Basquete segue ativo durante isolamento

Técnico e atletas de equipe profissional se preparam para retorno ainda sem previsão

328
William Drudi assumiu responsabilidades domésticas, além do basquete (foto: Foco a Dois)
Publicidade
Da redação

Na próxima quarta-feira, 20, o XI de Agosto/AABT/Tatuí completa dois meses do último treino “tradicional”. Na ocasião, a equipe profissional de basquete encerrou a terceira semana de treinamentos e suspendeu as atividades esportivas.

A agremiação tatuiana estava se preparando para disputar a Copa São Paulo Adulta Masculina – 2020. O município, inclusive, recebeu a cerimônia de apresentação da competição, na Associação Atlética XI de Agosto, dia 29 de fevereiro.

No entanto, devido às medidas de prevenção ao contágio pela Covid-19, o XI de Agosto/AABT/Tatuí não pôde estrear na Copa São Paulo dia 19 de março. A agremiação jogaria “em casa”, no ginásio da Associação Atlética XI de Agosto, às 19h30, diante do Memorial/Fupes/Santos.

Seguindo orientações da Fiba (Federação Internacional de Basquete), da ConsuBasquet (Confederação Sul-Americana de Basquetebol) e da CBB (Confederação Brasileira de Basketball), a FPB (Federação Paulista de Basketball) decidiu suspender, inicialmente, os campeonatos realizados por ela, entre os dias 13 e 19 de março.

A suspensão, em caráter preventivo, assinada pelo presidente da FPB, Enyo Dauro Lepos Correia, foi divulgada pela entidade na véspera da decisão. Posteriormente, a federação suspendeu os torneios por tempo indeterminado.

Publicidade

A FPB anunciou, no site e perfil oficial em uma rede social, que criaria uma cartilha sobre as medidas de segurança e prevenção, com a participação de especialistas, para encaminhar aos filiados, visando à retomada das atividades da modalidade.

Na quarta-feira, 6, a FPB promoveu reunião virtual com os representantes das categorias de base feminina e das equipes da “Copa São Paulo” nas categorias feminina e masculina. Durante a videoconferência, Correia ressaltou que as competições serão mantidas, no entanto, sem data estipulada.

A primeira edição da Copa São Paulo tem a participação de seis equipes: XI de Agosto/AABT/Tatuí; Memorial/Fupes/Santos; LSB/Flex/PMS, de Sorocaba; Basquete/Garça; Conti Cola/Assis Basket; e Basquete/Unifae/São João da Boa Vista.

As disputas começaram oficialmente no dia 12 de março, véspera do início da suspensão. Jogando em Sorocaba, a LSB/Flex/PMS inaugurou a competição vencendo o Conti Cola/Assis Basket pelo placar de 91 a 79. Inicialmente, o campeonato seria concluído no dia 28 de junho, um domingo.

A Copa São Paulo dá início à segunda temporada da equipe profissional do XI de Agosto/AABT/Tatuí, e a intenção era de utilizá-la como preparação para a disputa do Paulista da Divisão Especial Série A-1.

O time local já está garantido na elite do basquete paulista, por conta da conquista do título invicto do Campeonato de Acesso – 2019. O torneio estava previsto para ser iniciado no dia 25 de julho, um sábado.

Em 2020, além das disputas profissionais, o XI de Agosto/AABT/Tatuí representaria o município em outras competições. As equipes de base, em diferentes categorias, começariam a competir em torneios com chancela da LDP (Liga Desportiva Paulista) a partir do dia 28 de março.

Na modalidade de basquete, a cidade também participaria dos Jogos Regionais, de 16 a 25 de julho, e, em caso de classificação, dos Jogos Abertos, entre 11 e 21 de outubro, ambos sediados em Sorocaba.

“Estamos aguardando as decisões da FPB e da Secretaria Estadual de Esporte para saber quais competições irão acontecer neste ano”, informou o assistente do time profissional e técnico das equipes de base de Tatuí, Filipe Ariel, o Crânio.

Treinos em casa

Apesar de não haver previsão para o retorno de atividades em grupo e das competições, os atletas da agremiação tatuiana realizam treinamentos físicos nas respectivas residências para manterem a forma.

