“Belezas Indivisíveis” podem ser vistas em mostra de fotos

Trabalho de Ludwig Werner integra 11ª Primavera de Museus

523
Exposição entrou em cartaz na noite do dia 22 e segue até o dia 29 de outubro no 'Paulo Setúbal' (foto: AI Prefeitura)
Publicidade

Um conjunto de fotografias registradas a partir de “uma técnica pouco usual”. Essa é a premissa da exposição “Revelando Belezas Indivisíveis”, assinada por Ludwig Werner Binermann. A mostra entrou em cartaz no MHPS (Museu Histórico “Paulo Setúbal”), na noite do dia 22 deste mês, uma sexta-feira.

A abertura aconteceu às 20h, com presença do responsável e de convidados e integrou programação da 11ª Primavera de Museus. A exposição segue com visitação aberta até o próximo dia 29 de outubro, um domingo. Os interessados podem conferi-la na praça Manoel Guedes, 98, no centro, de terça a domingo, das 9h às 17h.

Coordenada pelo Ibram (Instituto Nacional de Museus), a Primavera de Museus tem o objetivo de promover, divulgar e valorizar os museus brasileiros, aumentar o público visitante e intensificar a relação dos museus com a sociedade, focando como resultado a participação de museus do território nacional.

Para esse período os agentes de cultura focaram na proposta da semana que é expressar um ‘olhar para dentro’ e refletir, junto com o público, sobre suas contribuições para a memória local e o desenvolvimento das comunidades onde se inserem.

“A equipe focou em buscar uma visão diferente de Tatuí, um olhar cuja proposta levará o público a refletir: ‘Conheço aquele lugar! Onde será?’. E, assim, aprimorará a memória social do público de como observar nossa cidade com outro olhar”, descreveu o diretor de Cultura e responsável pelo Museu, Rogério Vianna.

Publicidade

Com base nessa curadoria, a exposição fotográfica “Revelando Belezas Invisíveis”, foi a escolhida. De acordo com a curadoria, ela é diferenciada, “pois todas as tomadas fotográficas foram feitas com uma técnica pouco usual, mesmo entre fotógrafos já experientes”.

São fotos feitas com luz infravermelha, uma luz que existe, mas que não pode ser vista a olho nu, pois exige filtragens especiais que não deixam a luz natural passar, mas apenas o infravermelho. Após a tomada fotográfica, necessita de uma pós-produção muito técnica. “O resultado são fotos intrigantes e diferentes, com uma beleza muito especial”, cita-se em nota de divulgação.

O diretor de fotografia e autor da exposição trabalhou na CPB (Casa Publicadora Brasileira). Lá, iniciou na produção, passando para fotografia, departamento de arte e, finalmente, departamento fotográfico.

Mudou-se para Portugal, onde aprimorou a técnica e montou estúdio. Trabalhou para renomadas agências de publicidade e canais de TV, operando equipamento “broadcast” e ministrando diversos workshops de fotografia.

Mais informações sobre a mostra e o autor são fornecidas pelo telefone (15) 3251-4969. Quem preferir, pode solicitar dados pelo e-mail: mhpstatui@gmail.com.

Publicidade