse que o paciente recebeu “o melhor atendimento possível” e lamentou que o fato tivesse constrangido os servidores.

“A saúde de Tatuí está boa, sim. Tem muito para melhorar? Claro que tem! Qual local desse planeta que a saúde não é deficiente? Não existe, mas que avançou, melhorou, isso é fato. E é preciso que seja falado”, complementou o prefeito.


Publicidade
Siltec