De acordo com o treinador da equipe, Júlio Malfi, ele tem enviado, semanalmente, uma planilha com orientações de treinos aos jogadores. “Nós já estamos na décima semana e os atletas continuam treinando, respeitando as 48 horas de adaptação e de descanso que um corpo necessita”, revelou.

O atleta Elivelton dos Santos conta que conseguiu alguns halteres, porém, precisou fazer adaptações para cumprir as planilhas de atividades físicas na residência dele, em São Roque. Ele afirma estar treinando forte para manter o ritmo mesmo sem poder participar de partidas.

“É um momento novo na carreira dos atletas, afinal, ninguém havia passado por isso. Temos de ter responsabilidade e realizar os treinamentos na casa para mantermos a parte física”, completou o jogador William Drudi.

Neste período, Malfi aponta que somente é possível os atletas da equipe manterem o condicionamento físico. Desta forma, quando as atividades presenciais forem retomadas, ele poderá intensificar os trabalhos técnicos e táticos.

Conforme o treinador, existe a possibilidade de, com o retorno das competições, as partidas oficiais serem disputadas em um intervalo curto. Por conta disto, é preciso que os jogadores estejam bem fisicamente, para que a equipe possa atingir o estágio que havia alcançado antes da paralisação.

“Nossa preocupação é que os jogadores estejam bem de saúde, preservados nos respectivos lares, porém, mantendo a atividade física. Quando tudo voltar, possivelmente, não vamos ter muito tempo para treinar parte técnica e tática”, declarou Malfi.

“Provavelmente, o intervalo entre as partidas deve ser bem curto, pois não haverá muitas datas disponíveis no calendário. Teremos de fazer jogos seguidos, e manter o físico é extremamente importante”, complementou Santos.

Drudi concorda com o técnico e companheiro de equipe. Entretanto, além de atuar como atleta profissional, ele também é treinador das equipes de base do São Paulo. No caso dos jogadores mirins, Drudi informa que os intervalos entre os jogos serão mais espaçados, para tentar evitar eventuais lesões.

Para Santos, o que provoca mais saudade é o convívio com os companheiros e o incentivo dos torcedores. Segundo ele, “é comum que os atletas fiquem mais tempo com os companheiros do que com a familiares e, desta forma, criam uma ‘segunda família’”.

“As partidas são sempre emocionantes. Os torcedores nos transmitem uma energia muito boa de incentivo e de apoio que, neste momento, está fazendo uma enorme falta”, complementou Santos.

Morando em Sorocaba, Drudi precisava viajar para participar dos treinos do XI de Agosto/AABT/Tatuí. O atleta destaca o “lado positivo” do isolamento social, aproveitando para passar mais tempo com os filhos dele.

“Estou podendo estar com os meus filhos durante 24 horas nos sete dias da semana. Estou ‘curtindo’ muito eles e ajudando-os nas tarefas escolares, cumprindo outras responsabilidades, além do basquete”, reforçou.

Malfi afirma que o trabalho de técnico é prejudicado pela pandemia, no entanto, reconhece que o mais importante é a saúde da população. “Eu seria muito egoísta em pensar que estou sendo prejudicado, pois está atrapalhando muito mais os trabalhadores tatuianos e de todo o país”, declarou.

“Quantas pessoas estão necessitando de atenção em termos de saúde e financeiros? Nos preocupamos em um contexto geral, pois a pandemia atrapalha totalmente o meu trabalho, porém, afeta o mundo todo”, complementou o treinador da equipe.

Malfi, Drudi e Santos pedem que a população se cuide e siga as orientações dos órgãos de saúde municipais e estaduais, além da OMS (Organização Mundial da Saúde).

“É um momento muito delicado, e é preciso obedecer às diretrizes das autoridades. Espero que tudo volte o mais breve possível e todos com saúde, que é o mais importante”, afirmou Drudi.

“Não vejo a hora, assim como todos os atletas da equipe, de podermos voltar a representar o município nas competições, que, se Deus quiser, devem voltar a acontecer. Neste momento, é preciso seguir as recomendações da OMS e, desta forma, preservarmos muitas vidas”, concluiu Malfi.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

entre com sua mensagem
entre com seu nome