Câmara quer destinar economia de recursos à Santa Casa e ao ‘CIR’

268
Foto: Arquivo O Progresso
Publicidade
Da reportagem

Após devolver R$ 1,8 milhão ao Poder Executivo em dezembro do ano passado, o Legislativo planeja uma nova devolução de recursos no fim do ano.

De acordo com o presidente da Casa de Leis, Antônio Marcos de Abreu (PSDB), a intenção é devolver verbas à prefeitura, indicando que sejam utilizadas para pagamento do 13º salário dos funcionários da Santa Casa de Misericórdia e em benefício do CIR (Centro Integrado de Reabilitação) – atualmente em construção na área central.

A Câmara Municipal, por diversas vezes, já destinou montantes em auxílio ao pagamento do 13º salário dos servidores do hospital. “A Santa Casa arrecada durante 12 meses, porém, tem de pagar 13 meses. Tentaremos fazer essa devolução para garantir o 13º salário”, afirmou Abreu.

Durante a sessão ordinária desta segunda-feira, 20, os vereadores aprovaram o requerimento 1366/20, de autoria de Rodnei Rocha (PSL), solicitando que “a prefeitura possa utilizar o saldo de recursos, oriundos do Legislativo, que será repassado ao final deste ano, para apoiar o projeto do CIR”.

Conforme o documento, o centro necessitará de R$ 103.921,28 para a construção de sete salas, sendo: uma de fisioterapia, no valor de R$ 36.246; de integração sensorial, por R$ 28.415,50; fonoaudiologia, R$ 6.339,90; terapia ocupacional, R$ 2.990; tecnologia assistiva e comunicação alternativa, R$ 9.507; atividade vida diária, R$ 2.750; e para um psicólogo, R$ 17.672,88.

Publicidade

Na tribuna, Rocha agradeceu a Abreu, ao vice-prefeito Luiz Paulo Ribeiro da Silva e à prefeita Maria José Vieira de Camargo, por terem aceitado a sugestão de utilizar os recursos a serem devolvidos para promover melhorias no CIR.

No ano passado, a Santa Casa recebeu R$ 1 milhão para o pagamento do 13º de mais de 250 funcionários. Desse montante, cerca de R$ 300 mil foram utilizados na quitação de encargos tributários e junto a fornecedores do hospital, além da compra de medicamentos.

Já a GCM teve direito a R$ 200 mil. O dinheiro acabou destinado à compra de armamentos, munições e fardamento. Os guardas foram equipados com 30 modelos “ponto 40” e as munições, utilizadas para treinamento e manuseio de arma de fogo.

Aproximadamente, R$ 250 mil foram encaminhados para revitalização da praça João Cassemiro e a obras de recapeamento e tapa-buracos em ruas próximas ao espaço, localizado no Jardim Andrea Ville.

O planejamento ainda destinou cerca de R$ 50 mil para a compra de veículos ao Departamento Municipal de Mobilidade Urbana, da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana e Transportes, e à assistência farmacêutica.

Publicidade