‘Central de Operações’ em Sorocaba irá atender ligações locais para a PM

Em caráter provisório, telefonemas ao ‘190’ são atendidos em Itapetininga

920
Publicidade

A partir deste mês, as ligações ao telefone 190, da Polícia Militar, são atendidas pela central da corporação na cidade de Itapetininga. A mudança faz parte da remodelação do sistema de atendimento da PM, que passará do analógico para o digital.

A informação exclusiva sobre a mudança foi dada pelo comandante da 2ª Companhia do 22º Batalhão da PM, capitão Luiz Antonio da Silva, em entrevista a O Progresso. Na segunda fase da transferência, as ligações serão atendidas pelo Copom (Centro de Operações da Polícia Militar), em Sorocaba.

As mudanças integram o processo de modernização e digitalização pelo qual a corporação vem passando recentemente. Com o Copom em Sorocaba, todas as viaturas do CPI-7 (Comando de Policiamento do Interior) serão controladas pela nova central.

“Temos o Copom Online, que será um fato contributivo para a identificação de locais e para o atendimento mais rápido das ocorrências. O atendimento será digitalizado e com tecnologia aplicada”, explicou.

Um sistema semelhante ao aplicado nos veículos da Guarda Civil Municipal, mas próprio da PM, foi colocado nas viaturas da corporação. A localização por GPS permitirá ao militar que atender às ligações em Sorocaba identificar a viatura mais próxima da ocorrência e despachá-la.

Publicidade

A novidade permitirá otimização do trabalho dos policiais que estão na rua, economia de combustível e atendimento mais rápido. A rapidez é elemento fundamental no atendimento de ocorrências, como os roubos, e permitem maior possibilidade de os policiais prenderem criminosos “no ato”.

“Temos um sistema de georreferenciamento, para os locais da ocorrência, e a localização da viatura mais próxima. Além disso, temos outros sistemas que ajudam no trabalho dos policiais”, contou o comandante.

As viaturas dos policiais militares contam com um “tablet” chamado TMD (terminal móvel de dados). O dispositivo otimiza o trabalho de policiais durante abordagens.

Pelo sistema, é possível saber se determinada pessoa é procurada pela Justiça, ou se um celular ou veículo é roubado ou furtado. Antigamente, as informações eram passadas pelo rádio da viatura; atualmente, a transferências de dados ocorre de modo “instantâneo”.

A informatização das operações da PM também atingiu o modo como o policiamento é realizado. Com o Infocrim (Sistema de Informações Criminais), que congrega boletins de ocorrência, delegacia eletrônica e dados da Polícia Militar, é possível rastrear os locais com maiores incidências de furto, roubos e outros delitos e dirigir policiamento nas áreas.

“O Infocrim ajuda no planejamento do policiamento do canil, da Força Tática, do Rocam (Rondas Ostensivas com Apoio de Motocicletas). As informações também são usadas para o direcionamento de áreas de interesse de segurança pública para a realização de operações direcionadas, como a Cavalo de Aço, Saturação, operação Direção Segura ou de policiamento integrado”, declarou.

Os rádios das viaturas continuam existindo. Quando o sinal de internet do terminal móvel de dados falha, ele é usado, ficando como um comunicador sobressalente, mas digital, assim como o tablet.

“A comunicação via rádio é digital. Então, as informações chegam às nossas equipes com maior perfeição”, descreveu.

Com a mudança dos atendimentos das ocorrências transferidos para Itapetininga – e, posteriormente, para Sorocaba – o CAD (Centro de Atendimento e Despacho) da PM local foi desativado.

Assim, seis policiais que se revezavam nas ligações foram colocados para o policiamento nas ruas. Para atender o novo contingente, uma viatura foi adquirida, segundo o comandante.

“Com o avanço da tecnologia, tem a tendência de otimizar os processos administrativos e operacional. Com as demandas administrativas otimizadas, disponibilizamos policiais para as ruas, para realizarem policiamento. A ampla maioria do efetivo é do operacional”, explicou.

A digitalização dos sistemas de comunicação da PM não exclui a possibilidade de a corporação firmar parcerias tecnológicas com a GCM.

A força de segurança municipal anunciou, neste mês, que trabalha no georreferenciamento de sítios e fazendas para facilitar o atendimento em bairros rurais. O sistema poderá ser colocado à disposição da PM, do Corpo de Bombeiros e do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência).

“Temos conversado (com a GCM) e fazendo contatos visando à integração. Inclusive, quando estiverem com o projeto pronto, vamos procurar integrar esse sistema e ampliar o acesso à segurança para a população”, constou.

Desde o início da gestão à frente da 2a Companhia, o capitão disse ter buscado apoio da força municipal. Operações envolvendo a GCM e o DMMU (Departamento Municipal de Trânsito) foram realizadas com vistas à segurança no trânsito. Outras intervenções poderão acontecer, dependendo da necessidade.

“Temos integrações, assim como com a Polícia Civil, em diligências, levando mais informações obtidas em contato com as partes envolvidas, para facilitar a identificação de suspeitos”, afirmou.

A zona rural tem sido alvo de furtos nos últimos meses e recebe atenção especial da PM, de acordo com Silva. Policiais têm tentado estreitar contato com produtores e moradores das regiões rurais para facilitar o atendimento a possíveis ocorrências.

Segundo o comandante, a crise econômica não tem atrapalhado as atividades e os projetos desenvolvidos pela corporação.

O quartel localizado no Jardim Wanderley passa por reformas. O telhado sofreu ajustes para evitar vazamentos e as salas receberam pintura nova, nas cores branco e cinza. Os investimentos não incluem ampliação da construção de mais de 1.000 m².

Publicidade